aRedeShopping aRedeNegócios Jornal da Manhã

Agronegócio

Perspectiva é de queda na produção em relação à safra anterior

Foto: Gilson Abreu / AEN

Da Redação | Agronegócio | 29/05/2021 as 09:59h

Paraná produzirá 38,6 milhões de toneladas de grãos

 Seca e geadas afetaram as principais culturas do Estado, como o milho e o feijão, trazendo uma baixa de 6% em relação ao produzido na safra anterior, segundo estimativa da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento

O relatório mensal do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, indica que a safra 2020/2021 no Paraná deve gerar um volume de 38,6 milhões de toneladas de grãos em uma área de 10,4 milhões de hectares. Esse índice de produção representa 6% menos do que o produzido na safra 2019/2020, em uma área 3% maior.

De acordo com os dados deste mês, adversidades climáticas como a seca e, mais recentemente, as geadas, impactaram no desenvolvimento das principais culturas do Estado, como o milho e o feijão. Essas dificuldades também resultaram em um alto custo de produção para os agricultores.

Além da seca, a redução das expectativas de produção decorre do atraso na semeadura da safra de soja e na semeadura da safrinha de milho. “Portanto, ganha relevância a recente iniciativa do Governo do Estado de estimular o uso de irrigação nas propriedades rurais, tanto quanto possível, para mitigar riscos, aumentar a produtividade e até cooperar, a médio prazo, para a redução do custo do seguro rural”, diz o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

A segunda safra de feijão, a exemplo do ocorrido no ano passado, foi prejudicada pela falta de chuvas em praticamente todo o ciclo vegetativo. O Deral estima uma redução de 38% na produção, comparativamente às 502 mil toneladas previstas no início da safra. Agora, estima-se um volume de 310 mil toneladas.

Quanto à segunda safra de milho, é esperada a produção de aproximadamente 10,3 milhões de toneladas, redução próxima de 4,4 milhões, na comparação com a estimativa inicial, perda de 30%. A quebra na safra de milho deve-se principalmente à estiagem que atinge o Estado, com chuvas irregulares e ausência de chuvas nos períodos críticos para o desenvolvimento das plantas.

Segundo o chefe do Deral, Salatiel Turra, os índices estimados atualmente para a cultura do milho têm impacto bastante significativo para o Estado, uma vez que refletem nas cadeias da carne e do leite, onde o grão é fundamental na produção de alimento para os animais. “Por outro lado, os preços praticados nesta cultura estão recompensadores para os produtores”, explica.


Feijão

A segunda safra de feijão iniciou com estimativa de produção de 502 mil toneladas, 83% acima do volume do ano passado. No entanto, devido à seca prolongada, a estimativa teve uma redução de 192 mil toneladas. “Esse cenário é semelhante ao do ano passado, pois o feijão é uma cultura suscetível a riscos. Além da seca, as baixas temperaturas registradas em maio e as geadas desta semana prejudicaram a safra”, explica o economista do Deral, Methodio Groxko. O levantamento realizado pelos técnicos do Deral indica a produção de 310 mil toneladas.

A área, de 254,3 mil hectares, apresenta aumento de 13% na estimativa comparativamente à safra 2019/2020. Até o momento, a colheita atingiu 44%, e deve ser concluída em junho. Segundo o economista, o produto colhido até o momento não apresenta boa qualidade, principalmente pela má formação dos grãos. Atualmente, 36% das lavouras apresentam condições consideradas ruins, 40% médias e 24% boas. Quanto às fases, 28% das lavouras estão em frutificação e 72% em maturação.

De acordo com Groxko, o Paraná é o principal fornecedor de feijão nesta época do ano e, apesar da forte redução da produção, o mercado está com poucos negócios. Os preços tiveram queda nas últimas semanas, mesmo com a oferta menor do produto, principalmente pela dificuldade que os atacadistas encontram para repassar qualquer aumento ao mercado varejista.

“Hoje, devido aos preços nas gôndolas, o consumidor final começou a mudar seus hábitos, e busca produtos como frangos e massas para substituir o feijão”, explica. A redução do valor do auxílio emergencial pago pelo governo federal e a queda na compra de cestas básicas também interferiram neste processo.

Na comparação mensal, os preços pagos compensam os custos de produção. No mês passado, o feijão-preto foi comercializado por R$ 255,71 a saca de 60 kg. Agora, está R$ 266,58. Em abril de 2021, a saca de 60 kg de feijão-cores era comercializada por R$ 264,14, em média. Em maio, o valor foi de aproximadamente R$ 267,37. A tendência para as próximas semanas é de estabilidade nos valores e menor influência do clima nas lavouras.


Milho

No início da safra, a expectativa era de que o Paraná produzisse um volume de 14,7 milhões de toneladas. Mas as perdas no campo foram significativas. Até o momento, aproximadamente 30% da safra foi perdida - cerca de 4,4 milhões de toneladas -, o que gera preocupação, inclusive, quanto ao abastecimento.

Agora, a produção esperada é de cerca de 10,3 milhões de toneladas. Esse volume é 13% menor do que o colhido na safra passada. A área está estimada em 2,5 milhões de hectares, 9% superior à do ciclo anterior. As principais regiões produtoras do Estado, como o Norte e o Oeste, já apontaram perdas altas, em torno de 1,5 milhão em cada uma.

As razões para a redução da estimativa da safra de milho são principalmente a estiagem em fases decisivas para o desenvolvimento das plantas. Em decorrência do clima, doenças e pragas também contribuíram para a expectativa de uma menor produção. “Considerando a evolução da cultura e a situação climática dos últimos meses, provavelmente será registrada uma nova redução da produção no próximo mês”, diz o técnico do Deral, Edmar Gervásio.

No entanto, os produtores estão bem remunerados. Os preços recebidos pela saca de 60 kg de milho fecharam o mês de maio em R$ 91,38, contra R$ 90,13 na média de abril. O atual valor representa um aumento de 127% comparativamente ao mês de maio de 2020, quando o produtor recebia, em média, R$ 40,21 pelo produto.

Devido à quebra, o Paraná tende a importar um volume maior de milho do que no ano passado, mas já é, tradicionalmente, o maior importador do produto no país. Ao longo de 2020, o Paraná comprou 730 mil toneladas. Apenas de janeiro a maio de 2021, o volume de importação foi de 530 mil toneladas.


Trigo

O plantio do trigo avançou para 58% nesta semana, percentual dentro da média para o mesmo período nos cinco últimos anos. A projeção de área foi revista para 1,17 milhão de hectares, ante 1,16 milhão registrado no levantamento do mês de abril. Caso essa estimativa se confirme, será um aumento de 4% sobre a safra anterior, com potencial para gerar uma produção de 3,8 milhões de toneladas, 22% superior. Neste período, as geadas não prejudicam a cultura do trigo.

De acordo com o engenheiro agrônomo do Deral Carlos Hugo Godinho, as chuvas das últimas semanas trouxeram umidade suficiente para regiões que iniciaram o plantio, assim como para as regiões que estavam com a janela de plantio ideal se encerrando.

No momento, 92% das lavouras estão em boas condições e 8% em condições médias, mas existem diferenças entre algumas regiões. No Sudoeste, principal responsável pelo rápido avanço do plantio, todas as áreas têm boas condições. Porém, no Norte e no Oeste, parte das sementes ficou até 40 dias sem receber chuvas, o que poderá ter reflexos no desenvolvimento da cultura.

“Existe a possibilidade de algumas áreas de trigo serem semeadas sobre áreas perdidas de milho, mas ainda não foi identificado algum movimento relevante nesse sentido”, diz o engenheiro agrônomo. Em maio, a saca de 60 kg de trigo foi comercializada, em média, por R$ 85,85. Em abril deste ano, os produtores receberam R$ 87,27. Os preços praticados atualmente são cerca de 43% superiores à média de maio de 2020, de R$ 60,13.


Soja

O volume de soja esperado para a atual safra é de 19,8 milhões de toneladas, 5% menor do que na safra 2019/2020, situação decorrente da seca e do atraso no plantio. A quebra de 800 mil toneladas é compensada pelos preços, segundo o economista do Deral Marcelo Garrido. Em maio, a saca de 60 kg de soja foi comercializada, em média, por R$ 159,74, valor bastante próximo do praticado em abril. Na comparação com maio do ano passado, por outro lado, o crescimento é de 70%.

A área está estimada em 5,6 milhões de hectares, 2% maior comparativamente ao ciclo anterior. Aproximadamente 72% do produto está comercializado, índice menor do que o registrado no mesmo período do ano passado, de 83%, mas ainda assim considerado elevado para o momento.

A projeção relativa à segunda safra de soja, destinada principalmente à produção de sementes, também foi afetada pela seca. Se, no começo do ciclo, esperava-se um volume de 110 mil toneladas, agora a expectativa está próxima a 95,8 mil toneladas. A área está estimada em 38,8 mil hectares, 2% menor.


Outros cultivares

Estima-se uma área de 70 mil hectares de cevada no Paraná para esta safra, 9% maior do que a área do ciclo 2019/2020, segundo o engenheiro agrônomo do Deral, Rogério Nogueira. Nas principais regiões produtoras, como Guarapuava e Ponta Grossa, o plantio inicia em junho. A produção de cevada no Estado está estimada em 318,7 mil toneladas, 17% maior do que na safra 2019.

A área do núcleo regional de Guarapuava, estimada em 39,4 mil hectares, representa 57% do total estadual. Nessa região, estima-se um crescimento de 4% na área plantada. No núcleo regional de Ponta Grossa, responsável por 30% da área, a estimativa subiu 10%, totalizando 20 mil hectares.

Há alguns meses, a colheita da mandioca no Paraná sofre com o clima seco, o que gerou perda de raízes no solo e, consequentemente, impacto direto nos custos de produção, segundo o economista do Deral, Methodio Groxko.

Em maio, a média de preço pago pela tonelada do produto foi de R$ 469,06. No mês passado, o valor era de R$ 420,08. Tanto a área quanto a produção têm estimativas 4% menores do que na safra 2019/2020. O Deral prevê um volume de 3,34 milhões de toneladas de mandioca em 142,6 mil hectares.

A seca também impactou negativamente o café. Em abril, o resultado do clima seco foi a aceleração do ciclo de maturação. Neste período, os produtores estão em alerta por conta da ocorrência de geadas e com a qualidade da safra, de acordo com o economista do Deral, Paulo Franzini.

Atualmente, cerca de 3% da área de 33,3 mil hectares de café está colhida, mas, a partir do mês de junho, a colheita deve se intensificar. Espera-se que sejam produzidas 52,4 mil toneladas, volume 9% abaixo da safra passada.

Com relação aos preços pagos ao produtor, a média do mês de maio ficou em R$ 719,61 a saca de 60 kg, 8% superior à média de abril (R$ 666,43), e 40% superior à média de maio de 2020. “Em um cenário com preços valorizados, o produtor está se esforçando para não ter perdas nas lavouras”, diz Franzini.


As informações são da AEN

email sharing button
email sharing button
email sharing button
email sharing button

Publicidade

Recomendados

Plano de saúde São Camilo oferece diferenciais aos clientes
Planalto Select Hotel promove encontro de motos
Profissionais buscam qualificação para pós-pandemia
Publicidade
Pontamed - Confiança e Agilidade
PG ganha assistência funeral que cobre 100% dos serviços relacionados
Mundo Animal de PG realiza promoção em setembro
Publicidade

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Vamos Ler 20/09/2021 ás 20:28h
Cotidiano 20/09/2021 ás 20:00h
Campos Gerais 20/09/2021 ás 19:52h
Publicidade
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 19:44h
Vamos Ler 20/09/2021 ás 19:35h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 19:06h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 19:00h
Publicidade
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 18:52h
Cotidiano 20/09/2021 ás 18:40h
Empregos 20/09/2021 ás 18:30h
Bom Dia Astral 20/09/2021 ás 18:00h
Ver Mais
Publicidade

PONTA GROSSA

Ponta Grossa | 20/09/2021 ás 17:56h

Estado encontra irregularidades no PSM e UPA

Ponta Grossa 20/09/2021 ás 17:55h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 17:48h
Publicidade
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 16:30h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 15:05h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 14:36h
Publicidade

COTIDIANO

Cotidiano | 20/09/2021 ás 17:29h

Criança dá partida em carro, atropela e mata prima no MT

Cotidiano 20/09/2021 ás 16:32h
Cotidiano 20/09/2021 ás 14:40h
Publicidade
Cotidiano 20/09/2021 ás 14:20h
Cotidiano 20/09/2021 ás 13:37h
Cotidiano 20/09/2021 ás 11:19h
Publicidade

CAMPOS GERAIS

Campos Gerais | 20/09/2021 ás 17:53h

Imbaú promove entrega de 1,4 mil kits com uniforme escolar

Campos Gerais 20/09/2021 ás 17:18h
Campos Gerais 20/09/2021 ás 17:09h
Publicidade
Campos Gerais 20/09/2021 ás 16:54h
Campos Gerais 20/09/2021 ás 16:44h
Campos Gerais 20/09/2021 ás 10:40h
Publicidade

MIX

Mix | 20/09/2021 ás 16:06h

Fábio Jr. ganha ação de empresa de remédio para impotência

Mix 18/09/2021 ás 09:00h
Mix 18/09/2021 ás 06:30h
Publicidade
Mix 18/09/2021 ás 05:00h
Mix 17/09/2021 ás 19:38h
Mix 17/09/2021 ás 15:45h
Publicidade

ESPORTE

Esporte | 19/09/2021 ás 21:41h

Globo não vê gol anulado, erra placar e só descobre no fim

Esporte 19/09/2021 ás 20:04h
Esporte 18/09/2021 ás 12:00h
Publicidade
Esporte 16/09/2021 ás 22:00h
Esporte 16/09/2021 ás 21:30h
Esporte 16/09/2021 ás 21:27h
Publicidade

INSANA

Insana | 03/09/2021 ás 10:49h

Por vingança, dentista arranca os dentes do ex-namorado

Insana 02/09/2021 ás 10:47h
Insana 05/07/2021 ás 09:02h
Publicidade
Insana 02/07/2021 ás 11:41h
Insana 02/07/2021 ás 08:09h
Insana 07/06/2021 ás 15:03h
Publicidade

VAMOS LER

Vamos Ler | 20/09/2021 ás 20:28h

Vamos Ler proporciona amplas ações em escola de Ipiranga

AGRONEGÓCIO

Agronegócio | 25/08/2021 ás 23:30h

Capal anuncia os vencedores do Prêmio Leite de Qualidade

Publicidade

Vamos Ler Aulas | 17/09/2021 ás 21:09h

Prefeito: conheça suas obrigações e como funciona o cargo de gestor do seu município

BOM DIA ASTRAL

Bom Dia Astral | 20/09/2021 ás 18:00h

Confira seu horóscopo desta terça-feira (21/09)

EMPREGOS

Empregos | 20/09/2021 ás 18:30h

Confira as vagas de emprego desta terça-feira (21/09)

Publicidade

MAIS LIDAS

Ponta Grossa | 17/09/2021 ás 17:23h

Primeira loja do Giraffas inaugura nesta terça em PG

Ponta Grossa 17/09/2021 ás 14:14h
Ponta Grossa 17/09/2021 ás 14:58h
Cotidiano 16/09/2021 ás 17:48h
Cotidiano 16/09/2021 ás 14:15h
Publicidade
Publicidade