Três meses após morrer, mulher é intimada para ser testemunha

Manuela estava grávida de seis meses e teve o carro atingido por um veículo que furou a preferencial

A jovem estava grávida de cinco meses, chegou a ficar no Hospital do Trabalhador por quatro dias, mas não resistiu aos ferimentos.
A jovem estava grávida de cinco meses, chegou a ficar no Hospital do Trabalhador por quatro dias, mas não resistiu aos ferimentos. -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Manuela estava grávida de seis meses e teve o carro atingido por um veículo que furou a preferencial

Ainda vivendo o luto pela morte de Manuela Queiroz Vicenti, de 19 anos, a família dela foi surpreendida com uma situação inacreditável: uma intimação para que a moça comparecesse na delegacia para depor em favor do homem que causou o acidente que a matou. A jovem estava grávida de cinco meses, chegou a ficar no Hospital do Trabalhador por quatro dias, mas não resistiu aos ferimentos.

A colisão aconteceu no último mês de abril em um cruzamento no bairro Boqueirão, em Curitiba. Samuel Alisson Soares Barbosa teria furado a preferencial em alta velocidade e atingido o carro em que estava Manuela, como passageira, e o marido dela, na direção. A investigação trata o caso como crime de homicídio por dolo eventual, quando se assume o risco de matar.

Com informações do Portal Banda B