Portal aRede - Aconteceu! Tá na aRede!
Publicidade

Cotidiano

Constam hoje no país 4.895 mandados de prisão expedidos pelo segundo grau das justiças federal e estaduais Foto: Divulgação/Agencia Brasil
Da Redação | Cotidiano | 16/10/2019 as 14:12h

Decisão sobre 2ª instância pode afetar 4,9 mil presos

Constam hoje no país 4.895 mandados de prisão expedidos pelo segundo grau das justiças federal e estaduais

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) divulgou nesta quarta-feira (16) que cerca de 4,9 mil pessoas condenadas a prisão em segunda instância podem ser beneficiadas caso o Supremo Tribunal Federal (STF) decida pelo cumprimento de pena somente após o trânsito em julgado, quando não há mais possibilidade de recursos a tribunais superiores.

O dado foi extraído do Banco Nacional de Monitoramento de Prisões (BNMP), segundo o qual constam hoje no país 4.895 mandados de prisão expedidos pelo segundo grau das justiças federal e estaduais, informou o CNJ.

O número não inclui, por exemplo, penas alternativas à prisão, como multas ou serviços comunitários. Também, o BNMP é atualizado com informações repassadas pelos tribunais de todo o país, nem sempre atualizadas de modo sincronizado, podendo haver imprecisões.

De todo modo, a cifra é bem menor do que os 190 mil presos que vinham sendo considerados como potenciais beneficiários de uma decisão do Supremo em favor do trânsito em julgado, ressaltou o CNJ. O número mais alto se refere a todos os presos provisórios do país, o que inclui também aqueles submetidos a prisões preventivas, mas que ainda não possuem condenações em segundo grau, frisou o órgão.

Em dezembro, quando o ministro Marco Aurélio Mello determinou, via liminar (decisão provisória), a soltura de todos os presos com base em condenações na segunda instância, esse número total de presos provisórios era de 169 mil.

Na ocasião, a Procuradoria-Geral da República (PGR) indicou todos esses 169 mil presos provisórios como potenciais beneficiários da liminar. O número foi depois replicado pelo presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, no despacho em que derrubou a decisão de Marco Aurélio.

Julgamento

Na segunda-feira (14), Toffoli marcou para a sessão de amanhã (17) o julgamento de três ações declaratórias de constitucionalidade (ADC´s), relatadas por Marco Aurélio, que tratam do assunto.

Toffoli marcou o julgamento com pouco tempo de antecedência alegando questões de segurança, uma vez que o tema atrai grande atenção por ter o potencial de afetar a situação de condenados na Lava Jato, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No ano passado, Toffoli havia marcado o julgamento das ações para 10 de abril, mas acabou retirando-as de pauta na semana anterior a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil, autora de uma das ADC´s. Os autores das outras duas ações são os partidos PCdoB e o antigo PEN, atual Patriota.

A questão gira em torno de saber até onde vigora a presunção de inocência prevista na Constituição, se até a condenação em segunda instância ou se até o chamado trânsito em julgado, quando não cabem mais recursos sequer nos tribunais superiores, em Brasília.

Controvérsia

O assunto é polêmico dentro do próprio Supremo, onde já foi levado ao menos quatro vezes a plenário desde 2016 sem que, entretanto, houvesse um posicionamento definitivo. Há mais de um ano Marco Aurélio pressiona para que as ações sejam incluídas em pauta.

Além de Marco Aurélio, também os ministros Ricardo Lewandowski e Celso de Mello se posicionam claramente contra o cumprimento de pena após a segunda instância, por considerarem que a presunção de inocência não pode ser relativizada, devendo-se aguardar assim todo o trânsito em julgado da sentença condenatória para que alguém possa ser considerado culpado.

Na corrente contrária, ministros como Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, posicionam-se a favor da prisão após segunda instância, por considerar que a presunção de inocência perdura somente até a segunda condenação, uma vez que dali em diante, nos tribunais superiores, não se volta a examinar provas, mas somente se analisa eventuais nulidades processuais.

Ministros como Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Rosa Weber mostraram-se, no passado, mais flexíveis, tendo votado em diferentes direções ao longo do tempo ou sugerido vias intermediárias, em que seria preciso aguardar, por exemplo, o julgamento da condenação no Superior Tribunal de Justiça (STJ), tida como terceira instância, para que um condenado pudesse começar a cumprir pena.

 


Publicidade

Recomendados

Publicidade

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Editorial 19/11/2019 ás 03:29h
Ponta Grossa 18/11/2019 ás 21:07h
Ponta Grossa 18/11/2019 ás 20:29h
Publicidade
Ponta Grossa 18/11/2019 ás 20:11h
Ponta Grossa 18/11/2019 ás 19:58h
Publicidade
Cotidiano 18/11/2019 ás 19:58h
Campos Gerais 18/11/2019 ás 19:35h
Esporte 18/11/2019 ás 19:22h
Ponta Grossa 18/11/2019 ás 19:22h
Publicidade

VÍDEOS

Ponta Grossa | 18/11/2019 ás 19:10h

‘Projeto Estrelas Literárias’ ocorre nesta terça em PG

Ponta Grossa 14/11/2019 ás 18:54h
Publicidade

PONTA GROSSA

Ponta Grossa | 18/11/2019 ás 18:41h

PG se une para encontrar cachorro de criança com down

Ponta Grossa 18/11/2019 ás 18:29h
Publicidade
Ponta Grossa 18/11/2019 ás 18:08h
Ponta Grossa 18/11/2019 ás 17:12h
Ponta Grossa 18/11/2019 ás 17:00h
Publicidade

COTIDIANO

Cotidiano | 18/11/2019 ás 15:01h

Jogadores de time de futsal morrem em acidente após serem campeões

Cotidiano 18/11/2019 ás 12:40h
Publicidade
Cotidiano 18/11/2019 ás 10:20h
Publicidade

CAMPOS GERAIS

Campos Gerais | 18/11/2019 ás 18:42h

Suspeito de roubo morre durante confronto com PM

Publicidade
Campos Gerais 18/11/2019 ás 16:20h
Publicidade

MIX

Mix | 18/11/2019 ás 16:00h

Gusttavo Lima se apresenta em PG neste mês

Publicidade
Publicidade

ESPORTE

Esporte | 18/11/2019 ás 13:42h

PG Vôlei se prepara para estreia em casa na Superliga

Esporte 18/11/2019 ás 11:40h
Publicidade
Publicidade

INSANA

Insana | 13/11/2019 ás 10:46h

Ladrão de calcinhas 'azeda' o dia das vítimas e da PM

Publicidade
Insana 30/10/2019 ás 14:27h
Publicidade

VAMOS LER

Vamos Ler | 18/11/2019 ás 20:15h

Secretária e vice-prefeita de Tibagi comentam vitória no Concurso 2019

AGRONEGÓCIO

Agronegócio | 14/11/2019 ás 19:41h

Cooperjovem Frísia reúne mais de mil estudantes

Publicidade

ROMULO CURY

Editorial | 19/11/2019 ás 03:29h

O Estado e a reforma da Previdência

BOM DIA ASTRAL

Bom Dia Astral | 18/11/2019 ás 07:00h

Confira seu horóscopo para esta segunda-feira (18/11)

EMPREGOS

Empregos | 18/11/2019 ás 17:00h

Vagas na Agência do Trabalhador para segunda-feira (18/11)

Publicidade

MAIS LIDAS

Ponta Grossa | 14/11/2019 ás 18:54h

Feriadão começa violento com morte em bairro de PG

Ponta Grossa 13/11/2019 ás 16:21h
Ponta Grossa 16/11/2019 ás 16:59h
Publicidade