Rangel quer 'contribuir com Ponta Grossa' na Alep

O pré-candidato a deputado estadual Marcelo Rangel (PSD) volta a disputar o cargo após dois mandatos na Assembleia e dois mandatos na Prefeitura de Ponta Grossa

Recentemente, o ex-prefeito atuou como superintendente de inovação do estado do Paraná.
Recentemente, o ex-prefeito atuou como superintendente de inovação do estado do Paraná. -

Marcus Benedetti

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O pré-candidato a deputado estadual Marcelo Rangel (PSD) volta a disputar o cargo após dois mandatos na Assembleia e dois mandatos na Prefeitura de Ponta Grossa 

O pré-candidato ao cargo de deputado estadual Marcelo Rangel (PSD) volta a disputar o cargo em que foi eleito em 2006 e reeleito em 2010. Mais experiente, Rangel retorna à vida pública após dois mandatos na Prefeitura Municipal de Ponta Grossa entre 2013 e 2020. Recentemente, o ex-prefeito atuou como superintendente de inovação do estado do Paraná. 

A entrevista com Marcelo Rangel foi a quinta  da série organizada pelo Grupo aRede e Jornal da Manhã com os pré-candidatos aos cargos de deputado estadual e federal. Na oportunidade, Rangel agradeceu o apoio do Governador Ratinho Júnior, comentou sobre as motivações para concorrer às eleições de outubro e destacou a importância da experiência neste retorno. Confira, abaixo, os detalhes da entrevista:

Quais foram as motivações para voltar a concorrer ao cargo de deputado estadual?

Marcelo Rangel: Para que as pessoas possam entender um pouco de tudo o que aconteceu nesses últimos meses, eu tinha até uma ‘pré-decisão’ de não voltar mais para a vida pública. Mas foi muito interessante tudo o que aconteceu nos últimos meses porque trabalhei com inovação na secretária de inovação do estado e isso tudo fez a minha mente ter um ‘blown mind’, uma coisa diferente, pensar a política de outra maneira. Tomar essa decisão de voltar a ser pré-candidato a deputado estadual, da mesma forma que iniciei minha carreira política, foi uma das decisões mais bacanas, mais lindas que já tive na minha vida. Isso porque hoje estou revendo meus grandes amigos da minha história. Não só as pessoas que trabalharam comigo na Prefeitura, mas principalmente as pessoas que foram atendidas, que estiveram acompanhando nosso trabalho lá na prefeitura ao longo dois oito anos que estive como prefeito. Então, estou me emocionando muito. Portanto, foi uma decisão espetacular. Independente de como vai evoluir a eleição, mas, acima de tudo, até como prestação de contas de tudo que a gente já passou ao longo desses últimos anos. Foi muito bacana. 

Quão importante foi o apoio do Governador Ratinho Júnior para essa decisão?

Marcelo Rangel: Acho que foi fundamental. Quando eu falei pro governador que estava pensando em me dedicar à iniciativa privada através das empresas que trabalho, eu disse: ‘Júnior, acho que vou ficar mais em casa, ficar com minha esposa e meus filhos’, porque eu nunca morei em Curitiba, sempre morei em Ponta Grossa. Eu ia todos os dias para Curitiba e voltava. Isso aconteceu quando fui deputado e, depois, na superintendência de inovação. Isso tudo é muito complexo. E, quando eu falei pro Ratinho,  ele falou: ‘Olha, Marcelo, entendo você porque já passei pelo mesmo dilema. Você vai continuar sendo meu melhor amigo independente de qualquer coisa. Se você não for candidato, não tem problema e, se você for, estaremos juntos nessa batalha’. Isso foi até pior do que se ele falasse  ‘preciso de você’. Porque, quando, ele disse isso, aí ele demonstrou que a nossa amizade, a nossa relação, é até mais importante do que questões relativas à política, à campanha eleitoral. Então, a gente começa a perceber que quando um amigo está na batalha você não fica só olhando na plateia. Você vai participar e tentar contribuir com a tua cidade, com o teu estado. Como fui deputado por dois mandatos e dois mandatos de Prefeito,hoje me considero muito mais experiente do que aquele garoto que entrou no primeiro mandato como deputado estadual. Eu nem conhecia a Assembleia, nem sabia como fazer para trazer uma emenda, trazer recursos, enfim. Hoje, a coisa já é diferente, hoje eu sei que o mundo mudou e como pode ser feito para que a gente possa ajudar muito o município de Ponta Grossa.

Falando em cenário local e municipal, como o senhor avalia essa disputa nas eleições deste ano?

Marcelo Rangel: O meu pensamento é um pouco disruptivo com relação a isso. Quando fui deputado, eu percebi que alguns municípios, principalmente no norte do estado, na época Londrina, teve um grande crescimento, uma grande representatividade, com apenas dois deputados. Mas, eles tinham muita força, porque, primeiro, não só em relação à experiência, mas ele tinha também uma relação muito grande com o governo. Então, ele sabia quais eram as dores do município. Muito se fala se não era necessário ter três, quatro, cinco, até seis deputados . Ok, mas desde que essas pessoas tenham compromisso para trazer recursos junto ao Governo do Estado, tenham a boa intenção e não fiquem apenas reclamando. Porque, reclamar é fácil, mas buscar a solução para os problemas é muito mais difícil. Então, um deputado que tem essa responsabilidade, sim, ele tem uma grande representatividade. Acima do número de deputados, o mais importante é ter alguém que tenha realmente uma boa repercussão e esteja muito presente com a cidade. 

Como a experiência como Prefeito de Ponta Grossa pode contribuir nessa campanha por uma cadeira na Assembleia?

Marcelo Rangel: Posso falar que a política é a arte do bom relacionamento. Você ter bom relacionamento com estado e Governo Federal é preponderante para você fazer um bom trabalho e ter vontade de trabalhar, disposição para resolver. Quando eu estava na Prefeitura, eu percebi que você tendo esse bom trânsito nos poderes, isso fazia diferença. Porque você não precisa de intermediário, você vai direto a fonte para resolver determinados problemas, mas o mandato é fundamental. Quem não tem mandato, fica mais difícil. Quando você pode trazer recursos, não só apontar aonde serão aplicados esses recursos para resolver determinado problema grave que você está vendo que está acontecendo, mas sem um mandato, você não consegue resolver, aí eu não tenho dúvida de que o mandato é fundamental para a gente fazer algumas mudanças, então como fui prefeito por dois mandatos. Acho que agora, provavelmente, terei uma possibilidade muito maior para conseguir recursos para a saúde, para determinar investimentos necessários e para a construção de uma cidade ainda melhor. 

O que o senhor falaria aos eleitores que acompanham a nossa entrevista?

Marcelo Rangel: Queria pedir licença e, com extrema humildade, dizer que estou começando do zero. Iniciei minha vida pública como deputado estadual, eu era bem mais jovem, era inexperiente, mas eu tinha uma vontade muito grande de contribuir. Graças a Deus, acredito que pude contribuir, seja com as UTIs, com os investimentos que realizamos na área da saúde. E, quando assumi a posição de candidato a deputado estadual lá em 2006, eu foquei que o meu trabalho fosse especialmente dedicado às crianças. Foi isso que tentei realizar durante toda minha vida pública. Tudo que pensei foi justamente apontado para crianças, tanto na educação como na saúde. Agora, com muita humildade, quero novamente iniciar um ciclo. Posso dizer que será totalmente diferente, mas digo que, com essa nossa experiência, podemos contribuir muito mais.