aRedeShopping aRedeNegócios Jornal da Manhã

Mix

‘Miscelânea da História de Ponta Grossa’ – obra de Manoel Cyrillo Ferreia, em breve será relançada pela Editora UEPG.

Foto: UEPG

Da Redação | Mix | 14/09/2021 as 09:04h

A alma encantadora de Ponta Grossa

Como parte das homenagens à cidade, Miguel Sanches Neto, reitor da UEPG, aborda a história do município

 

Nesta quarta-feira (15), a cidade de Ponta Grossa completa 198 anos. Como parte das homenagens à cidade, Miguel Sanches Neto, reitor da UEPG, aborda a história do município em seu texto, que é parte do Prefácio do livro ‘Miscelânea da História de Ponta Grossa’ – obra de Manoel Cyrillo Ferreia, que em breve será relançada pela Editora UEPG.

Leia na íntegra:

Se há uma matriz mental para as notas colecionadas rapidamente por Manoel Cyrillo Ferreira, está no livro didático de Afonso Celso – Por que me ufano de meu país (1900). O volume Miscelânea da História de Ponta Grossa (que a Editora UEPG publicará em breve) é um “Por que me ufano de minha cidade”. Sua visão é a de quem estava integrado à vida social e fazia parte das tomadas de decisão do município. Fala longamente da Santa Casa de Misericórdia porque participa de sua diretoria. Não há, portanto, espaço para os problemas da cidade, pois a concepção de cidadania – refere-se às grandes figuras locais como “o cidadão Fulano de Tal” – é a das projeções social, econômica, política e cultural. O livro se caracteriza como um misto de memórias, crônicas ligeiras, contabilidade, propaganda e catálogo, unido pelo orgulho da cidade, que se destaca como a segunda em importância no Paraná. Fragmentário e oficialesco, parcial e apaixonado, tendendo para o colunismo social e para o registro burocrático, o volume revela alguns fatos curiosos, que merecem destaque porque dão os contornos de uma identidade local que então se formava.

A maior importância da obra está no mapeamento da cidade. Manoel Cyrillo Ferreira descreve sua organização, seja pelas colônias, seja pelas edificações, seja pelo tipo de comércio, indústria, religião ou lazer. Ficamos conhecendo a diversidade da composição urbana e rural de Ponta Grossa em um desfile de nomes de prestígio. Preponderam ainda os sobrenomes ibéricos, os do início da colonização – definidos como “os naturais”. Surgem os estrangeiros empreendedores (“os vindouros”) e aparecem rapidamente as figuras populares, principalmente como grupos (refere-se com frequência aos russos-alemães) e como tipos enlouquecidos que vagam pelas ruas com suas manias. Estes últimos são figuras caricaturescas, destacadas porque risíveis. Há muita alta sociedade e pouco povo no livro porque, como ficou dito, a obra foi escrita a partir do lugar social do autor, com intenção de elogiar as autoridades, as pessoas de posse e a constituição de seus espaços de cultura, lazer, trabalho e fé.

Neste mapeamento, encontramos referências a prédios que compunham a paisagem urbana e nos perdemos por ruas que brotam vivas nas descrições. A leitura é um flanar por uma Ponta Grossa já com densidade histórica, fixada em plena Era Vargas, quando a região se desenvolvia sob o comando nacional do mandatário que ela ajudara a alçar ao poder na Revolução de 1930 – uma revolução feita por Getúlio Vargas a partir de Ponta Grossa. Este passeio é agradável e o leitor colhe aqui e ali alguns episódios característicos.

Interessante, por exemplo, foi saber que a estrada de ferro Curitiba-Ponta Grossa, oficialmente inaugurada em 1894, começou a funcionar antes, transportando tropas por conta da Revolução Federalista. E que, durante essa invasão, a população local não se opôs, entregando vacas leiteiras a serem carneadas para alimentar os revolucionários. Isso diz muito de um espírito local, afeito a receber os vindouros, seja pela atividade histórica dos tropeiros, seja pela expectativa de lucrar com os imigrantes que aqui aportavam. Entre a guerra e a paz, somos antes pela última. Quem enfrentou os revolucionários foi a Lapa, interrompendo a marcha deles.

É curioso também saber que, entre 1892 e 1893, por falta de cédulas menores, a cidade criou a própria moeda, de circulação local, uns cupons de 100 a 500 réis, que foram muito utilizados. De espírito econômico, preocupado com guardar para o futuro, o ponta-grossense não gastou todos os cupons que recebeu para, em vez disso, constituir poupanças caseiras que, anos depois, não teriam valor algum.

Esta Ponta Grossa nascida no morro da catedral tinha, no momento da edição do livro (1936), pouco mãos de 30 mil habitantes. Havia deixado para trás seu modelo econômico principal, a extração da erva-mate e da madeira, e vivia de novas atividades: as nascidas com a estrada de ferro, a presença dos militares com seus soldos e a Cervejaria Adriática, representação da indústria exportadora, possível agora graças às linhas férreas. O tecido urbano se espraia com a força operária (invisível no livro), mas o autor reconhece tratar-se de uma “cidade que trabalha, sem distinção de classe”. Bairros e colônias são povoados a ponto de exigir outros tipos de serviço, como o transporte urbano, iniciando “o movimento dos auto-ônibus da Empresa Irmãos Rizental”, inaugurada por volta de 1930.

Manoel Cyrillo Ferreira publica seu livro neste período de mudança econômica e urbana, em que ainda prevalecem os sobrenomes importantes, alma social da Ponta Grossa que se destaca, enquanto tem como motor da economia uma gente trabalhadora, que não é nomeada mas a quem se credita o processo de desenvolvimento.

Entre naturais e vindouros, a Ponta Grossa moderna, que hoje vive um novo processo de crescimento, querendo retomar o lugar que tinha à época, de mais importante município do interior do estado, nasce nos anos 1930 para se consolidar nos anos 1950, com a criação das faculdades. Aí, então, já seríamos um centro produtor de conhecimento, com intelectualidade e técnicos formados aqui, e atrairíamos outro tipo de vindouro, o que chegava para lecionar, para pesquisar, para dinamizar o conhecimento local.

Na cidade moderna, diluem-se os sobrenomes e cresce a circulação monetária entre as classes, permitindo sonhar um espaço democraticamente aberto a todos. Manoel Cyrillo Ferreira, ao mesmo tempo em que rende homenagem ao modelo social de onde veio, anuncia o fim deste ciclo. A partir dele, é a cidade que vai se tornando uma grande miscelânea de pessoas, trajetórias e projetos – com suas grandezas e suas misérias. Sem dúvida, este livro é um valioso documento do fim de um tempo e de anúncio de outro:  um agora que ainda está em curso.

Ponta Grossa, setembro de 2021.

Professor Miguel Sanches Neto é escritor e reitor da UEPG.

 

email sharing button
email sharing button
email sharing button
email sharing button

Publicidade

Recomendados

Plano de saúde São Camilo oferece diferenciais aos clientes
Planalto Select Hotel promove encontro de motos
Profissionais buscam qualificação para pós-pandemia
Publicidade
Pontamed - Confiança e Agilidade
PG ganha assistência funeral que cobre 100% dos serviços relacionados
Mundo Animal de PG realiza promoção em setembro
Publicidade

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Cotidiano 20/09/2021 ás 21:00h
Vamos Ler 20/09/2021 ás 20:28h
Cotidiano 20/09/2021 ás 20:00h
Publicidade
Campos Gerais 20/09/2021 ás 19:52h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 19:44h
Vamos Ler 20/09/2021 ás 19:35h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 19:06h
Publicidade
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 19:00h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 18:52h
Cotidiano 20/09/2021 ás 18:40h
Empregos 20/09/2021 ás 18:30h
Ver Mais
Publicidade

PONTA GROSSA

Ponta Grossa | 20/09/2021 ás 17:56h

Estado encontra irregularidades no PSM e UPA

Ponta Grossa 20/09/2021 ás 17:55h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 17:48h
Publicidade
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 16:30h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 15:05h
Ponta Grossa 20/09/2021 ás 14:36h
Publicidade

COTIDIANO

Cotidiano | 20/09/2021 ás 17:29h

Criança dá partida em carro, atropela e mata prima no MT

Cotidiano 20/09/2021 ás 16:32h
Cotidiano 20/09/2021 ás 14:40h
Publicidade
Cotidiano 20/09/2021 ás 14:20h
Cotidiano 20/09/2021 ás 13:37h
Cotidiano 20/09/2021 ás 11:19h
Publicidade

CAMPOS GERAIS

Campos Gerais | 20/09/2021 ás 17:53h

Imbaú promove entrega de 1,4 mil kits com uniforme escolar

Campos Gerais 20/09/2021 ás 17:18h
Campos Gerais 20/09/2021 ás 17:09h
Publicidade
Campos Gerais 20/09/2021 ás 16:54h
Campos Gerais 20/09/2021 ás 16:44h
Campos Gerais 20/09/2021 ás 10:40h
Publicidade

MIX

Mix | 20/09/2021 ás 16:06h

Fábio Jr. ganha ação de empresa de remédio para impotência

Mix 18/09/2021 ás 09:00h
Mix 18/09/2021 ás 06:30h
Publicidade
Mix 18/09/2021 ás 05:00h
Mix 17/09/2021 ás 19:38h
Mix 17/09/2021 ás 15:45h
Publicidade

ESPORTE

Esporte | 19/09/2021 ás 21:41h

Globo não vê gol anulado, erra placar e só descobre no fim

Esporte 19/09/2021 ás 20:04h
Esporte 18/09/2021 ás 12:00h
Publicidade
Esporte 16/09/2021 ás 22:00h
Esporte 16/09/2021 ás 21:30h
Esporte 16/09/2021 ás 21:27h
Publicidade

INSANA

Insana | 03/09/2021 ás 10:49h

Por vingança, dentista arranca os dentes do ex-namorado

Insana 02/09/2021 ás 10:47h
Insana 05/07/2021 ás 09:02h
Publicidade
Insana 02/07/2021 ás 11:41h
Insana 02/07/2021 ás 08:09h
Insana 07/06/2021 ás 15:03h
Publicidade

VAMOS LER

Vamos Ler | 20/09/2021 ás 20:28h

Vamos Ler proporciona amplas ações em escola de Ipiranga

AGRONEGÓCIO

Agronegócio | 25/08/2021 ás 23:30h

Capal anuncia os vencedores do Prêmio Leite de Qualidade

Publicidade

Vamos Ler Aulas | 17/09/2021 ás 21:09h

Prefeito: conheça suas obrigações e como funciona o cargo de gestor do seu município

BOM DIA ASTRAL

Bom Dia Astral | 20/09/2021 ás 18:00h

Confira seu horóscopo desta terça-feira (21/09)

EMPREGOS

Empregos | 20/09/2021 ás 18:30h

Confira as vagas de emprego desta terça-feira (21/09)

Publicidade

MAIS LIDAS

Ponta Grossa | 17/09/2021 ás 17:23h

Primeira loja do Giraffas inaugura nesta terça em PG

Ponta Grossa 17/09/2021 ás 14:14h
Ponta Grossa 17/09/2021 ás 14:58h
Cotidiano 16/09/2021 ás 17:48h
Cotidiano 16/09/2021 ás 14:15h
Publicidade
Publicidade