PUBLICIDADE

Brasileiro é detido após tentar matar Cristina Kirchner; veja vídeos

A arma teria falhado e a vice-presidente da Argentina não foi ferida

A arma teria falhado e a vice-presidente da Argentina não foi ferida
A arma teria falhado e a vice-presidente da Argentina não foi ferida -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Um homem foi detido na noite desta quinta-feira (1°) após tentar assassinar Cristina Kirchner, vice-presidente da Argentina, em Buenos Aires. Segundo o ministro da Segurança, Aníbal Fernández, o homem seria Fernando Andrés Sabag Montiel, um brasileiro de 35 anos.

A arma teria falhado e a vice-presidente não foi ferida. O atentado aconteceu quando Kirchner acenava para apoiadores na frente de sua casa, no bairro da Recoleta. A motivação do atentado é desconhecida.

No momento da tentativa de assassinato, ele levanta a mão esquerda, que está com a arma, e tenta atirar. No vídeo, é possível ver que ele chega a engatilhar a pistola, que falha. A Polícia Federal argentina, que estava cuidando da segurança de Cristina, o deteve rapidamente.

Segundo o jornalista Ariel Palácios, da GloboNews, o brasileiro circulava no meio do grupo de militantes kirchneristas que desde a semana passada ficavam na porta do prédio onde reside a vice-presidente. Pouco antes do atentado, as pessoas ao redor perceberam a movimentação estranha.

Kirchner, que está em meio a um julgamento por acusação de corrupção, conta com uma equipe de segurança de 100 policiais federais que, segundo Palacios, é o maior esquema de segurança de toda a história argentina.

O suspeito

O "Clarín" também afirma que o agressor tem antecedentes criminais. Em 2021, ele recebeu uma advertência da justiça argentina por porte de arma ilegal em sua casa, situada no bairro de La Paternal, em Buenos Aires. Na ocasião, ele alegou que a arma era para sua defesa pessoal.

Registos comerciais mostram que Sapag Montiel está registrado como motorista de aplicativo e tem um carro em seu nome.

Repercussão

Logo após o ataque, figuras da política internacional comentaram o atentado.

"Quando o ódio e a violência prevalecem sobre o debate, as sociedades são destruídas e situações como estas surgem: tentativa de assassinato", afirmou o ministro da Economia do país, Sergio Massa, no Twitter.

"Meu absoluto repúdio ao ataque sofrido por Cristina Kirchner, que felizmente não teve consequências para a vice-presidente. Este fato gravíssimo exige um esclarecimento imediato e profundo por parte do sistema de justiça e das forças de segurança", tuitou Mauricio Macri, ex-presidente da Argentina.

O ex-presidente Lula também comentou o ocorrido. "Toda a minha solidariedade à companheira @CFKArgentina, vítima de um fascista criminoso que não sabe respeitar divergências e a diversidade. A Cristina é uma mulher que merece o respeito de qualquer democrata no mundo. Graças a Deus ela escapou ilesa", postou na rede social.

Informações do G1

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE