PUBLICIDADE

Construção civil tem melhor desempenho do ano em agosto

A construção de edifícios criou mais de 60 vagas em Ponta Grossa no oitavo mês de 2022. No acumulado do ano, setor é impactado negativamente pelas mais de mil demissões no setor de obras de energia elétrica

A construção de edifícios criou 62 novas vagas no mês de agosto em Ponta Grossa
A construção de edifícios criou 62 novas vagas no mês de agosto em Ponta Grossa -

Fernando Rogala

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O setor de construção civil em Ponta Grossa teve, em agosto, o melhor desempenho do ano. Após registrar seis meses de retração em sete, o oitavo mês do ano registrou 506 admissões contra 444 demissões, resultando em um saldo de 62 postos de emprego criados. Antes de agosto, o único mês positivo foi abril, quando o número de contratações foi superior em 55 em relação ao número de desligamentos. Ainda assim, no acumulado do ano, é o único ramo negativo na cidade, com 1.002 postos de trabalho fechados, com 4.278 admissões e 5.280 desligamentos entre 1º de janeiro e 31 de agosto. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho e Previdência.

Ao analisar os detalhes por categoria, dentro do setor de construção, é possível notar que os números não traduzem exatamente a realidade que a maior parte das pessoas entende por ‘construção civil’. A maior parte das demissões neste período, a categoria com 1.148 vagas fechadas nos oito meses, se referia a ‘obras de infraestrutura para energia elétrica, telecomunicações, água, esgoto e transporte por dutos’. Somente as obras para a geração e distribuição de energia elétrica, ou seja, referentes ao projeto da Linha de Transmissão Gralha Azul, da Engie, foram 505 admissões e 1.563 admissões, resultando em um saldo negativo de 1.058 postos de trabalho.

A categoria de ‘construção de edifícios’ teve 1.669 contratados e 1.838 demitidos, o que representa uma queda de 169 trabalhadores empregados no setor na cidade em 2022. Porém, por outro lado, a categoria de ‘serviços especializados para construção’, que inclui instalações elétricas e hidráulicas em construções, demolição e preparação de terreno, obras de acabamento, entre outros, registou 1.392 admissões e 1.191 desligamentos, totalizando um saldo positivo em 201. Isso significa que, excluindo as obras de infraestrutura, o setor de construção, em 2022, está positivo e gerou 32 novas vagas.

Somente em agosto, a categoria de ‘construção de edifícios’ foi a responsável pelo aumento no número de trabalhadores no setor. Nos 31 dias, foram 223 pessoas contratadas e 161 demitidas, resultando em 62 novos trabalhadores para a construção de edifícios. A categoria de ‘obras de infraestrutura’ mais uma vez registrou a perda de trabalhadores, com 115 admitidos e 119 demitidos, em um saldo de -4. Já os ‘serviços especializados para construção’ tiveram um saldo positivo, após 168 contratações e 164 demissões.

Setor gera 7,6 mil vagas no Paraná

No Estado do Paraná, a construção civil gerou 7,6 mil vagas de emprego de janeiro a agosto de 2022, segundo ao Caged. O estado gerou mais postos de trabalho do que o total do ano passado, quando 7,4 mil vagas foram criadas. O perfil dos municípios que mais geraram emprego neste ano na construção civil mostra que o segmento é puxado pela construção residencial em áreas de indústrias e serviços diversificados. Somente em agosto, o setor criou 729 vagas, após o registro de 12.121 admissões e 11.392 demissões. A Construção Civil hoje gera, em todo o Estado, 161,6 mil vagas de emprego. O Sul do Brasil já gerou mais de 23 mil vagas de emprego na construção civil em 2022.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE