Idoso morre após ser atacado por abelhas no Paraná

Homem sofreu um ataque e morreu no local. Um amigo que pescava junto conseguiu escapar das abelhas

Um amigo que pescava junto conseguiu escapar das abelhas
Um amigo que pescava junto conseguiu escapar das abelhas -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Homem sofreu um ataque e morreu no local. Um amigo que pescava junto conseguiu escapar das abelhas

Um idoso, de 63 anos, morreu ao sofrer um ataque de abelhas em Alvorada do Sul, no Norte do Paraná, no sábado (23). Ele não resistiu e morreu no local, antes de receber atendimento. Já um amigo que pescava junto com ele conseguiu escapar das abelhas.

Apesar de ter acionado todo o aparato possível para a situação, o tenente Castro, da Polícia Militar, lamentou que a vida do idoso não pode ser salva.

“Um deles conseguiu se salvar, o outro não resistiu aos ferimentos, devido a gravidade, e entrou em óbito. Os órgãos competentes foram acionados, estiveram no local a Polícia Civil para prestar esse atendimento, o Instituto de Criminalística, e também o IML (Instituto Médico Legal)”, explica o tenente Emerson Castro, da Polícia Militar.

Saiba como prevenir

Segundo a Secretaria de Saúde do Paraná, há algumas medidas para prevenir ou amenizar o ataque de abelhas. Sons de motores de aparelho de jardinagem, por exemplo, deixam as abelhas extremamente irritadas, então uma boa forma de prevenir é evitar esse tipo de som, quando perto de um enxame.

Barulhos, perfumes fortes, desodorantes e até mesmo o suor podem incitar um comportamento agressivo nesses animais, evitá-los em lugares de risco pode ser uma forma de prevenção. Evitar correr ou andar na rota de voo das abelhas também é indicado.

A Secretaria de Saúde do Paraná orienta evitar se aproximar de colmeias de abelhas africanizadas Apis mellifera sem estar com vestuário e equipamento adequados. Segundo esse órgão, a remoção de colônias de abelhas em lugares públicos ou residências deve ser efetuada por profissionais devidamente treinados e equipados, de preferencia durante a noite ou ao entardecer, quando os insetos estão calmos. O Corpo de Bombeiros não faz a retirada de colmeias.

Informações RIC Mais