PUBLICIDADE

Cadela morre baleada após confusão com galinhas de vereador no PR

O vereador não negou ter efetuado o tiro, mas disse que o fez para proteger o filho e não para matar

Cadela morre baleada após confusão envolvendo galinhas de vereador de Morretes, no Litoral do Paraná, na noite desta segunda-feira (26)
Cadela morre baleada após confusão envolvendo galinhas de vereador de Morretes, no Litoral do Paraná, na noite desta segunda-feira (26) -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Uma cadela foi morta com um tiro após confusão que ‘parou’ a cidade de Morretes, no Litoral do Paraná, na noite desta segunda-feira (27). Em entrevista à Banda B, Adilson Barbosa, dono da pet morta, afirma que o vereador Celsinho ‘das Alface’ (Republicanos) confessou ter atirado contra o animal, que teria corrido atrás de suas galinhas.

Por outro lado, também à reportagem, o suspeito não negou o tiro, embora tenha ressaltado que efetuou o disparo com o intuito de proteger o filho, mas não para matar (veja a versão abaixo).

O dono da ‘Pipoca’, cadela morta em Morretes, afirmou que o vereador é vizinho de seu irmão. Durante rápida visita a casa do familiar, porém, a pequena teria saído de dentro de um caminhão e não retornou.

Barbosa, então, foi atrás e entrou em um matagal próximo para procurar Pipoca. Ele a encontrou em um quintal, local onde o vereador já estava “pronto para pegá-la e sumir com Pipoca”, conforme dito em entrevista.

"Voltei, fui até o caminhão do meu irmão, que foi junto, para pegarmos os nossos celulares e prestarmos queixa na polícia. Então, ele [vereador] pegou minha cadelinha… Na hora que cheguei, minha cadelinha estava agonizando. Meu irmão pressionou e o vereador confessou que atirou e a matou." Adilson Barbosa, dono da Pipoca, em entrevista à Banda B.

Questionado sobre o porquê Celsinho das Alface teria efetuado o tiro contra Pipoca, Barbosa disse que “a pet teria corrido atrás de uma galinha do vereador”.

"Galinhas que ficam soltas pela rua. A casa dele não tem muro, as galinhas ficaram soltas. Isso aconteceu só porque a cadela correu da galinha dele. Eu não sei com o que ele atirou, mas [o tiro] atravessou ela." Adilson Barbosa, dono da Pipoca, em entrevista à Banda B.

Vereador diz outra versão

Em entrevista à Banda B, Celsinho das Alface afirmou que ainda não prestou depoimento à polícia, mas fará em breve. O vereador ainda falou que retirou sua família da cidade de Morretes, após ser surpreendido nesta segunda com uma “invasão de duas pessoas em sua propriedade”.

Ele ainda alegou que o dono da cadela teria o ameaçado de morte e, por este motivo, optou por sair do local com o carro. Depois desta situação, sua família saiu do imóvel.

"O que aconteceu é que eu estava no segundo andar da minha casa, que ainda não está terminada. Estava eu, minha esposa e filha, de 14 anos, na parte de cima da casa. Só que eu também tenho um filho, de sete anos, que estava na parte de baixo e assistindo desenho na televisão, e eu trabalhando com os equipamentos. Então, escutei gritos e um desespero do meu filho. Não sabia o que era. Minha mulher e minha menina desceram, e eu fui atrás com a espingarda de pressão, que tenho e este vizinho [irmão do dono da Pipoca] sabe que eu tenho essa arma. Ele vivia indo lá em casa." Celsinho das Alface, em entrevista à Banda B.

Diante da confusão, o vereador se surpreendeu com Pipoca, que, em suas palavras, possui médio porte. Ele ainda disse que nunca tinha a visto na região, ou com o vizinho, porque o irmão [dono da Pipoca] estaria de visita à família que mora em Morretes.

Ao descer, portanto, Celsinho das Alface relatou que viu a esposa segurando “um franguinho todo ensanguentado” e o filho tentando socorrer outra ave, que já era segurada por Pipoca na boca.

"O cachorro largou o frango e foi para cima do meu filho. Não era um animal pequeno, era um animal de 10 a 12 quilos (kg). Então, não tive outro pensamento a não ser atirar para afugentá-lo. Não fiz mira nenhuma. Atirei do lado, mas acabei o acertando. Não tinha intenção de matar, em momento algum. Foi uma tragédia o que aconteceu. Mas para salvar meu filho de um ataque, aconteceu isso. Vou me pronunciar nas redes sociais, mas, no momento, é isso o que posso dizer. Vou à delegacia dar meu depoimento." Celsinho das Alface, em entrevista à Banda B.

Barbosa quer justiça

Segundo Barbosa, Pipoca vivia há cinco anos com a família, pega quando era apenas uma filhote. Ele se diz revoltado e querer justiça.

"Vou querer justiça. A população de Morretes está revoltada nas redes sociais." Adilson Barbosa, dono da Pipoca, em entrevista à Banda B.

Com informações, Banda B

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE