Mulher morre dois meses depois da filha em PG

Laura Vuitik, de 55 anos, é mãe de Giuliana Skavrinski, que faleceu vítima de um câncer, em setembro. Ela não resistiu a um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e morreu em um hospital de Ponta Grossa.

Imagem ilustrativa da imagem Mulher morre dois meses depois da filha em PG
-

Igor Rosa

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Laura Vuitik, de 55 anos, é mãe de Giuliana Skavrinski, que faleceu vítima de um câncer, em setembro. Ela não resistiu a um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e morreu em um hospital de Ponta Grossa. 

Amigos e familiares se despedem de Laura Cristina Vuitik, de 55 anos. A mulher morreu na manhã da última quinta-feira (25) vítima de um AVC, em decorrência de um aneurisma cerebral. Ela chegou a ser internada, passou por uma cirurgia, porém os aparelhos foram desligados por conta da morte cerebral constatada. O sepultamento acontece às 9h no Cemitério Colônia Dona Luíza. Laura teve cinco filhos e deixa três, além do esposo. 

Ativa na comunidade católica de Ponta Grossa, amigos usaram as redes sociais para homenageá-la. "Agora ela está junto com seus intercessores,. A dor hoje é imensa", escreveu Samela Almeida, em uma rede social. "Essa mulher foi uma luz grandiosa em uma das minhas escuridões. Gratidão, Laura, por tudo", publicou Denise Canteri. 

O viúvo de Giuliana, Alex Skavronski, também homenageou a sogra. "Muita admiração por você. Vai lá, e diz pra Giuliana que o amor é eterno e que ela faz muita falta. Estamos sendo fortes e caminhando com a graça de Deus. Amamos você", desabafou. 

Há pouco mais de dois meses, Laura perdeu a filha, Giuliana Skavronski, que não resistiu a um câncer raro e agressivo na região da pelve.

A morte de Laura

Uma amiga da família relatou como tudo aconteceu. "Ela voltou do feriado prolongado e estava tudo bem. Na terça-feira (16) ela passou mal e acabou desmaiando em casa. Logo ela foi socorrida e levada a um hospital. Lá descobriram um aneurisma cerebral e ela precisou ser operada. No sábado (20) os médicos disseram que o caso dela era muito grave e que ela não estava reagindo. Eles iniciaram o processo de documentação para declarar a morte cerebral", relatou Ana. "Embora os médicos dissessem que era irreversível, nós seguíamos confiantes, porque nos últimos exames foi registrado um fluxo de sangue. Foram dias de muita agonia. Ontem pela manhã chamaram o esposo dela ao hospital porque eles iriam desligar os aparelhos", finalizou a amiga. 

A morte de Giuliana

Giuliana Skabronski descobriu um câncer raro em março deste ano. Travou, por seis meses, uma luta incansável. Ela não resistiu e morreu em setembro. Na época, Laura Vuitik, que já havia perdido um filho, fez um relato emocionante nas redes sociais. Para ler a publicação, clique aqui. 

Conteúdo de marca

Quero divulgar right