PUBLICIDADE

Crea-PR realiza 2190 ações de fiscalização em PG e região

Fiscalizações foram realizadas em cidades que fazem parte das Inspetorias de Ponta Grossa, Castro e Telêmaco Borba

Conforme o balanço realizado, foram encontradas 1114 irregularidades, sendo que 59% são referentes ao exercício ilegal da profissão
Conforme o balanço realizado, foram encontradas 1114 irregularidades, sendo que 59% são referentes ao exercício ilegal da profissão -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) realizou, nesse ano, 2190 ações de fiscalização na Regional Ponta Grossa, que abrange as Inspetorias de Ponta Grossa, Castro e Telêmaco Borba. O incremento é de 35% em relação a 2021, quando foram contabilizadas 1617 fiscalizações. 

As ações têm o objetivo de verificar se as empresas que oferecem esse tipo de serviço possuem um profissional habilitado e capacitado no quadro técnico, se o profissional foi o responsável por elaborar o projeto técnico do serviço prestado e se as Anotações de Responsabilidade Técnica (ARTs) estão em dia, documento necessário nas execuções de atividades das engenharias.

Conforme o balanço realizado, foram encontradas 1114 irregularidades, sendo que 59% são referentes ao exercício ilegal da profissão, ou seja, serviços de Engenharia exercidos sem o responsável técnico.

“Realizamos, em 2022, diversas ações diferenciadas de fiscalização, iniciando por mutirões em obras civis, hospitais e eventos”, comenta o Facilitador de Fiscalização da Regional Ponta Grossa do Crea-PR, Armando Madalosso Vieira Filho. 

Dos processos irregulares ou com indícios de irregularidades gerados em 2022, 778 estão arquivados. Desses, 616 (79%) foram regularizados antes de qualquer autuação. 

Dentre as modalidades, a Engenharia Civil foi a que teve um acréscimo nas fiscalizações. Foram 1324, em 2022, contra 724, em 2021. A Engenharia Civil se manteve como a modalidade com o maior número de irregularidades. Somente nesse ano foram 654 registros, 425 em Agronomia e 347 nas demais modalidades. 

As fiscalizações de Civil foram as que mais se converteram em regularização em números gerais: 312. Já na modalidade de Agronomia, dos 415 processos gerados, 211 (49,7%) estão arquivados e regularizados sem autuação. 

“Quase metade das fiscalizações da área Civil ainda encontram alguma irregularidade, sendo que a maior parte das obras irregulares estão em Ponta Grossa, Castro, Telêmaco Borba e Ortigueira”, explica Armando. 

Com informações da Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE