PUBLICIDADE

Pastor bolsonarista é preso por participar de atos antidemocráticos

Fabiano Oliveira teve a prisão decretada pelo ministro Alexandre de Moraes na última quinta-feira

Pastor Fabiano Oliveira, teve mandado de prisão determinada no inquérito dos atos antidemocráticos
Pastor Fabiano Oliveira, teve mandado de prisão determinada no inquérito dos atos antidemocráticos -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O pastor Fabiano Oliveira, que estava foragido há cinco dias, foi preso durante um ato golpista nesta segunda-feira (19).

A informação foi confirmada pela superintendência da PF. Oliveira estava em um ato de bolsonaristas em frente ao 38º Batalhão de Infantaria do Exército em Vila Velha, na Grande Vitória (ES).

De acordo com o superintendente da PF no estado, Eugênio Ricas, o pastor não reagiu à prisão.

"Foi preso pela PF, sem resistência, encaminhado ao DML [Departamento Médico Legal] e entregue ao sistema prisional", detalhou Eugênio Ricas.

Oliveira estava foragido desde a última quinta-feira (19). Ele é um dos alvos da operação contra bolsonaristas radicais que promovem atos antidemocráticos desde o fim do segundo turno.

O pastor não foi preso antes porque, segundo o superintendente da PF, um grupo de pessoas se aglomerou em frente ao batalhão, e que uma ação da PF naquele momento poderia ser revidada, colocando em risco a integridade de terceiros.

Foragido, Oliveira participou de uma live com bolsonaristas em frente ao batalhão.

Determinação

Além do pastor, Moraes determinou a prisão de mais três pessoas no Espírito Santo. Duas delas – o vereador de Vitória Armandinho Fontoura (Podemos) e o jornalista Jackson Rangel, dono do site Folha do ES – foram presas na quinta-feira (15).

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o pastor Fabiano Oliveira em frente ao 38º Batalhão de Infantaria de Vila Velha.

Na gravação ele diz que na noite anterior, sexta-feira (16), a PF tentou cumprir o mandado de prisão contra ele, mas que os manifestantes que estavam na frente do batalhão impediram o cumprimento da determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia mais em G1

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE