Paraná encomenda 50 mil doses de vacina contra a Monkeypox

Objetivo é vacinar os profissionais de saúde que lidam com amostras biológicas

Expectativa é de que 20 mil doses cheguem em setembro.
Expectativa é de que 20 mil doses cheguem em setembro. -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O Ministério da Saúde afirmou nesta sexta-feira (29) que encomendou 50 mil doses de vacina contra varíola dos macacos. A expectativa é de que cerca de 20 mil doses cheguem em setembro e o restante em outubro.

O ministério convocou a imprensa para anunciar a medida horas após a confirmação da primeira morte causada pela doença no país. O óbito registrado no Brasil é também o primeiro fora do continente africano no surto atual.

A pasta afirma que o objetivo é vacinar os profissionais de saúde que lidam diretamente com amostras biológicas –como aqueles que trabalham em laboratórios–, e pessoas que tiveram contato com os infectados.

“A OMS [Organização Mundial da Saúde] não recomenda [a vacinação] em larga escala. Basicamente, ela recomenda [a vacinação] dos trabalhadores de saúde, principalmente daqueles que fazem manuseio de amostras biológicas, e os contactantes dos pacientes infectados”, afirmou o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros.

O Ministério da Saúde declarou ainda que vai investigar as condições do paciente que morreu no país. A causa de óbito foi choque séptico agravado por varíola dos macacos. A vítima é um homem de 41 anos com imunidade baixa e comorbidades, incluindo câncer. Ele estava internado em um hospital público de Belo Horizonte (MG), cidade onde morava.

“Trata-se de um paciente com outras comorbidades relevantes e estamos investigando, no Ministério da Saúde, a preponderância dessas comorbidades para esse desfecho”, afirmou o secretário-executivo da pasta, Daniel Pereira.

Pereira ressaltou que a taxa de mortalidade é “baixíssima” e que, segundo a OMS, foram 5 mortes diante de 20 mil casos confirmados em todo o mundo –a conta não inclui o óbito no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, 95% dos pacientes com diagnóstico confirmado são homens. A média de idade é de 33 anos.

Os principais sintomas são erupções na pele, febre, calafrios, dor de cabeça e inflamação dos gânglios linfáticos. As lesões na pede podem ser inclusive sutis, com aspecto similar ao de uma espinha.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não participou da entrevista coletiva desta sexta. “[A morte no Brasil] não tem relevância só local. Tem também relevância mundial”, afirmou Julio Croda, médico infectologista e presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.

Com informações do Portal Banda B