PUBLICIDADE

Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira

Primórdios e surgimento do município dos Campos Gerais, com leitura e visita a local histórico da cidade, engajaram quintos anos da Escola do Campo de Witmarsum

Patrimônios que remontam a história do município foram abordados pelos alunos
Patrimônios que remontam a história do município foram abordados pelos alunos -

Dhiego Tchmolo

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Os quintos anos da Escola Municipal do Campo de Witmarsum, em Palmeira, puderam mergulhar na história e no começo da trajetória do município. A professora Alexsandra Schweigert de Oliveira (Sandy), comenta a investigação teve a contribuição de um livro produzido pela Secretaria Municipal de Educação e idealizado por Ana Paula Marques, à frente da pasta à época em que a obra ‘Uma pitada de nossa história, em almanaque’, foi produzida.

“O livro foi relevante para várias descobertas e sequência de aprendizagens. Aprendeu-se que no princípio de tudo os primeiros habitantes dessas terras foram os índios das tribos kaigangs. Depois, com a descoberta do Brasil pelos portugueses, enquanto o Brasil era dividido pelo Tratado de Tordesilhas, as terras palmeirenses pertenciam ao governo de Portugal. Francisco Luiz de Oliveira recebeu a Sesmaria da Palmeira e vendeu a seu cunhado, o Tenente Manoel José de Araújo e sua esposa Dona Ana Maria da Conceição Sá”, destaca a docente.

GALERIA DE FOTOS

  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  • Turmas passeiam pela formação histórica de Palmeira
  

A educadora segue o relato da história de Palmeira apontando que, primeiramente, o local foi denominado como Rincão da Cria, “provavelmente devido a criação de muares que existiam no local”. Assim, o caso realizou no local a construção de uma casa em estilo português, denominando-o como Fazenda Palmeira em virtude de um capão de palmeiras.

“O dono da Fazenda Palmeira, Manoel José de Araújo, fez a doação de um pedaço de suas terras ao padre Antônio Duarte dos Passos para a construção da Igreja Matriz, na data de 7 de abril de 1819, considerada a data de aniversário do município. A partir da construção da igreja, a população começou a se fixar no povoado”, relata Sandy.

Para complementar, a professora cita que o núcleo central de Palmeira teria surgido às margens do caminho Sorocaba-Viamão, famosa e histórica passagem dos tropeiros que ali pousavam e detinham seu curral de gado. Fechando, a docente cita que vários povoados na região dos Campos Gerais, bem como Palmeira, surgiram devido a essa forma econômica no século XIX.

“Os alunos então se debruçaram em estudo sobre todas essas histórias e, para conhecerem melhor os locais estudados, fizeram uma visita guiada à praça da Igreja Matriz, Palácio da Viscondessa, o Museu Histórico de Palmeira, onde confirmou-se tudo o que foi estudado. Os alunos ficaram encantados com tantos detalhes, descobertas e que a nossa história não está apenas no passado nos livros de história, e sim viva no povo que hoje é Palmeira. E, essas descobertas não param por aí: as turmas dos quintos anos ainda têm muitas histórias a contar”, conclui Sandy.

Acesse o blog escolar da Escola do Campo de Witmarsum clicando aqui

Conteúdo de marca

Quero divulgar right