Crônica dos Campos Gerais: Abrindo a página | aRede
PUBLICIDADE

Crônica dos Campos Gerais: Abrindo a página

Texto de autoria de Luiz Murilo Verussa Ramalho, servidor do Ministério Público Estadual, residente em Ponta Grossa, escrito no âmbito do projeto Crônicas dos Campos Gerais da Academia de Letras dos Campos Gerais

A Crônica desta semana é de autoria de Luiz Murilo Verussa Ramalho.
A Crônica desta semana é de autoria de Luiz Murilo Verussa Ramalho. -

Publicado por Camila Souza.

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Você abre o livro e desaparece no cosmos enigmático e arrebatador que está de tocaia em suas páginas. Não me refiro ao enredo, por mais aliciante que seja, mas a uma dobra anterior deste multiverso, o maquinário de urdir mistérios que são as dedicatórias.

Há livros que valem pela dedicatória. A eloquência de quem dedica – certamente impulsionada por fomes interiores que o inspiram – supera a do autor do livro-objeto, que o escreveu burocraticamente, de ânimo frio, para lançá-lo ao mercado e pagar o condomínio.

A dedicatória certeira ilumina o livro fraco, mas a dedicatória de estilo tropeçante em nada macula o livro bom, antes passa a integrá-lo, talento do autor (do livro), potência anímica do autor (da dedicatória) alinhando-se, verso e anverso da mesma obra, escrever mal com o sentimento do escrever bem.

Nas bibliotecas públicas de Ponta Grossa, o dedicatorismo – inventei o nome, mas não o movimento – é praticado com frugalidade. Livro que se ganhou e rejeitou não é para ser doado e sim para ser trocado ou vendido, bem baratinho, nos comércios próprios. Constelações de dedicatórias, arquipélagos de dedicatórias, plêiades, matilhas, falanges de dedicatórias vicejam nos livros vendidos nos sebos da cidade, vertidas em todos os estilos. Pedagógico: "que aprenda muito no curso de..."; açucarado: "com afeto do..."; doméstico: "para minha filha, no aniversário de..."; vidente: "essa noite sonhei que vamos..."; poético-ecológico: "o mar, as estrelas, os passarinhos"; irônico: "caso saibas ler..."; filosófico (é o estilo açucarado ou o vidente, mas citando autores para reforçar as segundas intenções) e a seguinte pedrada com sutileza, datada e tudo: "Para a D. Silvia, com respeito, mas com esperança. Luis Fernando, 1954". (LF foi cirúrgico e, se algum familiar entrar em contato dizendo que funcionou, faço crônica, mas o livro estar no Sebo sugere o contrário.)

Apreciar dedicatória é lançar um olhar que devassa o interior de quem olha. Há quem evite escrevê-las, contando sua história antes da história propriamente dita, alegando o temor de um dia encontrar o livro, com sua caligrafia, seu nome e sua boa vontade, na liquidação da rede Espaço Cultural ou no Sebo Pantera. Temor vazio, que esconde um outro, mais nocivo, o medo de viver.

Texto de autoria de Luiz Murilo Verussa Ramalho, servidor do Ministério Público Estadual, residente em Ponta Grossa, escrito no âmbito do projeto Crônicas dos Campos Gerais da Academia de Letras dos Campos Gerais.

PUBLICIDADE

Participe de nossos

Grupos de Whatsapp

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE