Novos tempos sugerem grande teste para empresas

Por Fábio Medina Osório

Sabe-se que o conceito de "compliance" remete a categorias amplas e a uma transversalidade disciplinar. Pode-se falar em "compliance multissetorial", na medida em que essa expressão traduz, em essência, a necessidade de um ajuste do setor, seja público ou privado, ao ambiente normativo complexo, a partir de uma autorregulação organizacional.
Os universos normativos estão cada vez mais sofisticados, pois sugerem integrações nacionais, subnacionais, regionais e internacionais, um autêntico emaranhado normativo a exigir tecnologia para acompanhamento e atualização. Há que se combinar o detalhe e o principialismo, a simplicidade e a sofisticação. A finalidade última de um "compliance" é o ajuste dos comportamentos às regras essenciais a determinadas áreas da organização. 
Um "compliance" notadamente transdisciplinar é o dirigido anticorrupção, que afeta muitas áreas de qualquer empresa ou entidade. Curioso constatar que a maioria --senão a totalidade-- das grandes empresas flagradas na Operação Lava Jato (tida como a maior operação anticorrupção do mundo) possuía programas de "compliance" em andamento, alguns com forte aparência de robustez. 
Muitas delas financiavam eventos e seminários com agentes públicos no Brasil e no exterior, enquanto entabulavam contatos espúrios para confecção de normativas em seu benefício junto aos Poderes constituídos. O "compliance" que possuíam era de "fachada", tal como definido pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) --ou seja, aquela espécie de programa superficial, mascarado, que não é aplicado na cultura corporativa da empresa. 
Será que esse ambiente mudou ou ainda vivemos um espaço de "compliance" de fachada em inúmeras empresas? Penso que o grande teste ocorrerá nesses novos tempos de alta fiscalização e combate à corrupção pública e empresarial que passaremos a vivenciar, a partir do momento em que esta agenda não é apenas do Ministério Público ou das autoridades administrativas independentes, mas também do próprio Poder Executivo, na versão do futuro ministro Sergio Moro. 
A responsabilidade das empresas por organização defeituosa de suas estruturas pode ser aferida em razão da impunidade de quem pratica ilícitos em suas organizações, e isso se torna possível numa perspectiva de múltiplos fatores.
Para que as empresas possam ter imunidade frente à responsabilidade objetiva por atos de terceiros, é necessário contar com uma estrutura de "compliance" dotada de independência, autonomia contratual, capacidade operacional e autoridade para imposição de um programa efetivo de integridade. 
É imperioso que a empresa esteja apta a fiscalizar o cumprimento permanente das normativas adequadas, com canais de denúncias ajustados, notadamente voltados à proteção dos denunciantes de boa-fé. Nenhuma organização está imune a ato de corrupção praticado por algum funcionário ou fornecedor. O problema é a lacuna da reação ou dos mecanismos de coerção e fiscalização. 
O avanço maior da cultura do "compliance" será na fiscalização dos concorrentes e do aperfeiçoamento do mercado. Esse será um passo decisivo das empresas. O verdadeiro "compliance" pressupõe não apenas a checagem interna, mas do próprio mercado, dos ambientes organizacionais como um todo, eliminando-se cartéis e práticas espúrias. 
Se uma empresa investe pesado em seu "compliance" interno, é decorrência lógica que fiscalizará seus concorrentes, ou apostará em entidades associativas que façam esse trabalho, pois todo um setor pressupõe ligações recíprocas.
Nenhuma empresa suportará a concorrência desleal, muito menos práticas espúrias de seus pares, na medida em que o contágio de um ato ilícito se espalha como um vírus por todo um segmento, podendo manchá-lo perante a comunidade internacional.

Fábio Medina Osório é Advogado e ex-ministro-chefe da Advocacia-Geral da União (mai/set. 2016, governo Temer)

Câmara Municipal instaura CEI do Saneamento

Câmara Municipal instaura CEI do Saneamento...

Acipg pede que prefeito siga inflação no reajuste da água

Acipg pede que prefeito siga inflação no reajuste da água...

Testes de informatização na Câmara iniciam em breve

Testes de informatização na Câmara iniciam em breve...

Reitor da UEPG cumpre agenda política em Brasília

Reitor da UEPG cumpre agenda política em Brasília...

Região do Jardim Carvalho fica sem água nesta quinta

Região do Jardim Carvalho fica sem água nesta quinta...

‘Chemical Surf’ aterrissa em PG em outubro

‘Chemical Surf’ aterrissa em PG em outubro...

Prefeitura inicia cadastramento do Parque Ecotecnológico

Prefeitura inicia cadastramento do Parque Ecotecnológico...

Alep aprova reposição salarial de servidores

Alep aprova reposição salarial de servidores...

Novas regras irão fomentar mercado de imóveis de PG

Novas regras irão fomentar mercado de imóveis de PG...

Preservar o Alagados

Preservar o Alagados...

Capa da edição desta quinta-feira (22/08/2019) do JM

Capa da edição desta quinta-feira (22/08/2019) do JM...

O Iapar no projeto de lei 594/2019

O Iapar no projeto de lei 594/2019...

Charge da edição desta quinta-feira (22/08/2019) do JM

Charge da edição desta quinta-feira (22/08/2019) do JM...

Adutora do Rio Pitangui deixa 70% de PG sem água

Adutora do Rio Pitangui deixa 70% de PG sem água...
Comentários

Deixe uma resposta

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Últimas Notícias

Capa do Dia

CHARGE DO DIA

REDES SOCIAIS