PUBLICIDADE

PDT apoia Lula no segundo turno e Ciro Gomes segue decisão

A decisão do PDT foi tomada após uma reunião da Executiva Nacional

A decisão do PDT foi tomada após uma reunião da Executiva Nacional
A decisão do PDT foi tomada após uma reunião da Executiva Nacional -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O PDT anunciou nesta terça-feira (04), que vai apoiar o candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, no segundo turno. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que ficou em quarto lugar no primeiro turno e pautou sua campanha por fortes críticas ao petista, seguiu a decisão da legenda e também declarou voto no ex-presidente.

A decisão do PDT foi tomada após uma reunião da Executiva Nacional, que foi realizada de forma semipresencial, com uma parcela do partido na sede nacional da sigla, em Brasília, e outra parte participando por videoconferência. Ciro foi um dos que não estiveram na capital federal.

Desde 2018, Ciro tem escalado nas críticas ao PT e a Lula, de quem já foi ministro da Integração Nacional. Em diversas entrevistas e eventos, o pedetista chamava o petista de “enganador de serpentes” e disse que viu Lula “se corrompendo”.

Ciro também concorreu à Presidência em 1998, 2002 e 2018. Na campanha de 2022, ele teve seu pior desempenho e perdeu até no Ceará, sua base eleitoral e onde sempre liderava os votos nas eleições presidenciais anteriores.

A disputa deste ano também encerrou a hegemonia do grupo de Ciro no governo cearense e, pela primeira vez em 16 anos, o candidato apoiado por ele perdeu. Roberto Cláudio (PDT) ficou em terceiro lugar para governador, atrás de Capitão Wagner (União Brasil) e de Elmano de Freitas (PT), que comandará o Estadão a partir de 2023.

No entanto, logo na noite de domingo (02), após o resultado do primeiro turno, Ciro disse que nunca viu um cenário político tão “complexo” e “ameaçador” e pediu tempo para se posicionar. “Quero dizer a vocês que estou profundamente preocupado com o que estou assistindo acontecer no Brasil. Eu nunca vi uma situação tão complexa, tão desafiadora, tão potencialmente ameaçadora sobre a nossa sorte como nação”, declarou.

Apesar do apoio, a participação de Ciro na campanha do petista ainda é dúvida. Em 2018, ele evitou declarar voto no petista Fernando Haddad (PT) contra Bolsonaro. Na véspera do segundo turno naquele ano, recomendou que o voto fosse “com a democracia, contra a intolerância e pelo pluralismo”.

Com informações, O Sul

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE