Exposição homenageia a crítica de arte Adalice Araújo

Natural de Ponta Grossa, ela é considerada o principal nome na análise da arte paranaense. Exposição será aberta neste sábado no Museu de Arte Contemporânea do Paraná

A sala de casa lotada de documentos, a seriedade com a qual levava o seu trabalho e a generosidade com os artistas são algumas das lembranças recorrentes de quem conviveu com a crítica de arte, professora, pesquisadora, historiadora e poeta Adalice Araújo (1931-2012), considerada o principal nome na análise da arte paranaense. Em homenagem à sua trajetória, o Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC-PR) e a Secretaria de Estado da Cultura apresentam a exposição “História sem fim: o pensamento revolucionário de Adalice Araújo”, que será inaugurada neste sábado (30), às 11 horas, no hall da secretaria.

Com a mostra, que tem curadoria da diretora do MAC-PR, Ana Rocha, e pesquisa do Setor de Pesquisa e Documentação, o museu inicia as celebrações aos seus 50 anos, comemorados em março de 2020. A instituição lança ainda a sua nova logo, outra ação comemorativa rumo ao seu meio século de arte.

A exposição também encerra a programação do Mês das Mulheres promovida pela secretaria ao longo de março, com atrações que reforçaram a importância e o talento de artistas mulheres em diferentes segmentos artísticos.

O evento marcará também a abertura da sala homônima à crítica de arte, administrada pelo MAC-PR e pela Coordenação do Sistema Estadual de Museus (Cosem). A Sala Adalice Araújo, na Secretaria da Cultura, será dedicada exclusivamente a artistas paranaenses.

MOSTRA

“História sem fim: o pensamento revolucionário de Adalice Araújo” retrata parte da trajetória da artista e pesquisadora, apresentando o seu trabalho crítico jornalístico, iniciado em 1969, no Diário do Paraná, com a coluna Artes Visuais — publicada também em parte dos anos 1970 e 1990 na Gazeta do Povo, por meio de obras de mulheres artistas que estão no acervo do MAC-PR, e sobre as quais Adalice escreveu. São elas: Eliane Prolik, Guita Soifer, Dulce Osinski, Juliane Fuganti, Leila Pugnaloni, Letícia Marquez e Ida Hannemann de Campos, falecida no começo de março.

Cronologia, fotografias de Adalice, sua atuação como diretora do MAC-PR (entre 1987 e 1988), um compilado de suas críticas em jornais, publicadas entre 1968 e 1994, e informações sobre a elaboração de sua obra máxima, o “Dicionário das Artes Plásticas do Paraná”, também farão parte da mostra.

Os visitantes poderão entender ainda mais o universo de Adalice na Praça de Leitura, espaço no hall da Secretaria da Cultura que terá vários textos impressos para que os espectadores possam fazer as leituras tranquilamente. A curadora Ana Rocha também fez questão de incluir textos de Adalice sobre outros temas, como literatura, patrimônio e arquitetura. “A ideia é mostrar a amplitude de sua atuação como crítica”, salienta.

DESCENTRALIZAÇÃO DA ARTE

Ana Rocha destaca que Adalice fez um “esforço hercúleo” para descentralizar a produção artística — crítica valorizou e deu espaço aos artistas que, em alguma medida, se sentiam excluídos por estarem fora do eixo Rio-São Paulo. Esse papel também é relembrado por Juliane Fuganti. “A gente deve muito a ela como uma incentivadora ao Paraná”, disse artista.

Juliane conheceu Adalice cedo, logo na primeira exposição que realizou, aos 19 anos. Começou a estudar gravura, ganhou prêmios no Salão Paranaense, do qual Adalice era jurada, e foi incentivada por ela a buscar formação na Belas Artes. Juliana havia estudado Economia. “Ela sempre via o que você tinha de bom. Fazia uma crítica construtiva aos artistas”, diz Juliane, que também se impressionava com a documentação que a crítica mantinha em seu apartamento. “Era um setor de pesquisa melhor do que muitos lugares, a sala inteira era tomada por arquivos”.

A artista Leila Pugnaloni rememora que, no início dos anos 1980, a expectativa máxima dos artistas no Paraná era ter um texto escrito por Adalice sobre a sua obra. “Ela era a pessoa que fazia as melhores análises. Quando ela ia a uma exposição, eu e os outros artistas ficávamos na expectativa”.

VIDA E OBRA

Nascida em Ponta Grossa em uma família de ervateiros, Adalice Araújo iniciou a sua formação artística nos anos 1950, no curso superior de Pintura da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Logo na sequência, seguiu para uma especialização na Itália. De volta ao Brasil, criou e presidiu o Círculo de Artes Plásticas do Paraná, com ateliê coletivo no subsolo da Biblioteca Pública do Paraná, onde começaram artistas como Helena Wong e Antonio Arney.

Na década seguinte, estudou outras técnicas, como Gravura, Xilogravura, Desenho e Crítica Teatral. Em 1969, iniciou sua carreira jornalística no Diário do Paraná com a coluna Artes Visuais, também publicada no jornal Gazeta do Povo entre 1974-1976 e 1978-1994. Em 1971, passou a integrar a Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA).

Foi professora no Departamento de Filosofia, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Dirigiu o MAC-PR entre 1987 e 1988 e desenvolveu projeto de descentralização do 44º Salão Paranaense. Em 2003, recebeu o Prêmio Mário de Andrade da ABCA e, em 2006, publicou o Volume 1 do Dicionário das Artes Plásticas do Paraná (verbetes de A e C) — o segundo, de D a K, foi publicado postumamente. Faleceu em 8 de outubro de 2012, em Curitiba.

Serviço
Abertura da exposição História sem fim: O pensamento revolucionário de Adalice Araújo
30 de março (sábado), às 11h
Período expositivo: até 1º de junho de 2019
Entrada gratuita
Hall da Secretaria de Estado da Cultura
Rua Ébano Pereira, 240 – Centro - Curitiba
Visitação: de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h, e aos sábados, das 9h às 13h 

Justiça obriga prefeito a decidir pelo reajuste de água em PG

Justiça obriga prefeito a decidir pelo reajuste de água em PG...

Revitalização do Alagados é estimada em R$ 30 milhões

Revitalização do Alagados é estimada em R$ 30 milhões...

Inteligência competitiva no Agronegócio: fator decisivo entre sucesso e fracasso

Inteligência competitiva no Agronegócio: fator decisivo entre sucesso e fracasso...

Capa da edição desta sexta-feira (16/08/2019) do JM

Capa da edição desta sexta-feira (16/08/2019) do JM...

Rodovias sem radares

Rodovias sem radares...

PR apresenta oportunidades do Parque de Vila Velha

PR apresenta oportunidades do Parque de Vila Velha...

Audiência pública discute ações para o Parque de Vila Velha

Audiência pública discute ações para o Parque de Vila Velha...

Vagas na Agência do Trabalhador para sexta-feira (16/08)

Vagas na Agência do Trabalhador para sexta-feira (16/08)...

Ratinho Junior exalta potencial leiteiro dos Campos Gerais

Ratinho Junior exalta potencial leiteiro dos Campos Gerais...

Bombeiros reforçam trabalho preventivo sobre queimadas

Bombeiros reforçam trabalho preventivo sobre queimadas...

Bolsonaro suspende uso de radares nas rodovias federais

Bolsonaro suspende uso de radares nas rodovias federais...

Julgamentos e fóruns são atrações do Agroleite na sexta

Julgamentos e fóruns são atrações do Agroleite na sexta...

Empresas da cadeia do leite são reconhecidas com Troféu

Empresas da cadeia do leite são reconhecidas com Troféu...

Fundação ABC lança Plataforma Sigma

Fundação ABC lança Plataforma Sigma...
Comentários

Deixe uma resposta

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Últimas Notícias

Capa do Dia

CHARGE DO DIA

REDES SOCIAIS