PUBLICIDADE

Sete deputados eleitos tiveram as contas reprovadas no PR

Os parlamentares foram diplomados nesta segunda-feira (19), mas precisam ficar atentos pois ainda podem ter problemas com a Justiça Eleitoral.

Caso o problema não seja resolvido, o Ministério Público Eleitoral ou adversários políticos podem apresentar ações de impugnação de diploma.
Caso o problema não seja resolvido, o Ministério Público Eleitoral ou adversários políticos podem apresentar ações de impugnação de diploma. -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Dois deputados federais e cinco deputados estaduais tiveram a prestação de contas de campanha reprovada pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR). Os parlamentares foram diplomados nesta segunda-feira (19), mas precisam ficar atentos pois ainda podem ter problemas com a Justiça Eleitoral.

Dos 30 deputados federais, apenas dois tiveram as contas aprovadas sem ressalvas: Giacobo (PL) e Leandre (PSD). Já os deputados federais Felipe Francischini e Geraldo Mendes, ambos do União Brasil foram reprovados (confira a situação de cada um abaixo).

Dos 54 deputados estaduais, dez foram aprovados sem ressalvas: Adão Litro (PSD), Alisson Wandscheer (Pros), Batatinha (MDB), Fabio Oliveira (Podemos), Gilson de Souza (PL), Hussein Bakri (PSD), Marcio Pacheco (Republicanos), Mauro Moraes (União), Tercílio Turini (PSD) e Thiago Bührer (União).

Enquanto foram reprovadas as contas dos deputados Delegado Tito Barichello (União), Flávia Francischinhi (União), Ney Leprevost (União), Cloara Pinheiro (PSD) e Denian Couto (Podemos).

Diplomação

Os eleitos em outubro foram diplomados, nesta segunda-feira (19), durante um evento em Curitiba. A reprovação das contas não impede que o candidato seja diplomado ou tome posse.

Caso o problema não seja resolvido, o Ministério Público Eleitoral ou adversários políticos podem apresentar ações de impugnação de diploma.

Felipe Francischini

A Justiça Eleitoral identificou atraso nas prestações de contas do deputado federal Felipe Franchischini (União), além de omissão de despesas, utilização de recursos de origem não identificada e existência de dívida de campanha sem os documentos exigidos.

O TRE-PR determinou a devolução de R$ 1,275 milhão ao Tesouro Nacional. O valor corresponde a 42% dos R$ 2,983 milhões gastos por Francischini na campanha.

A defesa do deputado tem encaminhado documentos e preparado recursos para resolver a questão.

Geraldo Mendes

O TRE apontou que o deputado federal Geraldo Mendes (União) teve atrasos nas prestações parciais, existência de dívida de campanha sem assunção pelo partido, omissão de doações recebidas e de despesas; além de retificação só após o parecer conclusivo da relatora.

A defesa de Mendes ainda não se manifestou no processo.

Delegado Tito Barrichello

O deputado estadual Tito Barrichello (União) teve as contas reprovadas por Omissão de gastos e dívidas de campanha. Nesta segunda-feira, foi publicado o acórdão do julgamento das contas. Até a publicação desta reportagem, a defesa não havia se manifestado.

Flávia Francischini

Nas contas da deputada estadual Flávia Francischini (União) foram identificados despesas realizadas com recursos do Fundo Partidário e Fundo Eleitoral sem assinatura nos documentos relativos à prestação de serviços e sem apresentação de nota fiscal; despesas com aluguel de veículo sem que o proprietário fosse identificado; e omissão na prestação de contas parcial.

A Justiça Eleitoral determinou a devolução de R$ 460 mil ao Tesouro Nacional. 

A defesa da parlamentar já apresentou documentos e recursos ao processo.

Ney Leprevost

O TRE-PR encontrou nas contas de Ney Leprevost (União) omissão de despesas, inconsistências nos gastos pagos com recursos do Fundo Partidário e ausência de registro de doação estimável em dinheiro de materiais de publicidade em conjunto com outros candidatos. Ainda não há manifestação da defesa.

Cloara Pinheiro

Cloara Pinheiro (PSD) teve as contas reprovadas por entregar de forma intempestiva a prestação de contas final, divergência entre a movimentação financeira declarada e a registrada nos extratos bancários, realização de despesas antes da data da solicitação do registro de candidatura e realização de despesas após a data da eleição, entre outras irregularidades

A defesa da parlamentar já se manifestou no processo.

Denian Couto

Denian Couto (Podemos) foi reprovado por atraso nos relatórios parciais e ausência de declaração de gastos com honorários advocatícios e contábeis. A defesa do deputado já apresentou recurso.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE