PUBLICIDADE

Com importantes apoios em PG, Bakri disputa vaga na Alep

O ex-prefeito de União da Vitória, Hussein Bakri (PSD), atuou como líder do governo Ratinho Júnior na Alep. Agora, Bakri conta com o apoio de importantes lideranças políticas de Ponta Grossa para voltar a ser deputado estadual

Bakri foi o décimo sexto entrevistado na série realizada pelo Grupo aRede com os candidatos.
Bakri foi o décimo sexto entrevistado na série realizada pelo Grupo aRede com os candidatos. -

Marcus Benedetti

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O ex-prefeito de União da Vitória e candidato a deputado estadual, Hussein Bakri  (PSD), foi o décimo sexto entrevistado da série realizada pelo Grupo aRede/Jornal da Manhã com candidatos a deputado estadual e federal. Durante a entrevista, o ex-parlamentar deixou claro o desejo de representar a região e de trabalhar pelo município de Ponta Grossa. Bakri relembrou recursos conquistados para a cidade e agradeceu o apoio de lideranças políticas importantes, como da prefeita Elizabeth Schmidt e do presidente da Câmara de Vereadores, Daniel Milla. 

Nos últimos anos, o candidato atuou como líder do governo Ratinho Junior na Assembleia Legislativa do Paraná como suplente do deputado Marcio Nunes, que se licenciou para ocupar cargo na secretaria do Governo. Agora, Bakri quer retornar à Alep para continuar o trabalho realizado como suplente. Confira mais detalhes da entrevista com Hussein Bakri abaixo:

Quais foram as motivações para concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa do Paraná nestas eleições?

Hussein Bakri: Sou de União da Vitória, fui vereador com 22 anos de idade. Fui prefeito, depois fui reeleito e terminei meu mandato com 86% de aprovação. Coloco em prática algumas questões básicas e Ponta Grossa é testemunha disso. Eu nunca prometo o que não posso fazer. Penso muito bem antes de dizer ‘sim’. Mas, quando digo ‘sim’, é porque está consolidado. Em segundo lugar, ninguém mais aguenta os políticos que não dão retorno, que dão uma atenção ao povo antes da eleição e outra depois. O que custa atender, conversar, visitar as bases? 

O meu celular está nas redes sociais. Muitas vezes, a população precisa do apoio de um deputado para resolver questões em órgãos do estado, como a Copel, a Sanepar, enfim, e eu faço questão de deixar meu celular à disposição..

Mas eu comecei na vida pública como vereador e, depois que entra no sangue, não sai mais. Porém, confesso que me encontrei mesmo na Assembleia Legislativa. O primeiro dia que eu entrei lá parecia que eu já tinha estado lá em outras encarnações. Eu me dei bem, gostei do plenário, das atividades, fui presidente da Comissão da Educação, fui líder do governo e pude capitanear um grupo de 44 deputados. Tivemos um sucesso muito grande no encaminhamento das matérias e tenho uma paixão enorme pelo o que eu faço. 

Como foi o trabalho na busca por recursos para a cidade de Ponta Grossa?

Hussein Bakri: No mandato passado, quando o prefeito era Marcelo Rangel, um dia ele chegou no meu gabinete e disse: ‘Preciso de um deputado forte, que me ajude. Tenho um problema sério para finalizar as obras do Lago de Olarias’. Eu disse: ‘O que o senhor precisa, prefeito?’. Ele disse que precisava de R$ 5 milhões e eu destinei esse recurso. A maior emenda do meu mandato foi para o Lago de Olarias. Ali eu estabeleci uma parceria que continua com a prefeita Elizabeth, que me indica como deputado de Ponta Grossa. Mas eu quero deixar uma coisa clara: Eu sei do meu tamanho em Ponta Grossa. Sei que têm outros atores políticos. No entanto, eu nunca cobrei nada de ninguém. Nunca condicionei uma ajuda somente se votassem em mim.

Não, eu apenas trabalhei. Somente para a saúde de Ponta Grossa foram mais de R$ 10 milhões em equipamentos, reformas de postos de saúde, na educação estamos fazendo uma verdadeira revolução nos colégios da cidade, são várias escolas que estão recebendo recursos. Viabilizamos o sistema Educatron, um sistema que conecta a sala ao mundo em todas as salas de aula de todos os colégios dos Campos Gerais. Foi um grande trabalho como presidente da Comissão de Educação. Temos um investimento que fizemos em parceria com o deputado federal Sandro Alex e com a prefeita Elizabeth, além também do governador. Foram R$ 18 milhões para área industrial, recursos que dividimos entre cada um. Enfim, foi uma série de recursos que destinamos. Correndo atrás, batalhando, mas sempre com aquele princípio de nunca prometer aquilo que não posso fazer. Tudo o que prometi, eu fiz tudo.

Como o senhor avalia o trabalho de líder do governo Ratinho na Assembleia?

Hussein Bakri: Você nunca pode pisar nas minorias, porque amanhã ou depois você pode ser a minoria. Respeite a todos. Foi isso que traduzi no meu trabalho. Nós tínhamos 44 deputados e o restante era da oposição, sempre respondi, conversei, analisei requerimentos, até porque às vezes a gente pode estar errado. Às vezes, é possível colher da oposição alguma boa sugestão. Então, os discursos dos deputados da oposição foram nesse sentido porque sempre os respeitei. Mas não é fácil ser líder de bancada. Às vezes, na própria base tem algum deputado insatisfeito, enfim, tem uma série de fatores que podem deixar um deputado bravo e o reflexo é no plenário. Mas consegui superar tudo isso, atender todos. Eu recebia um por um no meu gabinete e mantive uma boa relação. Tive bastante ônus, bastante tive bônus, porque quando você está na liderança, você transita por todas as secretarias, você está lá dentro do governo, e é óbvio que isso te facilita nas resoluções dos problemas, te facilita a viabilizar recursos. Ser líder do governo me projetou no Paraná inteiro, não posso negar. Eu devo muito isso aos meus colegas da Assembleia e ao governador. Hoje em dia sou o deputado indicado em 44 cidades, antes eu era indicado por 9 prefeitas. Antes, eu atuava no total em 28 cidades, hoje eu estou atuando em quase 100 cidades. 

O que o eleitor de Ponta Grossa e região pode esperar do Hussein Bakri na alep?

Hussein Bakri: Não vamos desistir do Brasil. Sei que tem uma boa parcela que está desanimada com a política, que não confia em mais nada, mas se deixarmos de votar é pior, porque alguém vai se eleger. Procure pesquisar, participar da vida pública, isso é fundamental. Em segundo lugar, gostaria que vocês entendessem que eu não sou de impor obra a ninguém. Eu converso com as lideranças políticas das cidades que fazem os projetos, levam até mim e eu viabilizo o recurso. É assim que funciona. 

Mas o que posso garantir é o seguinte, vou continuar mantendo minha postura. Eu estou em Ponta Grossa pelo menos uma vez por mês. Tenho um escritório político aqui no centro da cidade em que as pessoas podem falar comigo. O meu celular está na minha rede social e, aquilo que eu prometer, eu vou cumprir. Podem ter certeza que vocês vão ter uma pessoa batalhando por Ponta Grossa, lutando pelas demandas da cidade. Conversei ontem com o Coronel Taborda e temos um bom contingente de soldados que estão fazendo escola. Fiz um pedido especial para fortalecer aqui, porque aqui temos o maior índice de criminalidade dos Campos Gerais. Então, Ponta Grossa vai ser bem aquinhoada com um bom número de policiais. Está provado, existe um número muito alto de criminalidade por uma série de fatores, então podem contar comigo que vocês vão ter um cara batalhador, que luta e vou estar sempre à disposição.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE