Prefeitura auxilia na atualização de cadastro de rebanhos

O prazo encerra dia 30 de junho e os produtores podem procurar a Secretaria Municipal de Agricultura para evitar multas

A atualização do rebanho paranaense é pré-requisito para manutenção do status paranaense de livre de Febre Aftosa sem vacinação, importante para abertura de mercados internacionais para qualquer produto agropecuário paranaense.
A atualização do rebanho paranaense é pré-requisito para manutenção do status paranaense de livre de Febre Aftosa sem vacinação, importante para abertura de mercados internacionais para qualquer produto agropecuário paranaense. -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O prazo encerra dia 30 de junho e os produtores podem procurar a Secretaria Municipal de Agricultura para evitar multas

A Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento alerta os criadores que encerra no final deste mês o prazo de atualização cadastral do rebanho paranaense. A declaração possibilita que o Estado planeje as ações de vigilância sanitária com vistas a conter rapidamente surtos de doenças nos animais, particularmente eventual foco de febre aftosa, que é possível, ainda que haja certificação internacional de área livre da doença sem vacinação.

A atualização do rebanho paranaense é pré-requisito para manutenção do status paranaense de livre de Febre Aftosa sem vacinação, importante para abertura de mercados internacionais para qualquer produto agropecuário paranaense. O cadastro é obrigatório para todos os criadores de bovinos, bubalinos, suínos, ovinos, caprinos, equinos, asininos, muares, aves, abelhas, peixes e outros animais aquáticos.

O secretário Bruno Costa comenta que a Prefeitura auxiliará os produtores que tiverem dificuldades em fazer o cadastramento. Segundo ele, o cadastro é uma importante ferramenta para direcionar políticas públicas de melhoria da qualidade do rebanho e da economia local. “Os produtores que não efetuarem o cadastro correm risco de eventuais multas pela falta do cumprimento dessa obrigatoriedade, como também não poderão requisitar as Guias de Transporte Animal (GTA) para movimentar os rebanhos fora da propriedade onde estão alojados”, disse Costa, que salienta que com as informações registradas, a Adapar terá melhores condições de agir e em eventuais casos de focos de qualquer doença.

O Paraná completou, em 27 de maio, um ano da certificação de área livre de febre aftosa sem vacinação concedida pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). “No relatório de 21 de junho, o município de Ponta Grossa está com índice de 47,5% de comprovações na campanha de 2022, faltando apenas nove dias para encerrar a campanha. 407 criadores ainda precisam atualizar o rebanho em Ponta Grossa”, aponta Priscila Cavalheiro Marcenovicz, gerente regional da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná, que reforça que é necessário que os produtores rurais efetuem a atualização anual do rebanho até o dia 30 de junho.

A partir do dia 1º de julho, os produtores que não estiverem com o cadastro atualizado estarão sujeitos a multas a partir de 10 UPF quando possuírem de 1 a 10 animais (aproximadamente R$ 1.273,10), e 1 UPF por cabeça quando possuírem mais que 10 animais. Valor da UPF de junho de 2022: R$ 127,31.

A atualização cadastral pode ser feita pelo site da Adapar (www.adapar.pr.gov.br), pelo aplicativo Paraná Agro (disponível no Google Play e no App Store), no Sindicato Rural de Ponta Grossa e no Paço Municipal, no 4º andar, na Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Com informações da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa