Vereadores de PG criticam projeto de lei da Alep

Projeto que autoriza o Paraná a receber lixo de outros estados foi derrubado, mas os vereadores de Ponta Grossa criticaram a proposta

Críticas aconteceram durante a Sessão Ordinária desta segunda-feira (1).
Críticas aconteceram durante a Sessão Ordinária desta segunda-feira (1). -

Marcus Benedetti

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Parlamentares da Câmara Municipal de Ponta Grossa se posicionaram contrários ao Projeto de Lei 67/2022, que permite que o Paraná receba lixo de outro estados. Na última sexta-feira (29), o projeto foi aprovado pelos deputados estaduais após 5 votações.

“Trago a moção de repúdio à votação da Alep que libera o Paraná a receber lixo do Brasil inteiro. Vocês conhecem o mapa do Paraná e a quem interessa essa votação? A quem interessou trazer o lixo do Brasil inteiro para ser tratado aqui no Paraná? Coincidentemente ou não,as empresas que tratam o lixo tem filhos de deputados como sócios. Eles negam que há qualquer ligação dessas empresas com as votações, mas é difícil de acreditar, porque não tem como entender essa votação”, afirmou a co-vereadora Josi do Coletivo durante a Sessão Ordinária da Câmara de Ponta Grossa, nesta segunda-feira (1).  

Inicialmente, a lei havia sido aprovada no final de abril. No mês de maio, entretanto, o Governador Ratinho Júnior (PSD) vetou dois trechos da lei. Um deles trata da permissão para o estado receber lixo de outros lugares. O projeto então voltou à Assembleia Legislativa do Paraná e os parlamentares estaduais derrubaram o veto do governador, com 29 votos.

No entanto, nesta segunda (1), o presidente da Alep, Ademar Traiano (PSD), leu uma nota afirmando que o projeto não será promulgado após a repercussão do caso. A decisão ocorreu após uma reunião “com a maioria absoluta dos deputados, quando em colegiado tomamos essa decisão”, disse.

Em Ponta Grossa, o vereador Celso Cieslak também criticou o projeto. “Isso é uma vergonha. É a indústria do lixo. Acredito que os deputados ficaram envergonhados com essa lei, é muito dinheiro, então o dinheiro faz as coisas acontecerem”, afirmou o parlamentar. “A deputada Mabel votou contra, porque o Paraná não é lixão”, completou a vereadora Joce Canto.