Cidades da região lideram na produção pecuária nacional

Pesquisa da Pecuária Municipal evidencia Castro e Arapoti como líderes na produção de leite e de mel no Brasil. Valor gerado por produtos da pecuária, em Castro, atingiu R$ R$ 901,9 milhões

Produção de leite cresceu em Castro e Carambeí se destacou na segunda colocação nacional
Produção de leite cresceu em Castro e Carambeí se destacou na segunda colocação nacional -

Fernando Rogala

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Castro e Arapoti, municípios da região dos Campos Gerais, lideram dois rankings nacionais na produção pecuária. Enquanto o primeiro é o que mais produz leite no Brasil, o segundo é o maior produtor de mel do país. Mais do que isso, Castro possui o terceiro maior valor nacional de produção entre os produtos de origem animal, com cifras que superaram os R$ 900 milhões movimentados no ano passado – os líderes, impulsionados pela produção de ovos de galinha, foram Santa Maria de Jetibá (ES), com R$ 1,4 bilhão, e Bastos (SP), com R$ 1 bi. As informações constam na Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), divulgada nesta quinta-feira (22) pelo IBGE, referentes ao ano de 2021.

Em âmbito nacional, o valor de produção dos principais produtos pecuários chegou a R$ 91,4 bilhões. A produção de leite concentrou 74,5% deste valor, sendo Castro o maior produtor nacional de leite de vaca, com 381,7 milhões de litros, montante que representa um acréscimo de 4,9% em relação a 2020, e contabilizou R$ 878,0 milhões em valor de produção. O segundo maior município em produção de leite também está nos Campos Gerais: é Carambeí, com 227,8 milhões de litros produzidos no ano passado, movimentando R$ 494,3 milhões em riquezas. O terceiro colocado nacional foi Patos de Minas (Minas Gerais), com 206,0 milhões de litros produzidos e R$ 443,0 milhões movimentados. O preço médio nacional pago ao produtor pelo litro de leite apresentou uma alta, de 21,0%, resultando em uma média de R$ 1,93 por litro em 2021, totalizando um valor de produção de R$ 68,2 bilhões.

Mel

Quanto à apicultura, em 2021 foi estimado mais um recorde para a produção nacional de mel: 55,8 mil toneladas, o que representa 6,4% ou 3,3 milhões de quilos a mais que o registrado para o ano anterior. Arapoti manteve a liderança nacional na produção de mel, passando de 810 toneladas, em 2020, para 925,6 toneladas em 2021. Ortigueira, que produziu 720 toneladas em 2020, ampliou a produção para 786,5 toneladas em 2021, aparecendo na terceira posição nacional, atrás de Santiago (RS), com 897,6 toneladas. O valor de produção mostrou expressivo aumento, de 34,8%, resultando em R$ 854,4 milhões – o preço médio nacional do mel passou de R$ 12,07 para R$ 15,30 por quilo do produto.

Outros municípios paranaenses são destaque no país

O Paraná acompanhou a tendência nacional e ampliou a produção de carne de frango. Cascavel, no Oeste, alcançou, pela primeira vez, o maior efetivo municipal dentre os 5.486 municípios que registraram presença de galináceos – Santa Maria de Jetibá (ES) liderava desde 2016. O aumento no plantel foi de 17,8%, chegando a 20 milhões de animais. Cianorte fechou na quarta posição. Entre os suínos, Toledo apresentou o maior volume na produção de carne entre os municípios brasileiros, com 869,2 mil de cabeças. Além disso, a PPM reforçou a soberania do Paraná na produção de peixes: o maior município produtor em piscicultura segue sendo Nova Aurora, com 20,1 mil toneladas. Palotina apareceu no quarto posto, e Toledo, em quinto.


Conteúdo de marca

Quero divulgar right