Menino é alvo de agressões e ofensas racistas em escola de PG

Pai da vítima traz detalhes da denúncia; casos ocorreram no decorrer desta semana

Responsável afirma ter buscado orientações junto ao  Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolecente Vítimas de Crimes (Nucria)
Responsável afirma ter buscado orientações junto ao Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolecente Vítimas de Crimes (Nucria) -

Allyson Santos

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Um aluno matriculado em Ponta Grossa alega ter sido alvo de agressões e ofensas racistas no decorrer desta semana. Os casos teriam ocorrido nas dependências de uma escola da cidade. Em entrevista concedida ao Portal aRede e Jornal da Manhã nesta sexta-feira (12), o pai da vítima detalhou a situação e condenou a apuração dos fatos por parte da instituição. 

Segundo o responsável, o filho relatou as primeiras agressões físicas e verbais na segunda-feira (8). Um aluno teria segurado o menino pelo pescoço e o chamado de ‘macaco’, ‘preto’, ‘cabelo de bombril’, entre outras ofensas de cunho racista. O pai afirma ter entrado em contato com a escola, em busca de uma solução. Ele alegou não ter recebido retorno, em um primeiro momento.

Na terça-feira (9), após ausência de resposta, o pai procurou expor o caso para veículos de imprensa. No mesmo dia, ele foi chamado para comparecer na sede da Secretaria de Educação, onde ficou definido que os responsáveis seriam identificados para que fossem tomadas as medidas cabíveis. O menino ficou dois dias sem ir para a aula, pois estava com medo de novas agressões.

Desdobramentos

O responsável relatou que a criança voltou para a escola na quinta-feira (11). Neste dia, o menino teria sido abordado por três alunos no banheiro. Enquanto dois o imobilizaram, o outro teria aplicado socos na barriga da vítima. Posteriormente, o menino foi jogado no chão, momento em que bateu a cabeça. Na sequência, ele afirma ter relatado o ocorrido para uma professora. Horas depois, quando foi encher a garrafinha de água, o menino foi abordado por um dos supostos agressores, que deu um tapa e voltou a ameaçar a vítima.

Ainda durante a entrevista, o pai da vítima afirmou não concordar com a maneira que a escola conduziu a situação. “Faz parecer que nós é que estamos errados em denunciar toda essa situação e exigir providências. Sentimos um certo descaso por parte de algumas pessoas”, disse. O pai afirma ter buscado orientações junto ao  Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolecente Vítimas de Crimes (Nucria).

Posicionamento oficial

A Secretaria Municipal de Educação emitiu uma nota sobre o caso após questionamentos feitos pela reportagem. Leia a nota na íntegra:

A Secretaria Municipal de Educação informa que, imediatamente após ter conhecimento dos relatos, estabeleceu uma Comissão de Averiguação, entrando em contato para ouvir tanto a família quanto a escola. Neste momento, a equipe está em conversa com todos em busca de compreender toda a questão, esclarecer completamente os fatos e tratar a situação com toda a devida atenção.

A SME se solidariza com a família e informa que está buscando uma solução para a situação, bem como reforçar o papel da escola como promotora do respeito e da conscientização contra qualquer tipo de violência.

Além disso, destaca que seguirá atuando para promover em seu currículo e em atividades constantes a igualdade racial e a educação dos alunos contra qualquer tipo de discriminação. Para isso conta com o apoio dos seus profissionais, da comunidade escolar e de toda a sociedade, por meio de ações internas e também intersetoriais que busquem, de maneira definitiva, extinguir esse mal social, o qual ainda persiste em nosso país e que não deve, de nenhuma forma, manifestar-se na escola.

Conteúdo de marca

Quero divulgar right