Polícia prende suspeito de estuprar enteada em PG

Investigação da Polícia Civil, através do Nucria, aponta que jovem sofria abusos do padrasto há quatro anos; prisão foi efetuada na manhã desta quinta (23)

Investigação da Polícia Civil, através do Nucria, aponta que jovem sofria abusos do padrasto há quatro anos;
Investigação da Polícia Civil, através do Nucria, aponta que jovem sofria abusos do padrasto há quatro anos; -

Sebastião Neto

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Investigação da Polícia Civil, através do Nucria, aponta que jovem sofria abusos do padrasto há quatro anos; prisão foi efetuada na manhã desta quinta (23)

Um homem de 45 anos foi preso pela Polícia Civil de Ponta Grossa pelos crimes de estupro de vulnerável e violência doméstica, em operação realizada na manhã desta quinta-feira (23) pelo Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria) do município. De acordo com as investigações, o suspeito abusava sexualmente da enteada há quatro anos; a jovem, hoje com 17 anos, sofria os abusos do padrasto desde quando tinha 13 anos de idade.

A investigação apura que o histórico de violência sofrida pela adolescente teria começado quando o homem criou um perfil falso no Whatsapp e passou a trocar mensagens com a enteada, fingindo se tratar de uma menina. Após um tempo, com a intimidade ‘criada’ entre os dois no aplicativo de mensagens, o suspeito passou a aliciar a adolescente com conversas de cunho sexual e exigia, mediante ameaças, que a vítima mantivesse relações sexuais ele.

Assim que essas exigências sexuais eram encaminhadas a adolescente, imediatamente o padrasto obrigava a menina a cumpri-las, sob pena de retaliações. Os atos violentos, que se estenderam por quatro anos, tiveram fim apenas no mês passado, quando a adolescente criou coragem para revelar a mãe os abusos que ocorriam dentro da própria casa; na sequência, a Polícia Civil foi acionada e o Nucria iniciou as investigações.

Já no ‘Cadeião’

Após ser preso, o suspeito foi encaminhado à 13ª Subdivisão Policial e se manteve em silencio durante interrogatório realizado pelos policiais; na sequência, o homem foi levado ao Presídio Hildebrando de Souza.