Sexta às Seis: o ‘trintão’ que faz parte da cena cultural de PG

Neste ano o projeto completa três décadas e os números são expressivos

No ano de 1990 ainda dava para sentir o calor da efervescência musical da década anterior, que viu nascer uma safra histórica de artistas nacionais, sobretudo no rock. Nas rádios: Paralamas do Sucesso, Legião Urbana, Barão Vermelho - entre muitos outros – emplacavam um sucesso atrás do outro. Nesse cenário, a cidade ganhava um espaço para revelar seus talentos – de todos os estilos – e reunir os ponta-grossenses apreciadores de arte no fim da tarde: o Sexta às Seis.

Para muitas bandas locais, subir ao palco do projeto é um sonho. A chance de mostrar seu trabalho, adquirir experiência, proximidade com o público, somadas à ajuda financeira, é uma grande oportunidade. Só nos últimos seis anos, 104 bandas ‘pratas da casa’ tiveram essa chance, mas faz bem mais tempo que profissionais e amantes da música têm encontro marcado toda sexta...São 30 anos! E sem crise, maduro e em sua melhor forma, o projeto ocupa lugar de destaque no cenário cultural da cidade.

O ‘Sexta’ tem alcançado números expressivos: de 2014 a 2019, foram 181 shows em 79 sextas-feiras; neste período, só em premiações, foi investido R$116 mil. Para o presidente da Fundação Municipal de Cultura, Fernando Durante, o sucesso é fruto de trabalho em conjunto. “O planejamento e empenho por parte da equipe, além da confiança conquistada junto às bandas e a população e o apoio que o Projeto Sexta às Seis recebe do prefeito Marcelo Rangel e de toda sua equipe, pois várias secretarias têm participação efetiva no sucesso desta iniciativa”, explica.

Público

O público fiel não abandona o projeto, ao passo que apreciadores das novas gerações continuam chegando. Ligiane Malfatti é frequentadora há um bom tempo e tem muitas recordações. “Eu já fui em muitos shows do Sexta às Seis, na década de 90 era realizado na concha acústica na chamada Praça do Ponto Azul, nesta época o clima era mais intimista e reunia muitos músicos e artistas da cidade. Depois a estrutura aumentou e foi para o Parque Ambiental. Assisti várias bandas, Cadillac Dinosauros, A Coisa, Streides, Jamp e muitas outras bandas que são destaque na cidade e já tiveram projeção nacional”, relembra.

Para a professora universitária, a cidade tem muitas escolas de música importantes, e o Sexta se torna uma vitrine para os alunos, além de incentivar a produção de músicas autorais, o que fortalece a identidade de cada banda. “Talentos que estão escondidos e que a população pode não ter acesso, e muitas vezes venera ídolos que vem de fora. É preciso que se abra espaço para a expressão e a arte”, comenta Ligiane.

Manuelle Moraes tem 20 anos de idade e sempre que pode marca presença no projeto. “O Sexta às Seis é sempre uma boa oportunidade para encontrar meus amigos, me divertir e aproveitar os shows com eles. É um evento plural, muita gente reclama que sente falta de quando ‘só tinha bandas de rock’, mas com o tempo a gente passou a ver show de rap, de reggae, de indie, orquestra”, comenta.

Para a jovem, as apresentações mais incríveis, foram protagonizadas pelas mulheres. “Teve mulher fazendo de um palco pequeno algo grandioso. Tem dois shows que me marcaram muito, aconteceram ano passado: o da banda A Vera e o da MUM, foram na mesma noite e simplesmente incríveis. Não me lembro de ter me sentido tão feliz e impressionada antes com algum show”, relembra.

A média de público no projeto gira em torno de 800 pessoas, mas várias apresentações já ultrapassaram, e muito, essa marca.  Em 2016, no show da Casa das Máquinas, foram 4.500 pessoas, em 2018 a banda Patrulha do Espaço reuniu 3.500. A banda ponta-grossense Maiden Rulles também levou uma multidão, foram 3 mil pessoas na apresentação.

Bandas

Ao longo das três décadas de projeto, grandes artistas já subiram ao palco do Sexta às Seis, como Blindagem, Dazaranha e Wander Wildner. Mas muitos grupos locais que ainda estão conquistando seu lugar ao sol também tiveram a chance de se apresentar. “O rock não tem muito espaço atualmente e eventos assim abrem espaço tanto para bandas iniciantes como bandas de nome. Sexta às Seis faz parte da cultura e essência de Ponta Grossa”, conta Bruno Marinho Golombieski, integrante da Ursos Caipiras Country Rock Band, que já cantou no projeto por duas vezes.

A Banda Jamp nasceu em 2008 no Colégio Estadual Presidente Kennedy e já tocou várias vezes no projeto. Para o baterista Mario Sergio Ferreira, a primeira vez foi memorável. “A gente foi escolhido entre muitas bandas boas da cidade e quando subimos ao palco foi muito ‘da hora’, o público estava com saudades do Sexta às Seis e a gente tocando pra toda aquela galera com certeza foi inesquecível”, conta.

Outra representante princesina que deu as caras por lá em 2015, 2016 e 2018 foi a Jerimoon. Alain Barros, vocalista da banda, reconhece a relevância do projeto. “Sempre que somos classificados é como se tivéssemos passado no vestibular, todo o processo é muito divertido e toda a equipe da fundação é supercompetente”, comenta.

2020

Com o número e a qualidade de bandas inscritas aumentado a cada edição, as expectativas para a próxima temporada são grandes. A abertura é no mês de março e a Fundação prepara um grande show de estreia. Além disso, em julho haverá uma edição especial para celebrar o ‘Dia do Rock’.

Confira seu horóscopo para esta segunda-feira (03/01)

Confira seu horóscopo para esta segunda-feira (03/01)...

Vagas na Agência do Trabalhador para sábado (03/02)

Vagas na Agência do Trabalhador para sábado (03/02)...

Confira seu horóscopo para este sábado (01/02)

Confira seu horóscopo para este sábado (01/02)...

Confira a coluna RC deste sábado (01/02)

Confira a coluna RC deste sábado (01/02)...

Charge da edição deste fim de semana (01, 02 e 03/02/2020) do JM

Charge da edição deste fim de semana (01, 02 e 03/02/2020) do JM...

Aliel visita municípios e se reúne com lideranças durante o recesso

Aliel visita municípios e se reúne com lideranças durante o recesso...

Elizabeth Schmidt participa de inauguração de escola florestal

Elizabeth Schmidt participa de inauguração de escola florestal...

Rudolf Polaco atende a população com ‘Gabinete Móvel’ no Calçadão

Rudolf Polaco atende a população com ‘Gabinete Móvel’ no Calçadão...

Sojicultores da região devem colher 2,12 mi de toneladas

Sojicultores da região devem colher 2,12 mi de toneladas...

Capa da edição deste fim de semana (01, 02 e 03/02/2020) do JM

Capa da edição deste fim de semana (01, 02 e 03/02/2020) do JM...

Vereadores já discutem formação de comissões na Câmara

Vereadores já discutem formação de comissões na Câmara...

TJPR declara nula sentença no caso Diários Secretos

TJPR declara nula sentença no caso Diários Secretos...

Boletos do IPTU começam a ser distribuídos neste mês

Boletos do IPTU começam a ser distribuídos neste mês...

Um índice de respeito

Um índice de respeito...
Comentários

Deixe uma resposta

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Últimas Notícias

Capa do Dia

CHARGE DO DIA

REDES SOCIAIS