Em entrevista, idosa chora ao dizer que não tem o que comer

Janete Evaristo, 57 anos, era uma das muitas pessoas que estavam na fila do Prato Feito

Janete Evaristo, 57 anos, era uma das muitas pessoas que estavam na fila do Prato Feito
Janete Evaristo, 57 anos, era uma das muitas pessoas que estavam na fila do Prato Feito -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Janete Evaristo, 57 anos, era uma das muitas pessoas que estavam na fila do Prato Feito 

Uma moradora do Rio de Janeiro chorou ao dizer, ao vivo no RJ1, da TV Globo, desta terça-feira, 21, a dificuldade de sua família ter o que comer. O drama também fez a repórter que a entrevistava cair no choro junto.

Janete Evaristo, de 57 anos, era uma das muitas pessoas que estavam na fila do Prato Feito Carioca do Andaraí. O programa, da Prefeitura do Rio, distribui refeições a quem está passando por situação de vulnerabilidade alimentar, e essa é a situação na casa de Dona Janete.

Ela está sem emprego e tem mais netos para dar alimento — uma filha morreu há dois anos, e o marido, há seis meses.

A mulher ficou emocionada primeiro ao relembrar dos parentes que faleceram há pouco. Nesse momento, a repórter Lívia Torres interrompeu a entrevista, mas Janete pediu a palavra de novo — agora para dizer a dificuldade de botar comida na mesa de casa.

“Domingo a gente não tinha nada para comer. Eu estou desempregada, está muito difícil. Eu estou catando latinha, mas não dá. Eu não tenho ajuda de muita gente, então domingo a gente não tinha mesmo nada. Está muito difícil”, disse, voltando a chorar.

A repórter também foi às lágrimas. Confira:

O Mapa da Fome aponta que, apenas no Estado do Rio de Janeiro, mais de 1,2 milhão de pessoas não conseguem colocar comida suficiente na mesa. O dado equivale a 6,8% de toda a população.

Informações Catraca Livre