Praça na Vila Estrela é revitalizada através de EIV

Benfeitorias que custaram cerca de R$ 45 mil já aumenta a quantidade de moradores frequentando o local

Benfeitorias que custaram cerca de R$ 45 mil já aumenta a quantidade de moradores frequentando o local
Benfeitorias que custaram cerca de R$ 45 mil já aumenta a quantidade de moradores frequentando o local -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Benfeitorias que custaram cerca de R$ 45 mil já aumenta a quantidade de moradores frequentando o local

Nesta semana, a Prefeitura de Ponta Grossa entregou mais uma obra de revitalização de praça como medida compensatória de Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV). O espaço beneficiado foi a Praça Ângelo Moro, localizada na Vila Estrela, entre as Ruas Pedro Blageski e Cap. Bendito Lopes Bragança. As benfeitorias tiveram um custo estimado de R$ 45 mil e foram realizadas como ação mitigatória pela construção do empreendimento Soho Jardins Residence, localizado próximo a Arena Multiuso.

A prefeita Elizabeth Schmidt avalia que os EIVs tem uma grande contribuição para a cidade, por possibilitar a execução de obras e benfeitorias sem gerar custo para o Município. “Incentivamos o desenvolvimento da cidade na construção de mais moradias e ainda garantimos medidas que favoreçam a população através das compensações. Indiretamente, é a Prefeitura levando mais qualidade de vida para as pessoas”, disse Elizabeth.

De acordo com o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Ponta Grossa, Celso Sant’Anna, a reestruturação e revitalização da Praça Ângelo Moro contou com a recuperação piso, com a adaptação das instalações existentes conforme as normas de segurança e na acessibilidade, com o tratamento paisagístico e plantação de grama, com instalação e reparo de equipamentos, como bancos, lixeiras, iluminação, sinalização, restauração dos equipamentos de academia da terceira idade, restauração de equipamentos para playground.

“Através do EIV se exigem contrapartidas para compensar as consequências causadas por novos empreendimentos. Em virtude disso, ações são apontadas pelo Iplan como necessárias e condicionantes à instalação de grandes edifícios ou loteamentos na cidade, pelo impacto gerado em suas proximidades”, explica Sant’Anna.

Jonas de Mello Chueire, responsável pela empresa que realizou a medida mitigatória, estava feliz com o resultado. “Certo dia, estávamos acompanhando o trabalho e um morador da região comentou que as famílias estavam voltando a usar a praça nos finais de semana. Ficamos contentes, porque o bem público deve ser usado por toda a população e as benfeitorias que realizamos através do EIV oportunizou isso”, finaliza Chueire.