Plauto confia na experiência para continuar trabalho na Alep

O deputado estadual ponta-grossense está no oitavo mandato consecutivo na Assembleia Legislativa

Plauto busca a reeleição para dar sequência ao trabalho que realiza como parlamentar desde 1990.
Plauto busca a reeleição para dar sequência ao trabalho que realiza como parlamentar desde 1990. -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

No oitavo mandato como parlamentar na Assembleia Legislativa do Paraná, Plauto Miró Guimarães Filho concorrerá novamente ao pleito nas eleições de outubro deste ano. Descendente de uma família de políticos, Plauto é neto do senador Flávio Carvalho Guimarães e seu pai, Plauto Miró Guimarães, foi prefeito de Ponta Grossa e secretário de Estado de Interior e Justiça na década de 60

Recentemente, Plauto tem se destacado com recursos destinados a diversas áreas de Ponta Grossa. Na saúde, o parlamentar foi o responsável pelos recursos que construirão o Hospital do Câncer da cidade. Destaca-se também as ações nas áreas da pavimentação asfáltica. Na causa animal, Plauto é o responsável por iniciativas de castração grátis, enquanto na área social o parlamentar destinou recursos para a compra de treze veículos para entidades do município. Agora, Plauto Miró pretende dar continuidade a esse trabalho em busca do nono mandato na Alep. Confira a entrevista abaixo:

Quais foram as motivações para concorrer novamente a uma vaga na Assembleia Legislativa do Paraná?

Plauto Miró: Eu comecei a conviver com a política desde muito cedo e eu sempre ouvi em casa, na minha família, a discussão política de um ou outro tema. Era um tempo diferente e eu me adaptei, aprendi em casa a gostar de política. Depois de um tempo, acabei sendo presidente do Lagoa Jovem, onde fizemos um trabalho no clube na época e, a partir disso, o tempo passou e os amigos do meu pai vieram me falar para eu participar da política. Nesse sentido, acabei incentivado pelo ex-ministro Alceni Guerra, que era o presidente do PFL na época, e acabei participando em 1990 das eleições e deu certo. A partir disso, comecei a trabalhar em defesa do Paraná, mas em especial da cidade de Ponta Grossa e dos Campos Gerais.

Tudo isso me motiva, pelas muitas conquistas que tivemos, de participar de novo. Em especial, levantamos a bandeira do Hospital do Câncer junto à provedoria da Santa Casa e deu certo. Eles me passaram o valor e eu fui atrás dos recursos, fui junto à Assembleia, que tem um orçamento grande, generoso, tem sobras orçamentárias ali que retornam para os cofres do Governo do Estado e, dentro dessa situação, fui até o Governador Ratinho e conseguimos viabilizar os recursos para a construção desse novo Hospital do Câncer. O que me motiva hoje é ver a construção desse prédio. Eu quero estar lá para ver em funcionamento, crescendo, com novos equipamentos e novos tratamentos. 

Muitos pré-candidatos pregam renovação e mudanças na Alep. O senhor pregaria a questão da experiência e da continuidade do trabalho?

Plauto Miró: É natural que tenham pessoas que queiram participar do processo e imaginam vencer as eleições para realizar um trabalho no parlamento. Eu estou lá há vários mandatos, estou colocando minha candidatura novamente para as pessoas avaliarem e tenho uma certa experiência. Tenho a facilidade de transitar dentro da estrutura do Governo do Estado independente de quem é o governador. Mas, a gente sabe como funciona, de onde sai o recurso, o que precisa fazer, então a gente já conhece o trâmite porque estamos lá há algum tempo.

Com essa experiência, eu pretendo, neste novo mandato, utilizá-la para poder atender as demandas da cidade de Ponta Grossa e de toda a região dos Campos Gerais, que é onde eu faço votos. Sempre recebi muitos votos aqui e nos municípios que compõem os Campos Gerais. É uma caminhada que fomos agregando amigos e vou disputar novamente a cadeira para dar continuidade a trabalhos que foram feitos e que deram certo. 

Como o senhor avalia a questão da representatividade de Ponta Grossa na Alep?

Plauto Miró: Já tivemos quatro deputados estaduais na Assembleia, eu era um deles. Sempre que tem um número maior de parlamentares, eles conquistam as emendas orçamentárias, é mais dinheiro que se consegue direcionar para Ponta Grossa e para a região. Se tem um parlamentar, tem um valor que é permitido pelo Governo como emenda orçamentária. Se tiver quatro, é quatro vezes esse valor. Então, é importante eleger o maior número de parlamentares, porque todos juntos conseguem pressionar os governos na hora que precisa, cobrar do mandatário ações importantes para a cidade e as emendas orçamentárias, que são os recursos, quanto mais parlamentares, é melhor, porque se conquista valores maiores para a cidade e, em especial para a região dos Campos Gerais. 

O senhor pretende, no futuro, se lançar à deputado federal ou a senador?

Plauto Miró: Me pergunto isso. É tanto tempo na mesma posição e eu tive uma oportunidade de ter uma eleição para deputado federal, que era uma eleição num momento favorável, para fazer muito voto. Foi no período que o deputado Afonso Camargo faleceu e criou-se um vácuo naquele momento e eu não aproveitei. Acabei não indo, até porque o Governador do Estado era um companheiro político, era o Beto Richa. Em cima disso, acabei titubeando e não tomei essa atitude no momento. Depois, tivemos outros deputados federais. Temos hoje eleitos por Ponta Grossa o Sandro Alex e o Aliel Machado, a partir disso, as divisões dos votos começaram. Temos hoje também o ex-prefeito Jocelito Canto como pré-candidato a deputado federal, então não sobra voto (risos). 

Todas as eleições que disputei como deputado estadual, nós vencemos. Pelo trabalho, pelo companheirismo, vamos participar de mais uma e, isso tudo, faz com que eu saiba somar para fechar a equação para que eu possa vencer as eleições. Então, o momento passou. Se abrir esse momento no futuro, pode ser. Mas muitas vezes eu penso: ‘Puxa, Plauto. Está na hora de ir para casa e dar oportunidade para os outros’ (risos). Mas, enquanto o eleitor estiver nos aceitando e votando em nós, eu continuarei na caminhada..

Quais são estratégias para o fortalecimento da campanha daqui até outubro?

Plauto Miró: Estamos rodando o estado e os Campos Gerais há 32 anos (risos). Eu gosto de conversar com os padres, com os prefeitos, com os ex-prefeitos. Isso é uma das coisas que é minha. Eu converso com todos, com meus adversários eu escuto, eu respeito, cada um tem a sua posição. Tudo isso vai enriquecendo o nosso conhecimento político. Ontem, estive em Palmeira. Recentemente estivemos em Tibagi, Ipiranga, Ventania, enfim. É um eterno andar e conversar com as pessoas mostrando o que nós fizemos, prestando contas e dizendo que vamos participar de mais uma eleição. Se você não tem um candidato escolhido, eu sou candidato. Assim, eu me dirijo. É até uma forma respeitosa de conversar e transmitir o que desejo.