PUBLICIDADE

Orçamento recorde em PG será marcado pelo aumento das indústrias

Em entrevista ao Portal aRede, secretário da Fazenda detalhou as previsões para a cidade em 2023, o ano do bicentenário, nos âmbitos fiscais e econômicos; orçamento irá alcançar a marca de R$ 1,3 bilhões

Secretário da Fazenda de Ponta Grossa, Claudio Grokoviski, deu entrevista ao Portal aRede
Secretário da Fazenda de Ponta Grossa, Claudio Grokoviski, deu entrevista ao Portal aRede -

Fernando Rogala

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Um ano de festividades, com um orçamento histórico e equilíbrio fiscal, que será marcado pelo desenvolvimento econômico e por anúncios de novos investimentos industriais. É dessa forma que o secretário municipal de Fazenda, Claudio Grokoviski, resume como prevê que seja 2023 em Ponta Grossa, o ano do bicentenário da cidade. Dessa forma, o secretário da Pasta mais importante do Município, que administra as finanças do Executivo, analisa o próximo ano como um marco para a consolidação de Ponta Grossa na posição de cidade que mais se desenvolve no Paraná, que já ocupa a quarta posição de relevância para o Governo do Estado em repasses de ICMS, sendo a principal do interior, e rumando para superar outros municípios dentro de alguns anos.

“2023 é um ano jubilar. Para esses 200 anos, há várias ações que o governo está planejando, e é um ano para se comemorar, porque a cidade está em um ciclo de crescimento”, resumiu Grokoviski, em entrevista concedida ao Portal aRede e Jornal da Manhã. O secretário falou isso não apenas baseado no desenvolvimento industrial, como mostra o Valor Adicionado do setor, que cresceu cerca de 33% em apenas dois anos (2020 e 2021), ou então no crescimento do PIB da cidade, de mais de R$ 1,7 bilhão em um ano, mas também na posição de destaque para o Estado em termos econômicos. “Ponta Grossa se estabilizou no índice de participação de ICMS no Paraná e é o motivo que a gente inicia o ano dos 200 anos comemorando, porque a cidade se configurou como a 4ª maior economia do Estado, só abaixo de Curitiba, Araucária e São José dos Pinhais, que são municípios com suas economias específicas em algumas áreas; e fica à frente de Maringá e Londrina. E em 2023 continuará como a quarta maior do Estado nesse critério”, diz.

Ganhos

E é justamente a indústria um dos principais diferenciais que faz com que Ponta Grossa tenha essa posição de destaque em termos estaduais. Claudio antecipou que inúmeros investimentos devem ser confirmados no próximo ano, elevando a arrecadação futura da cidade, trazendo ganhos fiscais ainda maiores, com mais retorno aos cofres do Município. “Nos 200 anos, com certeza novos investimentos, principalmente na indústria, serão colocados na nossa cidade. Há várias tratativas com nossa prefeita, e quando vem uma indústria para Ponta Grossa, ela não vem sozinha - na Maltaria Campos Gerais, por exemplo, tem mais de mil pessoas trabalhando. Então ela traz toda uma mão de obra, uma economia que movimenta na cidade. Será um grande presente para a cidade os novos investimentos que virão”, reforça o secretário.

Ano terá equilíbrio financeiro

O orçamento do Município para 2023 terá um valor nominal recorde. No total, R$ 1,3 bilhão foi planejado para ser movimentado pela Prefeitura nos 12 meses do ano, valor que é 22% superior ao projetado para 2022. “Ponta Grossa chega nos 200 anos como uma cidade, na secretaria da Fazenda e nas finanças, que consegue equilibrar despesas e consegue pagar fornecedores e a folha de pagamento em dia. Então conseguimos equilibrar o orçamento, porém não há recursos sobrando para novos investimentos - e sabemos que a população demanda de novos investimentos. Por isso precisamos melhorar nossas receitas”, argumenta o secretário.

Industrialização traz desenvolvimento

A escolha das indústrias por Ponta Grossa, explica Claudio Grokoviski, ocorre por uma série de fatores. Ele recorda que, no ano passado, foi confirmado o maior investimento privado da história do Município, da Maltaria Campos Gerais, que receberá um aporte superior a R$ 3 bilhões, e isso ocorreu pela vocação industrial na cidade. “Tivemos, no primeiro ano da prefeita Elizabeth Silveira Schmidt (PSD), o anúncio da Maltaria Campos Gerais, um dos grandes investimentos que vieram para o Município. Vemos que Ponta Grossa passa por um processo de industrialização e acreditamos que a cidade está muito bem preparada para isso. As empresas escolhem não só pelo benefício fiscal, mas porque tem toda logística, porque tem aeroporto, que será todo reformado, estamos próximos ao Porto de Paranaguá, então tem fatores que fazem com que elas escolham a cidade para se instalar”.

Sobre a Maltaria, ela deve ser um grande vetor de desenvolvimento econômico para o futuro da cidade, na visão de Grokoviski. “A primeira coisa importante é que traz geração de emprego direto e indireto. Haverá geração de ICMS, de ISS que será pago pelas prestadoras de serviço. E tem a questão de gerar Valor Adicionado, para que o Município possa melhorar seu índice de participação e ranqueamento. Estamos em quarto, quem sabe possamos chegar em terceiro com os novos investimentos”, conclui.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE