PUBLICIDADE

Croácia vence Marrocos e garante 3º lugar na Copa do Mundo

Campanha repete a da primeira participação dos croatas em Copas, há 24 anos, na França

Triunfo em Doha foi “a última dança” de Luka Modric em Mundiais
Triunfo em Doha foi “a última dança” de Luka Modric em Mundiais -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Quatro anos após o vice-campeonato na Rússia, a Croácia está novamente no pódio de uma Copa do Mundo. Neste sábado (17), a seleção axadrezada derrotou Marrocos por 2 a 1, no Estádio Internacional Khalifa, em Doha, na disputa pelo terceiro lugar do Mundial.

A campanha repete a da primeira participação em Copas, há 24 anos, na França. Na ocasião, os croatas caíram para os anfitriões na semifinal, por 2 a 1, mas deram a volta por cima ao vencerem a Holanda, pelo mesmo placar, também assegurando a terceira colocação.

O triunfo em Doha foi “a última dança” em Mundiais do principal nome da geração que fez os croatas sonharem com o topo do futebol. Aos 37 anos, Luka Modric já havia anunciado que a Copa de 2022, a quarta da carreira, seria a última. O camisa 10 não apresentou, no Catar, todo o brilho de quatro anos atrás, quando foi eleito o melhor jogador da competição e, posteriormente, ganhou a Bola de Ouro da Fifa. Ainda assim, foi fundamental na campanha axadrezada, principalmente nas quartas de final, quando foi o dono do meio-campo no jogo contra o Brasil.

Do outro lado, a derrota marcou o fim do conto de fadas da primeira seleção africana a chegar às semifinais de uma Copa. E pensar que, há três meses não era Walid Regragui, mas o bósnio Vahid Halilhodzic, quem estaria no comando dos Leões do Atlas no Catar. Nascido na França, mas de ascendência marroquina, Regragui assumiu a equipe após o antecessor ser demitido por “diferenças de opiniões” com a federação. Entre as “diferenças” estava a não convocação o meia Hakim Ziyech, um dos astros do país.

Curiosamente, croatas e marroquinos iniciaram a jornada catari juntos, com um insosso empate sem gols no Estádio Al Bayt, em Al Khor. Ambos superaram a concorrência de Bélgica e Canadá, no Grupo F, para seguirem para as oitavas de final. Em lados diferentes do chaveamento, os europeus precisaram dos pênaltis para despacharem Japão e Brasil, mas não resistiram à Argentina. Os africanos, que também foram à marca da cal para eliminarem a Espanha e que superaram Portugal no tempo normal, pararam apenas na França.

A campanha histórica e o reconhecimento da torcida, que tomou as arquibancadas cataris ao longo da Copa, mostraram a Marrocos que ainda havia pelo que lutar no Catar. Não à toa, Regragui mandou a campo a melhor formação possível. O lateral Noussair Mazraoui e o zagueiro e capitão Romain Saïss, contundidos, foram substituídos por Yahya Attiat-Allah e pelo meia Abdelhamid Sabiri, respectivamente. Com isso, o técnico marroquino reeditou o 4-3-3 da maior parte da Copa, ao invés da formação com três zagueiros adotada no revés para os franceses. Uma terceira mudança, essa por opção do comandante, foi a saída de Azzedine Ounahi para entrada do também meia Bilal El Khannous.

No lado croata, Zlatko Dalic alterou significativamente a equipe. Foram cinco mudanças em relação à derrota para a Argentina, com o zagueiro Dejan Lovren, os laterais Josip Juranovic e Borna Sosa e os meias Marcelo Brozovic e Mario Pasalic dando lugar a Josip Stanisic, Josip Sutalo, Mislav Orsic, Lovro Majer e Marko Livaja. O 4-3-3 virou um 3-5-2. As trocas, contudo, não significavam descaso com a partida de consolação, mas uma equipe de postura diferente, com a proposta de ser menos defensiva e mais solta.

Ao contrário do que proporcionaram na primeira fase, marroquinos e croatas fizeram uma partida aberta, com dois gols em menos de dez minutos. Os europeus abriram os trabalhos. Aos seis, Majer cobrou falta na ponta esquerda da área, o atacante Ivan Perisic escorou para dentro e o zagueiro Josko Gvardiol marcou de cabeça. A resposta dos Leões do Atlas veio dois minutos depois, com Achraf Dari. Após uma bola alçada na área por Ziyech e desviada por Majer, o zagueiro se antecipou ao goleiro Dominik Livakovic e conferiu na pequena área.

Considerado a principal arma de Marrocos ao longo da Copa, o sistema defensivo pareceu menos concentrado que em outros jogos, dando espaços para a Croácia finalizar. A ausência da dupla titular (Saïss e Nayef Aguerd, também lesionado) fez diferença. A seleção axadrezada chutou oito vezes no primeiro tempo (o dobro dos africanos), sendo quatro em direção à meta de Yassine Bounou (todas dentro da área). Em uma delas, aos 41 minutos, o volante Mateo Kovacic desarmou Attiat-Allah e rolou na esquerda para Orsic, que bateu de primeira, encobrindo o goleiro e fazendo um golaço.

Na volta do intervalo, o desgaste das equipes se mostrou evidente. A Croácia, que disputou duas prorrogações na Copa, recolheu as linhas e possibilitou ao Marrocos ter mais a bola no ataque. Os africanos, por sua vez, sofreram com a ausência de peças importantes por lesão e esbarraram na falta de criatividade. Chances claras, foram duas, com Youssef En-Nesyri. Aos 29 minutos, Attiat-Allah cruzou pela esquerda, a zaga croata afastou mal e a bola sobrou nos pés do atacante, na cara de Livakovic, mas o goleiro salvou o chute no bico da pequena área.

Nos acréscimos, a dobradinha Attiat-Allah/En-Nesyri funcionou novamente. Ou quase, já que a cabeçada do atacante, após cruzamento do lateral, outra vez pela esquerda, foi por cima. Após o apito final, os jogadores marroquinos reclamaram muito com a arbitragem, contestando a não marcação de supostos pênaltis a favor dos Leões do Atlas.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE