PUBLICIDADE

Presidente da Nicarágua diz que Igreja é "ditadura perfeita"

Daniel Ortega vem perseguindo opositores e restringindo ações religiosas no país da América Central

Frase foi dita em discurso nesta quarta-feira, na capital do país
Frase foi dita em discurso nesta quarta-feira, na capital do país -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, afirmou que a Igreja Católica é uma "ditadura perfeita" por não permitir que a maioria dos católicos escolham o Papa e o restante de suas autoridades.

Na Igreja Católica "tudo é imposto, é uma ditadura perfeita, é uma tirania perfeita (...) Quem elege os padres, quem elege os bispos, quem elege o papa, os cardeais, quantos votos, quem vota?", questionou o presidente na quarta-feira (28), em um momento de relações tensas de seu governo com a instituição.

"Se vão ser democráticos que comecem a eleger com o voto dos católicos o papa, os cardeais, os bispos", insistiu durante um discurso exibido na quarta-feira à noite, por ocasião do 43º aniversário da polícia nacional.

Ortega voltou a chamar os bispos e padres de "assassinos" e "golpistas" pelo apoio que, segundo o seu governo, os templos deram aos protestos da oposição em 2018. Os manifestantes "saíram das igrejas, não de todas, armados para lançar os ataques contra as delegacias de polícia (...) e alguns padres convocando o povo (para) atirar em mim", criticou Ortega.

Ele também censurou os religiosos por terem apoiado a proposta da oposição de reduzir seu mandato, quando atuaram como mediadores de um diálogo que buscava uma solução para a crise. "Uma instituição com a Igreja Católica utilizando os bispos aqui na Nicarágua para dar um golpe de Estado", disse.

O arcebispo auxiliar de Manágua, Silvio Báez, que está exilado nos Estados Unidos, questionou no Twitter "as lições de democracia" de Ortega, que governa desde 2007, após três reeleições sucessivas.

As relações entre o governo e a Igreja Católica se deterioraram desde os protestos de 2018, que o presidente vinculou a uma suposta tentativa fracassada de golpe de Estado planejada pela oposição com o apoio de Washington.

O conflito se agravou em agosto com a detenção - em prisão domiciliar - do arcebispo de Matagalpa, Rolando Álvarez, um grande crítico do governo.

Ao menos quatro padres e dois seminaristas também foram detidos e as acusações contra os religiosos não foram divulgadas. A polícia proibiu recentemente as procissões religiosas.

Em março, o Vaticano informou que o núncio apostólico Waldemar Sommertag foi expulso da Nicarágua. No mês de julho, o governo proibiu a associação Missões de Caridade, criada pela madre Teresa de Calcutá, e suas freiras tiveram que deixar o país.

O papa Francisco anunciou um diálogo com a Nicarágua a respeito da detenção de vários membros da Igreja Católica, mas a evolução das conversas não foi revelada. Ortega, que governou o país pela primeira vez durante a revolução da década de 1980, obteve em 2021 o quarto mandato consecutivo, já que seus adversários estão presos ou no exílio.

A comunidade internacional exige que o governo liberte mais de 200 opositores, incluindo sete ex-candidatos à presidência que foram condenados este ano a penas de entre oito e 13 anos de prisão por "minar a integridade nacional" e outras acusações.

As informações são do Yahoo!

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE