Rudolf destaca confiança do União para concorrer à Câmara

Pré-candidato a deputado federal, Rudolf destaca ‘grande aceitação’ como uma das motivações para a disputa

Rudolf Polaco foi o quarto entrevistado da série do Grupo aRede.
Rudolf Polaco foi o quarto entrevistado da série do Grupo aRede. -

Marcus Benedetti

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Pré-candidato a deputado federal, Rudolf Polaco ressalta ‘grande aceitação’ como uma das motivações para a disputa

O ex-vereador Rudolf Polaco foi o quarto entrevistado da série realizada pelo Grupo aRede/Jornal da Manhã com pré-candidatos aos cargos de deputado estadual e federal. Sexto vereador mais votado da cidade em 2020, Rudolf não assumiu o cargo por uma questão de legenda (na época, o PSL elegia apenas uma cadeira da Câmara Municipal) e agora confia na “boa aprovação” da população ponta-grossense para concorrer como deputado federal nas eleições de outubro. O ex-parlamentar tem a confiança do União Brasil para representar a região dos Campos Gerais na disputa por uma cadeira na Câmara Federal e fala em “renovação” e “trabalho sério” como marcas principais da campanha. 

Como vereador em Ponta Grossa, Rudolf ganhou destaque com propostas focadas na valorização do empreendedorismo, do primeiro emprego e das mulheres. Agora, ele promete levar as mesmas características de trabalho para à Câmara em caso de eleição. Confira abaixo como foi a entrevista com o pré-candidato a deputado federal:

Quais foram as motivações para concorrer ao cargo de deputado federal?

Rudolf Polaco:  Essa ideia saiu em decorrência da grande aprovação que temos em Ponta Grossa e na região. Nas últimas eleições sempre fui um dos mais votados. Inclusive, infelizmente não fui eleito nesta última, mas fui o sexto mais votado. Se pegar voto por voto, fiz quase o dobro de votos que muitos vereadores que hoje estão na Câmara Municipal. A partir de uma conversa com o partido, trabalhamos divulgando o nome como pré-candidato e aceitação continua muito positiva, graças a Deus. Isso fez com que, o União Brasil, que é um partido novo, muito forte, de direita e que vem se posicionando com muita coerência no cenário nacional,  coloque candidatos que tem um perfil de oxigenação da política. 

A partir de tudo isso, veio essa ideia da região me colocar como possível pré-candidato a deputado federal. O nosso nome tem uma boa aprovação e a aceitação das pessoas, na questão da renovação, também foi importante. Nós temos aqui em Ponta Grossa representantes, com todo respeito que lhes é cabido, mas, sabemos que estão há muito tempo ‘lá’. Boa parte da população tem essa visão. Nós vemos que, eleição pós eleição, a renovação é muito consistente. Nós estamos terminando aquelas “eras políticas” no Brasil. A partir de tudo isso, surgiu meu nome como pré-candidato a deputado federal pelo União Brasil.

Quais eixos de ações devem compor o teu plano de governo?

Rudolf Polaco:  Sou uma pessoa muito transparente. Quem me conhece e acompanha o nosso trabalho sabe disso. Não sou muito de ficar fazendo propostas e promessas, porque sabemos que, historicamente, muitas promessas foram água abaixo e são somente para iludir o eleitor. Eu prefiro sempre trabalhar, mostrar a ‘cara a tapa’, porque se você faz a promessa, tem que cumprir essa promessa, cumprir a palavra. Eu sou uma pessoa que anda na rua,  não fico atrás de gabinete, atrás de um segurança, atrás de um assessor. Sempre tive esse perfil de ir pra rua e conversar com as pessoas. Você vai me ver no clube jogando clube, na igreja na novena, caminhando no Parque Ambiental, pelo Lago de Olarias, enfim. Eu estou junto com a comunidade e não me escondo disso. Então, temos que ter coerência no momento de fazer as propostas e promessas, porque temos que ter responsabilidade. Chega daquele ‘estelionato eleitoral’ que no Brasil existe. As pessoas tem que ter responsabilidade e respeito com o leitor. Portanto, nosso perfil é muito junto com a comunidade. Como vereador, fiz o gabinete móvel. Eu ia para o meio do calçadão, para o meio do bairro e sempre atendendo a comunidade. Uma vez por semana eu pegava o carro e ia atender as pessoas em diversos bairros, assim como faço essas visitas até hoje. Como gerente da Agência do Trabalhador, eu também fazia a Agência nos bairros. Ou seja, sempre fui voltado para a comunidade, nunca me escondi. Então, nosso perfil é trabalhar, colocar a ‘cara a tapa’ e não precisar se esconder. Porque, está cheio de candidato que promete tudo e depois de quatro anos some.

Qual a tua avaliação do cenário local de disputa pela Câmara Federal?

Rudolf Polaco:  Com muito respeito ao Aliel Machado e ao Sandro Alex, afinal eles fizeram o que podiam fazer de melhor, vejo que Ponta Grossa pode ter sim mais representantes. Nós tivemos, durante três anos, apenas um representante que é o Aliel Machado. O Sandro (Alex) foi para o Governo do Estado e abriu vaga para suplente. Essa suplência não era para Ponta Grossa. Salvo engano, o suplente que entrou não enviou nenhum recurso para Ponta Grossa. 

Então, acredito que Ponta Grossa possa ter, além dos dois, mais candidatos. Eles têm um trabalho em toda a comunidade, têm um fortalecimento na região, mas todo mundo tem seu espaço, seu direito de se candidatar e eu acho que Ponta Grossa merece, sim, ter mais representantes. Nós temos mais de 200 mil eleitores e região como um todo como Castro, Carambeí, Tibagi, enfim. Temos que ser mais bairristas nesse momento. Temos que colocar pessoas daqui, pessoas que você consegue ver pessoalmente. Tudo na vida tem seu ciclo e nosso ciclo pode estar iniciando nessa eleição a partir dessa pré-candidatura para o pleito de outubro. 

Como o senhor recebe a confiança do União Brasil no teu nome como pré-candidato a deputado federal?

Rudolf Polaco:   É muito gratificante. Primeiro de tudo, tenho que destacar a gratidão. Pessoas como o (Fernando) Francischini, delegado com uma história na polícia e na política, responsável pela prisão de criminosos conhecidos, com uma história forte e de respeito, sendo o deputado estadual mais votado da história do estado e, junto com a Flávia que está fazendo um grande trabalho na Câmara de Curitiba como vereadora, enfim, eles acreditarem no seu trabalho é muito bacana. 

E o União, um partido que começou grande, eles acreditarem em nós é extremamente gratificante. Mas essa gratidão tem que ser retribuída com muito trabalhado e muita dedicação. Mesmo depois de 2021, quando eu não estava mais como vereador, continuamos fazendo nosso trabalho, ajudando a comunidade como podíamos da maneira que poderíamos fazer como um cidadão civil. As nossas campanhas sociais continuamos realizando, ajudando com informações nas redes sociais, na divulgação, enfim. Então, essa confiança e essa estrutura de ser o único pré-candidato a deputado federal numa região tão importante, é maravilhosa. Vamos trabalhar e fazer com que essa esperança se torne em algo positivo para a região dos Campos Gerais.

O senhor pretende levar para a Câmara Federal as características de propostas que apresentou aqui em Ponta Grossa?

Rudolf Polaco:  Com certeza. Sempre falo que a maior ação social que se pode dar a uma pessoa é a oportunidade de trabalho. Quando você consegue auxiliar alguém na busca de emprego, você muda a vida dela e de uma família. É isso que o Brasil tem que pensar. No meu modo de ver, temos que dar oportunidades para as pessoas. Dessa forma, você melhora a qualidade de vida, a saúde e a vida da pessoa como um todo. A questão do emprego foi algo que sempre ‘bati’ e vou continuar ‘batendo’, aonde eu puder. Eu fui o autor de um projeto para auxiliar mulheres vítimas de violência doméstica na busca de oportunidades de trabalho. Então, isso é uma bandeira minha e sempre levarei comigo. 

Não só isso, mas temos diversas outras bandeiras. O esporte, por exemplo,. a minha vida inteira fui muito envolvido com esporte. A questão da saúde também, não sou da área da saúde mas a gente sempre busca conhecer mais para buscar alternativas e melhorias para a comunidade, enfim. A própria questão investigativa eu acho fundamental no Poder Público. Você tem que honrar o dinheiro da comunidade. Então, temos que ter responsabilidade e ter dignidade com as pessoas.