PUBLICIDADE

Número de crianças internadas por covid-19 supera o de idosos

Inversão nos dados de internação pela doença se deva a ampla vacinação dos idosos e a baixa imunização das crianças, diz Fiocruz

Somente 2,5% da população de 3 a 4 anos, no Brasil, se imunizou contra o coronavírus
Somente 2,5% da população de 3 a 4 anos, no Brasil, se imunizou contra o coronavírus -

Agência Brasil

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O sucesso da vacinação contra a covid-19 entre os idosos e a baixa cobertura das crianças menores de 5 anos causou uma inversão nos dados de internação pela doença, segundo um estudo do Observatório de Saúde na Infância (Observa Infância), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ambas as faixas etárias tiveram queda nos números de hospitalizações, mas, entre 14 de agosto e 10 de setembro, o número de crianças internadas representava quase o dobro do de idosos.

O estudo se baseia em dados dos 'Boletins Epidemiológicos Especiais: Covid-19 (SVS/Ministério da Saúde)', e aponta que, no período, 678 bebês e crianças com menos de 5 anos foram hospitalizadas por covid-19 no Brasil, enquanto as internações de idosos com mais de 60 anos somaram 387. 

Os idosos são considerados grupo de risco para agravamento e hospitalização por coronavírus, e o Observa Infância lembra que, de janeiro a junho de 2022, houve 90 mil internações de maiores de 60 anos, contra 7,8 mil internações de bebês e crianças menores de 5 anos.

Os pesquisadores afirmam que, com o avanço da vacinação entre adolescentes, adultos e idosos, as taxas de hospitalização e mortalidade caíram em todas as faixas etárias, mas entre as crianças menores de 5 anos, a queda é mais lenta. Enquanto entre os idosos houve redução de 325% na média diária de óbitos por covid-19, para os menores de 5 anos essa queda foi de 250%.

Esse cenário fez com que crianças menores de 5 anos respondessem por duas de cada cinco internações por covid-19 no Brasil, a partir de julho de 2022.

A vacinação de crianças de 3 e 4 anos só pode ser feita com a CoronaVac, a partir da aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), concedida em 13 de julho, para o uso emergencial da vacina. Até 23 de setembro, somente 2,5% da população com essa faixa etária havia recebido a vacina, e, segundo o 'Vacinômetro' do Ministério da Saúde, o número de doses aplicadas nessas crianças não chega a 1 milhão. Para bebês de 6 meses a 2 anos, a Anvisa aprovou o uso da Pfizer pediátrica em 16 de setembro, mas a vacinação ainda não começou. 

"A cada dia que passamos sem vacinas aplicadas nessa faixa etária, mais de uma criança morre por covid-19 no Brasil", afirma Cristiano Boccolini, pesquisador em Saúde Pública da Fiocruz.

Com informações: Agência Brasil.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE