PUBLICIDADE

Secretaria de Cultura de Ponta Grossa concorre a prêmio nacional

Pasta do Poder Executivo está participando do 'Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade'

Alberto Portugal, secretário de Cultura de Ponta Grossa
Alberto Portugal, secretário de Cultura de Ponta Grossa -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O Sistema de Informações do Patrimônio Cultural (SIPC-PG), desenvolvido pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG), concorre em etapa nacional do 'Prêmio Rodrigo Melo Franco Andrade' – edição 2022 – categoria pessoa jurídica. Desenvolvido pela Secretaria Municipal de Cultura (SMC), o sistema, que pode ser consultado clicando aqui, está entre os vencedores na região Sul. “Este é mais um trabalho desenvolvido pelos nossos servidores e que ganhou relevância nacional”, frisa a prefeita Elizabeth Silveira Schmidt (PSD).

Conforme o secretário municipal de Cultura, Alberto Portugal, o site foi construído e alimentado pelos próprios funcionários da Pasta e tem como objetivo democratizar o acesso a informações do patrimônio cultural de Ponta Grossa. “Pelo site, pode ser consultado um importante acervo de fotografias históricas, obras de arte, informações sobre os imóveis tombados e inventariados, textos de pesquisa, informações dos bens imateriais, entre outras”, destaca.

Prêmio

O 'Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade', que chega à sua 35ª edição, é promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A premiação reconhece, em nível nacional, ações de excelência para preservação e promoção do patrimônio cultural brasileiro. 

Para a edição nacional, foram selecionadas pelas comissões regionais 50 ações, sendo dez em cada comissão regional, cinco em cada categoria (pessoa física e jurídica). Serão premiadas dez ações na etapa nacional, cinco em cada categoria.

O nome do Prêmio é uma homenagem ao advogado, jornalista e escritor Rodrigo Melo Franco de Andrade, nascido em 1898, em Belo Horizonte (MG). Entre 1934 e 1945, período em que Gustavo Capanema era ministro da Educação, Rodrigo integrou o grupo formado por intelectuais e artistas herdeiros dos ideais da 'Semana de 1922', quando se tornou o maior responsável pela consolidação jurídica do tema ‘patrimônio cultural no Brasil’. Em 1937, esteve à frente da criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan), atual Iphan, o qual presidiu por 30 anos.

Com informações: assessoria de imprensa PMPG.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE