Prefeitura diz que doses perdidas não atrasam imunização

3 mil vacinas foram perdidas e descartadas pelo Poder Executivo Municipal; Ministério Público investiga caso.

Imunizantes vencidos e descartados teriam sido da Pfizer.
Imunizantes vencidos e descartados teriam sido da Pfizer. -

Rodolpho Bowens

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

3 mil vacinas foram perdidas e descartadas pelo Poder Executivo Municipal; Ministério Público investiga caso

A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG), por meio de nota enviada à imprensa, afirmou que as 3 mil doses perdidas de vacinas contra a covid-19 não atrasaram o plano vacinal da cidade. Os imunizantes seriam da Pfizer e passaram do prazo de descongelamento – 31 dias. Além disso, o Poder Executivo afirmou que as doses integravam a composição de reserva técnica prevista no Plano Nacional de Imunização (PNI).

De acordo com a PMPG, as vacinas “não utilizadas não interferiram no cronograma vacinal do Município, tendo sido outubro o mês com o maior número de etapas e aplicações contra a covid-19”. O Executivo continua: “Essas vacinas haviam sido enviadas pela Sesa para aplicação de 2ª dose e, até então, o Município não tinha autorização pelos planos nacional e estadual de vacinação para remanejamento para outros grupos”.

A situação é investigada pelo Ministério Público do Estado do Paraná (MP/PR) – mais informações acessando aqui. Além de Ponta Grossa, a cidade de Ipiranga também apresentou imunizantes irregulares. Confira abaixo a nota do Executivo ponta-grossense na íntegra:

"Em outubro, foi verificada ocorrência de três mil doses de vacina contra covid-19 da fabricante Pfizer com mais de 31 dias de descongelamento. De todo o percentual recebido pelo município até o momento, esse quantitativo representa 0,6% de perda. As três mil doses integravam a composição de reserva técnica prevista no Plano Nacional de Imunização, já considerando perda de doses por diversos motivos, como vencimento, diluição incorreta, quebra de frascos, entre outros.

Dessa forma, as doses não utilizadas não interferiram no cronograma vacinal do Município, tendo sido outubro o mês com o maior número de etapas e aplicações contra a covid-19. Essas vacinas haviam sido enviadas pela SESA para aplicação de 2ª dose e, até então, o Município não tinha autorização pelos planos nacional e estadual de vacinação para remanejamento para outros grupos.

Além do encaminhamento de doses diretamente para Ponta Grossa, o Município também tem absorvido remessas de outras cidades da região, que têm sobras de vacinas próximas do prazo de validade. Na segunda, a FMS recebeu 1.500 doses remanescentes do município de Piraí do Sul, com vencimento na sexta-feira (03/12).

Recentemente, a 3ª Regional de Saúde fez nova recomendação para evitar a perda de doses por situações como essa, flexibilizando o uso dos lotes de segunda dose, que agora podem ser direcionadas para aplicação de 1ª dose ou dose de reforço, o que vai facilitar a gestão do estoque e diminuir o risco de perdas".

Conteúdo de marca

Quero divulgar right