PUBLICIDADE

Diocese de PG arrecada fundos para missão na Amazônia

Com os recursos dessa campanha o padre pretende reformar o barco da missão

Padre Osvaldo rezando com o fiéis
Padre Osvaldo rezando com o fiéis -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

‘Missão é feita com os pés de quem vai, com os joelhos de quem reza e com as mãos de quem contribui’. Todo o sentido dessa frase pode ser vivenciado este ano, nas novenas de Natal que já estão sendo realizadas pelas famílias católicas da Diocese de Ponta Grossa. Como gesto concreto dessa preparação para o mais belo momento da fé cristã, o nascimento de Jesus, está sendo proposto que, ao final dos encontros, ocorra uma coleta para arrecadar fundos a serem encaminhados à Paróquia São João Batista, de Canutama, no Amazonas, que é administrada por padres da Diocese desde março de 2020.

“Diante da necessidade da nossa igreja na Amazônia, na Prelazia de Lábrea, de levar a presença de Jesus que nos vem através dos sacramentos, temos a necessidade de ir ao encontro das comunidades ribeirinhas. A presença da Igreja se dá através da vida sacramental. É preciso que crianças, adolescentes, jovens e adultos tenham esse contato com a Eucaristia, com os sacramentos e com a Liturgia, e, que se crie junto ao povo o senso de comunidade, de pertença, principalmente, a celebração da Palavra, aos domingos, e a distribuição da Eucaristia onde não é possível chegar, com assiduidade. Necessitamos de ajuda para levar até essas pessoas a presença de Jesus, através da presença dos missionários que estão lá. Consulte a sua paróquia, o seu padre e participe das novenas de Natal e contribua!”, justifica o pároco da São João Batista, padre Osvaldo Pinheiro.

Com os recursos dessa campanha o padre pretende reformar o barco da missão e, quem sabe, adquirir uma embarcação maior e melhor. Também pensa em custear as seguidas visitas missionárias que precisam ser agendadas, manter e construir espaços de evangelização, além de organizar a formação de agentes de pastorais e encontros de leigos (catequese, liturgia, jovens, casais). “Colaborar com a missão é presentear Jesus no irmão. Através das novenas de Natal realize seu gesto concreto, colaborando com o Projeto Igrejas-Irmãs da Diocese de Ponta Grossa e Prelazia de Lábrea, no Amazonas”, pede padre Osvaldo.

O barco é o único meio de transporte para a missão
O barco é o único meio de transporte para a missão |  Foto: Divulgação
 

Missão

A cidade de Canutama pertence à Prelazia de Lábrea, que conta com uma extensão territorial de 230.240 quilômetros quadrados e apenas 12 padres, um bispo titular, bispo emérito e religiosas Agostinianas Recoletas. Todos os padres são missionários da Ordem dos Agostinianos Recoletos ou diocesanos vindos de outros lugares, como da Diocese de Ponta Grossa. “O que se pretende é fortalecer a missão nessas terras, contribuindo com a evangelização e alimentando a espiritualidade e a fé. Somente com ajuda externa teremos condições de celebrar, zelar e nos deslocar, mantendo a missão em permanente atividade, já que o povo de lá (em sua maioria ribeirinhos) não tem condições de contribuir para suprir toda a necessidade da paróquia”, explica.

A Paróquia de São João Batista estende-se por 29.829 quilômetros quadrados, área maior que toda a Diocese de Ponta Grossa, que tem 23.462 metros quadrados. Lá, só se chega de barco. Canutama está a 12 horas de Lábrea – sede da Prelazia - por navegação convencional (240 km) e a três ou quatro dias de navegação de Manaus. Além da matriz, existem outras cinco comunidades: São Pedro, Santa Rita, São Frei Galvão, São Francisco e Nossa Senhora Aparecida. São 20 comunidades ribeirinhas, em um trecho de 185 quilômetros de rio. Há também famílias que vivem ao longo de outros rios, como o Mucuin, o Umari e o Assuã. Para se chegar a esses locais o único acesso é o barco. Ao longo da Transamazônica, que liga Lábrea a cidade de Humaitá e corta o município de Canutama, existem ainda duas comunidades, uma na localidade conhecida como Cristo e outra na localidade de Assuã. Os atendimentos ao Povo de Deus dessas regiões são feitos pelos padres Osvaldo e pelo padre Fábio Sejanoski, vigário paroquial.

Ao sul do município, na divisa com Porto Velho (RO), foi criada a área missionária Nossa Senhora Aparecida, localizada a 570 quilômetros da sede da paróquia. Dessa distância, 239 quilômetros são percorridos por rio e 331 por estrada. Mais da metade do trecho não é pavimentado. No km 70, entre Porto Velho e Canutama, na Comunidade Nossa Senhora Aparecida, estão sendo construídas as instalações do centro missionário, responsável pelo atendimento das comunidades São Francisco (km 56), Santo Inácio (km 40), Nossa Senhora dos Aflitos (km 23), Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora do Carmo (km 13), Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora Aparecida (km 4,5)

Na Área Missionária estão servindo o padre Sílvio Mocelim e o diácono Metódio Retexim e sua esposa, Vera. “Doe! Seja assim você também um missionário. Em nome dos padres Fábio e Sílvio e do diácono Metódio e sua esposa, desejo um feliz e abençoado Natal a todos os diocesanos”, finalizou o pároco, padre Osvaldo Pinheiro.  

Quem preferir pode fazer depósitos na conta da paróquia, no Banco Bradesco, agência 3742-7, conta poupança 1000519-1.

Com informações da Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE