PUBLICIDADE

Luciano Hang repudia atos de terrorismo em Brasília

Proprietário da rede de lojas Havan, apesar de ser um principais apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, disse que não apoia este tipo de manifestação

"Não doei, não participei e não incentivei nenhum tipo de ato contra a democracia", disse Hang
"Não doei, não participei e não incentivei nenhum tipo de ato contra a democracia", disse Hang -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O empresário Luciano Hang, um dos principais apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na campanha eleitoral do ano passado, se manifestou nesta terça-feira (10) sobre os atos terroristas ocorridos em Brasília neste domingo (8). O proprietário da rede de lojas Havan reforça que já havia dito anteriormente que seu "apoio político iria até o dia da eleição". Confira o documento na íntegra:

“Durante a campanha eleitoral, fiz doações ao candidato que eu mais me identificava em termos de propostas e de luta por um país melhor. Aliás, em 2018, quando me tornei ativista político, foi exatamente isso que fiz: analisei todos os candidatos para escolher qual se encaixava mais naquilo que eu acreditava e queria para o Brasil.

Como falei durante esta última campanha, meu apoio político iria até o dia da eleição, depois respeitaria o resultado das urnas, e assim voltaria a cuidar da minha empresa, dos nossos 22 mil colaboradores, da minha família. Sempre disse em diversas entrevistas que não tenho partido e nem mesmo político de estimação. Lutei por um país com menos burocracia, mais liberalismo econômico e mais oportunidades de empregos para todos os brasileiros. Por isso, estarei ao lado de todos os projetos que ajudarem o nosso país.

Democracia é isso, ter eleições para escolher os representantes do povo e, quem vencer, deve ter o direito de administrar daqui para frente. O meu desejo hoje é que possamos ter um país de paz, harmonia, desenvolvimento e muitos empregos.

Jamais apoiei ou apoiaria atos de violência e vandalismo. Não doei, não participei e não incentivei nenhum tipo de ato contra a democracia, tampouco contra prédios públicos. Embora minhas redes sociais estejam bloqueadas no Brasil, no dia 1º de novembro já havia publicado uma nota esclarecendo que não estava participando ou apoiando qualquer manifestação.

Repudio tudo o que foi feito no domingo, até mesmo porque o que aconteceu vai contra tudo o que eu luto. Não podemos aceitar o que foi feito, é preciso que os culpados sejam identificados e punidos dentro da lei”.

As informações são de assessoria

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE