República: o primeiro degrau

Por Daniel Medeiros

Em 1873, um grupo de fazendeiros e profissionais liberais de São Paulo fundou, na cidade de Itu, o Partido Republicano. Até 1889, quando militares deram um golpe e depuseram o imperador, o Partido Republicano havia conseguido eleger apenas três representantes para o Poder Legislativo. Fora os debates restritos em alguns centros urbanos ou nos encontros da maçonaria, a República era uma completa desconhecida da população. No documento de fundação, as principais reivindicações dos republicanos eram a descentralização administrativa e o direito de voltar a cobrar impostos. O país havia acabado de sair da guerra do Paraguai e votado a Lei do Ventre Livre. O censo de 1872 mostrava um país pobre, analfabeto (80% da população não sabia ler e escrever) e com infraestrutura precária, com 38% de brancos e ainda 15% de escravos.

A imigração ainda engatinhava, e não mais do que 1% da população votava nas eleições legislativas. Ou seja, não havia, em um primeiro momento, qualquer identificação entre o que queriam os republicanos e o que havia no país. Em 1889, quando os militares, liderados por Deodoro da Fonseca - que sempre dissera ser monarquista - aposentaram compulsoriamente o já abatido monarca, D. Pedro II e sua herdeira, a princesa Isabel, eram ainda muito populares, principalmente por causa da abolição da escravatura, tema ausente da pauta dos republicanos, pelo menos até 1887.

Questões como a integração dos negros ao mercado de trabalho por meio da cessão de terras ou formação técnica-profissionalizante, defendidas por monarquistas como Joaquim Nabuco, recebiam somente a adesão de alguns republicanos “radicais”, como Silva Jardim que, decepcionado com a República por conta da forma como foi proclamada, deixou o Brasil para morrer na Itália em 1891. Abolicionistas históricos, como José do Patrocínio, também seguiram o imperador em seu exílio, decepcionados com a versão autoritária e centralizadora da nova República. Uma das primeiras medidas de Deodoro foi a censura aos jornais. 

Ao mesmo tempo que o país dava um passo à frente,  dava outro para trás. A República, palavra que vem da expressão latina res publica, isto é, coisa do povo, veio sem o povo, como destacaria mais tarde o escritor Lima Barreto: “O Brasil não tem povo, tem público.” 

No dia da proclamação, o jornalista republicano Aristides Lobo, destacou o que viu, em uma carta escrita na tarde do dia 15 e publicada no jornal Diário Popular do dia 18: "Eu quisera poder dar a esta data a denominação seguinte: 15 de Novembro, primeiro ano de República; mas não posso infelizmente fazê-lo. O que se fez é um degrau, talvez nem tanto, para o advento da grande era. Em todo o caso, o que está feito, pode ser muito, se os homens que vão tomar a responsabilidade do poder tiverem juízo, patriotismo e sincero amor à liberdade.
Como trabalho de saneamento, a obra é edificante. Por ora, a cor do Governo é puramente militar, e deverá ser assim. O fato foi deles, deles só, porque a colaboração do elemento civil foi quase nula. O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava.”

Nos cento e tantos anos do regime republicano, já tivemos ditaduras civis e militares, oligarquias, governos populistas, renúncias, suicídio e impeachments. Subimos os degraus esperados por Aristides? Alguns, sem dúvida. O suficiente? Longe disso. E o que esperar? Com a palavra, os jovens. E boa sorte com a tarefa.

*Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo.
[email protected]
@profdanielmedeiros

 

Cidades da região ampliam negócios e exportam R$ 17,7 bi

Cidades da região ampliam negócios e exportam R$ 17,7 bi ...

Mais de 1,5 mil empresas já optaram pelo Simples na região

Mais de 1,5 mil empresas já optaram pelo Simples na região ...

Prefeitura de Imbaú inicia programa de castração animal

Prefeitura de Imbaú inicia programa de castração animal ...

Tibagi inicia preparativos para o aniversário de 150 anos

Tibagi inicia preparativos para o aniversário de 150 anos ...

Guamiranga recebe R$ 750 mil para o setor agrícola

Guamiranga recebe R$ 750 mil para o setor agrícola ...

Municípios da região buscam entrada no mapa turístico nacional

Municípios da região buscam entrada no mapa turístico nacional ...

1ª pesquisa de 2022 aponta vitória de Lula nas eleições

1ª pesquisa de 2022 aponta vitória de Lula nas eleições ...

Caixa 161 anos: para se manter social, precisa continuar pública

Caixa 161 anos: para se manter social, precisa continuar pública ...

Alep reforça importância de proteger os animais do Paraná

Alep reforça importância de proteger os animais do Paraná ...

Irati entrega 20 toneladas de sementes para produtores

Irati entrega 20 toneladas de sementes para produtores ...

A Ômicron, H3N2 e os tempos de incertezas

A Ômicron, H3N2 e os tempos de incertezas ...

Capa da edição desta quinta-feira (13/01/2022) do JM

Capa da edição desta quinta-feira (13/01/2022) do JM ...

Ratinho Junior anuncia mudanças no secretariado

Ratinho Junior anuncia mudanças no secretariado ...

Viaduto entre PG e Carambeí recebe nome de Pedro Wosgrau

Viaduto entre PG e Carambeí recebe nome de Pedro Wosgrau ...
Comentários

Deixe uma resposta

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Últimas Notícias

Capa do Dia

CHARGE DO DIA

REDES SOCIAIS