“Golpe de 2016 quebrou o Brasil”, diz Lula

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou que a crise econômica que o Brasil passa seja resultado da gestão da sucessora Dilma Rousseff

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou que a crise econômica que o Brasil passa seja resultado da gestão da sucessora Dilma Rousseff
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou que a crise econômica que o Brasil passa seja resultado da gestão da sucessora Dilma Rousseff -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou que a crise econômica que o Brasil passa seja resultado da gestão da sucessora Dilma Rousseff

Em entrevista ao vivo ao programa Passando a Limpo, da Rádio Jornal, de Pernambuco, na manhã de hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou que a crise econômica que o Brasil passa nos últimos anos seja resultado da gestão da sucessora Dilma Rousseff. Segundo ele, foi o golpe de 2016 que quebrou o país.

“Quando o Eduardo Cunha assumiu a Presidência da Câmara e resolveu criar bombas todos os dias contra a Dilma, ela mandava uma Medida Provisória tentando desonerar um microfone, ele desonerava todos os microfones do mundo, criando embaraços para a arrecadação do governo.  Tentar jogar a culpa da quebradeira em cima da Dilma é tentar apaziguar o golpe de 2016 que foi o que quebrou esse país”, declarou.

Lula lembrou que ao fim do primeiro mandato de Dilma, em dezembro de 2014, o Brasil tinha taxa de desemprego de 4,5%, situação de quase pleno emprego, e os salário mínimo tinha reajustes acima da inflação. Além disso, o país tocava programas sociais importantes como o Minha Casa Minha Vida, que construiu o maior número de casas para a população pobre.

O ex-presidente também cobrou responsabilidade de Michel Temer, que fez reforma trabalhista prometendo gerar empregos que nunca foram criados. “É importante lembrar o que aconteceu depois do “seu” Temer. Qual foi o benefício que ele fez para esse país? Ele acabou com os direitos dos trabalhadores dizendo que ia gerar emprego. Cadê o emprego? Ele acha que o trabalho intermitente é emprego? Ele acha que esse trabalho de entregar comida por aplicativo é emprego? Cadê as férias, cadê o descanso semanal remunerado, cadê a seguridade social que esse trabalhador não tem? O trabalhador voltou quase que a ser escravo”, afirmou, destacando a importância de fazer o povo voltar a sorrir, a sonhar, a comer, a ser feliz e viver em harmonia.

Com informações da Assessoria de Imprensa

Conteúdo de marca

Quero divulgar right