PG tem mais de 160 pessoas em busca de adotar filhos

De acordo com a Vara da Infância e da Juventude de Ponta Grossa, atualmente são 146 casais e 22 pessoas solteiras na fila em busca de um filho

Perfil buscado pelos pretendentes pode aumentar tempo na fila de espera
Perfil buscado pelos pretendentes pode aumentar tempo na fila de espera -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

De acordo com a Vara da Infância e da Juventude de Ponta Grossa, atualmente são 146 casais e 22 pessoas solteiras na fila em busca de um filho

Nos últimos cinco anos, Ponta Grossa conseguiu encaminhar 111 crianças para adoção, conforme dados da Vara da Infância e da Juventude (VIJ) do município. Várias famílias se formaram, ou cresceram, graças à estrutura do programa de adoção realizado na cidade, mas ainda assim, a fila de pessoas que buscam uma criança para integrar às suas vidas ainda é alta no município. São 166 pretendentes na fila, sendo 22 pessoas solteiras e outros 146 casais.

Quem fez parte dessa fila e conseguiu deixá-la em 2015 foi o casal Robison e Soraya Queiroz. Depois de quase quatro anos em busca de uma criança, em dezembro daquele ano finalmente veio a boa notícia: o Natal em família teria um membro a mais. A demora deveu-se principalmente ao perfil estabelecido pelo casal: uma criança de dois a quatro anos de idade, o que configura adoção tardia. “Pelo que nos explicaram, primeiro o Judiciário faz uma extensa pesquisa dentro da família biológica, porque o objetivo é sempre manter a criança na família”, conta Soraya. “Quando esgotam a pesquisa e não consegue reinserir a criança, daí ela é encaminhada para adoção”, complementa.

O número de crianças e adolescentes aptos para adoção é reduzido, ainda conforme a VIJ. Atualmente existe um grupo de irmãos de 9, 10 e 11 anos de idade (dois meninos e uma menina), dois irmãos de 2 e 3 anos e uma menina de 3 anos, todos já em processo de aproximação com os candidatos que estão à frente na fila de espera. Além dessas crianças, há uma adolescente de 16 anos que ainda não está nesse processo.

A adoção de adolescentes, aliás, continua sendo um desafio: das 111 adoções dos últimos anos, apenas dez foram de jovens a partir de 12 anos de idade. De acordo com a VIJ, o perfil mais procurado em Ponta Grossa é de crianças de 0 a 4 anos, de ambos os sexos, de cor branca ou parda. Inclusive, para formar a família, a idade das crianças é levada em consideração na comparação com a idade dos pretendentes. A Justiça também leva em conta os quesitos necessários à habilitação que estão previstos na lei federal 13.509. A análise é feita por meio dos estudos sociais e psicológicos, que avaliam as condições dos pretendentes nessas áreas, além do atendimento à documentação exigida.

Para definir quem está apto, a Justiça considera principalmente o aspecto motivacional dos casais em relação à adoção, segundo a VIJ. O prazo para que um casal esteja habilitado costuma ser de seis meses, mas o tempo de espera pode variar dependendo do perfil de criança estabelecido. Para crianças de até quatro anos de idade, o tempo de espera costuma ser de três a quatro anos.

Todo esse rigor tem seus aspectos positivos e negativos, tanto para quem está na fila para adotar quanto para as crianças. “A gente sabia que teria a criança como sonhávamos, já que preferimos buscar uma criança mais velha do que a maioria dos casais, que costuma buscar bebês”, relembra Soraya. “A demora deixa o casal angustiado, ano após ano ligam para renovar o cadastro e também para perguntar se ainda queremos continuar na fila”, complementa.

Quem deseja adotar deve se dirigir à Secretaria da Infância e da Juventude da comarca de sua residência, onde será orientado sobre as etapas de cadastramento e habilitação. Deverá preencher um formulário, apresentar documentos, participar de preparação e avaliação psicossocial. Ao final, se considerado habilitado pelo juiz, será incluído no Cadastro Nacional de Adoção.

Grupos de adoção orientam ‘futuros pais’

Em Ponta Grossa existem dois grupos de apoio à adoção que trabalham com o mesmo objetivo: compreender melhor o que é adoção e todas as suas particularidades. A Vara da Infância e Juventude de Ponta Grossa e o Grupo de Apoio à Adoções Necessárias (GAAN) desenvolvem trabalhos que buscam informar os pretendentes sobre a adoção e quais são os requisitos obrigatórios para que os pretendentes possam se habilitar. O objetivo da VIJ é que os pretendentes reflitam e sejam informados sobre o tema e os seis encontros realizados pelos grupos auxiliam nesse processo.

Quem pode adotar

Pessoas maiores de 18 (dezoito anos), independentemente do estado civil, que tenham sido avaliados e considerados aptos para adoção pelo juízo da Vara da Infância e da Juventude. É necessário que haja uma diferença de 16 anos entre adotante e adotado.