PUBLICIDADE

Vendas do PR para o exterior já superam resultado de 2021

De janeiro a outubro, as exportações de produtos cresceram 18% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado

Alimentos somam quase 40% de tudo que o estado exportou em 2022, seguido por madeira e automotivo
Alimentos somam quase 40% de tudo que o estado exportou em 2022, seguido por madeira e automotivo -

As exportações paranaenses mantiveram o ritmo de crescimento e, em outubro, somaram US$ 1,985 bilhão em mercadorias, valor 34% acima do registrado no mesmo mês de 2021. Já as importações atingiram os US$ 2,089 bilhões, superando em 45% o resultado divulgado em outubro do ano passado. Com esta diferença, o saldo da balança comercial paranaense ficou negativa em outubro, em US$ 104 milhões, diferente do resultado nacional, que foi superavitário em US$ 3,917 bilhões.

No acumulado de janeiro a outubro, o saldo da balança comercial do estado registra déficit de US$ -267 milhões, em virtude da diferença de valores entre o que o estado vendeu este ano para fora (US$ 18,821 bilhões) e o que comprou para uso na fabricação de produtos (US$ 19,088 bilhões). Mesmo assim, as exportações paranaenses acumulam expressiva alta de 18%, em valores, no resultado acumulado desde janeiro.

“Há alguns meses o resultado da atividade de comércio exterior paranaense se repete. Mas é mais um reflexo da inflação dos preços dos produtos no mercado internacional do que um real crescimento no volume de mercadorias”, justifica o economista da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Evânio Felippe. “Para conter a inflação de preços, potências como Estados Unidos e diversos países da Europa estão aumentando as taxas de juros, fato que pode desestimular o consumo, com possíveis impactos nas vendas do Paraná para o exterior”, explica.


Mercados e produtos

Os principais destinos das mercadorias vendidas pelo estado para fora do país, em outubro, foram China (US$ 225,5 milhões), Argentina (US$ 163 milhões), Estados Unidos (US$ 160 milhões), Holanda (US$ 104 milhões) e México (US$ 98 milhões). Para estes locais foram 38% de tudo que o Paraná comercializou no mês. O restante seguiu para outros 166 países.

No ano, as vendas para o mercado chinês, principal cliente paranaense, somam US$ 3,3 bilhões, embora estejam caindo quase 28% na comparação com o que foi registrado no mesmo intervalo do ano passado. Já para os norte-americanos, as vendas estão crescendo 21% de janeiro a outubro, totalizando US$ 1,5 bilhão. Melhor ainda é o resultado das exportações para a Argentina, que até o momento crescem 57%, em US$ 1,2 bilhão. México também em alta, de 46%, soma US$ 667 milhões. E, por fim, a Holanda, com US$ 607 milhões, supera em 26% o resultado de 2021.

Os principais fornecedores de insumos para a indústria estadual em outubro foram a China (27%), Estados Unidos (10%), Emirados Árabes Unidos (9,7%), Holanda (5,9%) e Índia (5,1%). Destes cinco países, o Paraná comprou 58% de tudo que importou no mês. Outros 42% vieram de outros 100 destinos. De janeiro a outubro, a China já vendeu ao estado cerca de US$ 5 bilhões em produtos (alta de 58%). Na sequência vêm Estados Unidos (US$ 2,4 bilhões e alta de 63%), Argentina (US$ 807 milhões, com queda de 12%), Paraguai (US$ 799 milhões e 12%) e Alemanha (781 milhões e alta de 3,2%).

Liderança

Em outubro, a soja continuou sendo o carro-chefe da pauta de exportações paranaenses, representando 20% do total. Em seguida vêm carnes (18%), material de transportes (12%), madeira (6%) e açúcares e produtos de confeitaria (5%). Juntos, estes cinco itens representam 62% das exportações estaduais. Já nas importações mensais, produtos químicos lideraram os pedidos (29%). Na sequência, aparecem petróleo (22%), material de transporte (11%), produtos mecânicos (8%) e materiais elétricos e eletrônicos (6%). Estes cinco itens respondem por 76% das compras totais do mês.

Este ano, três dos cinco principais produtos vendidos pelo Paraná para fora do país são ligados à atividade agroindustrial. A soja representa 28% do total exportado pelo estado. Depois seguem carnes (18%), madeira (8,3%), material de transporte (8,2%), açúcares (4,3%) e papel e celulose (4%). Já entre as compras do ano, 38% correspondem a produtos químicos. Seguem a lista petróleo (14%), material de transporte (10%), produtos mecânicos (8,4%) e materiais elétricos e eletrônicos (7,5%).

De todas as atividades econômicas do estado, a indústria de transformação foi responsável por 85% das vendas paranaenses para fora do país. Alimentos (41%), automotivo (12%), papel e celulose (7,6%), madeira (6,3%) e máquinas e equipamentos (5,3%) foram os itens mais negociados. Já nas importações, a indústria de transformação responde por 96% do total. Os itens mais utilizados no segmento foram produtos químicos (27%), petróleo (23%), automotivo (11%), itens de informática e eletrônicos (9%) e máquinas e equipamentos (8%).

Acumulado de 2022

Ao longo do ano, o cenário não muda muito. Os alimentos somam quase 40% de tudo que o estado exportou, seguido por madeira e automotivo (ambos com 8,5%), papel e celulose (7,4%) e máquinas e equipamentos (4%). Nas importações, o segmento de produtos químicos foi o que mais demandou produtos estrangeiros (36%). Depois vêm petróleo (13%), automotivo (10%), máquinas e equipamentos (9%) e produtos de informática e eletrônicos (8%).

“Outro alerta que pode impactar nas vendas do Paraná é a taxa de câmbio. Ela ainda permanece em patamares que favorecem as exportações, com variação de apenas 0,25% de apreciação em outubro. Mas como é sensível a mudanças de ordem política e econômica, pode influenciar na atividade de comércio internacional nos próximos meses”, conclui.

Com informações da assessoria de imprensa

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

MAIS DE DINHEIRO

HORÓSCOPO

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

DESTAQUES

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

MIX

HORÓSCOPO

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE