Mãe implora para encontrar corpo do filho em Curitiba

Mãe ouviu tiros e não tem esperanças de achar o filho vivo, mas pede ajuda para encontrar o corpo

Mãe ouviu tiros e não tem esperanças de achar o filho vivo, mas pede ajuda para encontrar o corpo
Mãe ouviu tiros e não tem esperanças de achar o filho vivo, mas pede ajuda para encontrar o corpo -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O desaparecimento de Gabriel Eduardo Colaço Costa (19 anos) desde o último sábado (30) gera na família o desespero e a sensação de que o pior aconteceu. O rapaz sumiu após sair da casa da irmã, na Vila Nossa Senhora da Luz, na Cidade Industrial de Curitiba (CIC). A mãe acredita que ele esteja morto.

Segundo o relato da mãe de Gabriel, ele ficou na casa da irmã até o começo da madrugada. Tiros foram ouvidos, mas ninguém sabe ao certo o que aconteceu. 

“Quando ele saiu da casa da irmã, ouvimos uma rajada de tiros. Levantei assustada com os disparos, mas como foi tudo muito rápido e ninguém falou nada, achei que não tinha acontecido nada”, contou Claudia Soares Colaço, a mãe de Gabriel. 

No domingo (31), vizinhos começaram a comentar e Claudia recebeu a informação de que o filho estaria morto. “Eu tive a confirmação que ele tinha sido morto e jogado no porta-malas de um carro”, conta. Desde então, Claudia e a família vivem o desespero da busca por informações que levem até Gabriel. A mãe não acredita mais que encontrará o filho vivo. 

“Eu quero o corpo do meu filho, quero dar um enterro digno para ele. Quem fez isso, ligue anonimamente e fale onde está. É uma mãe que está pedindo, sofrendo muito”.  A família contou que Gabriel já teve envolvimento com drogas, mas queria agora viver longe disso. Desde o sumiço, várias informações já chegaram, de que o corpo teria sido desovado nas proximidades do Rio Barigui, na CIC, e os familiares tentaram confirmar, mas não era verdade. 

Enquanto não tem informações sobre o paradeiro do filho, Claudia contou que está à base de calmantes e remédios. “Eu sei que mataram ele. Ele nunca ficou sem me ligar, sem ao menos me mandar uma mensagem. Estou à base de calmante, não desejo a nenhuma mãe o que estou passando”. 

A família registrou o desaparecimento de Gabriel no Departamento de Desaparecidos da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A Polícia Civil investiga a situação. Gabriel tem tatuagens que podem facilitar, no caso de alguém encontrá-lo. Segundo a família, tem o peito todo tatuado, no pescoço outra tatuagem escrito ‘amor só de mãe’ e na nuca uma em japonês.

As informações são da Rádio Banda B