Região se destaca como o 2° maior polo madeireiro

Levantamento do IBGE, referente a 2015, aponta que a região tem 5 cidades entre as 15 maiores produtoras do país

Imagem ilustrativa da imagem Região se destaca como o 2° maior polo madeireiro

Fernando Rogala

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Municípios da região dos Campos Gerais destacam-se entre os maiores produtores de madeira do Brasil. Levantamento da Produção da Extração Vegetal e Silvicultura (PEVS) 2015, que investiga 38 produtos oriundos do extrativismo vegetal e sete da silvicultura, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aponta que cinco municípios, entre os quinze maiores produtores de madeira, estão localizados na região. Entre eles estão Telêmaco Borba, Sengés, Ortigueira, Reserva e Jaguariaíva. A maior região produtora é o Leste de Mato Grosso do Sul, seguida pela região Centro Oriental Paranaense (Campos Gerais), que engloba as mesorregiões de Telêmaco Borba, Jaguariaíva e Ponta Grossa.

O maior município produtor é Telêmaco Borba. Município que sedia a Unidade Monte Alegre, da Klabin, é o quarto maior produtor do Brasil e primeiro do Paraná, com uma área de 158,4 mil hectares ocupada para a produção de madeira. Na frente, os municípios de Três Lagoas (217,7 mil hectares) e Ribas do Rio Pardo (200,8 mil), localizados no Mato Grosso do Sul; e Itaubal, localizado no Amapá, com 172,4 mil hectares plantados.

Na sequência, destacam-se os municípios de Sengés, na sétima colocação, e Ortigueira, na nona posição. No caso do município que faz fronteira com São Paulo, a produção madeireira ocupou 113 mil hectares; enquanto que Ortigueira, que sedia o Projeto Puma, também da Klabin, possui uma área plantada de 82,5 mil hectares. Reserva, 11º maior município produtor do país, fechou o ano com uma área de 73,5 mil hectares e, Jaguariaíva, com 66,7 mil hectares, na décima terceira posição. Ponta Grossa possui 31,8 mil hectares em florestas.

Francisco Joalmir Pucci, Diretor Executivo da Agência de Desenvolvimento da Cadeia da Madeira do Médio Rio Tibagi, que engloba 13 municípios, declara que esse destaque ocorre em função do grande número de grandes indústrias existentes relacionadas ao setor nesses municípios. Além das duas fábricas da Klabin, há a Arauco, Stora Enso, Papeles Bio Bio (Norske Skog Pisa), Braspine, Braslumber, Masisa, entre outras. “Ortigueira tem a nova fábrica de Celulose da Klabin e a Monte Alegre também produz papel cartão para a Tetra Pak. Outra força está na indústria madeireira de Telêmaco Borba, que tem mais de 35 indústrias. E sem falar que Imbituva tem indústrias de compensados laminados. A região fecha um ciclo todo da utilização da madeira”, diz.

Embora a região já se destaque, a tendência é ampliar ainda mais essa produção, já que a nova fábrica da Klabin demandará de grande utilização madeireira. “A produção tem que crescer. Com a utilização florestal para celulose, se torna escassa a matéria prima para a indústria madeireira”, esclarece Pucci.