A corrosão da política

Por Gaudêncio Torquato 

   A degradação política se espraia pela comunidade mundial. A rede da representação não tem passado no teste de qualidade. Aqui e alhu­res. Espraia-se pelos continentes o sentimento de que a política, além de não corresponder aos anseios das sociedades, não é representa­da pelos melhores cidadãos, como pregava o ideário aristotélico. Norberto Bobbio já descrevia as promessas não cumpridas pela democracia, entre as quais a educação para a cidadania, o combate ao poder invisível, a transparência, o poder das oligarquias.

   A estampa dos homens públicos se apresenta esboroada. Veja-se a figura espalhafatosa do atual primeiro ministro do Reino Unido, Boris Johnson; o rompante “vou acabar com a imigração” do bilionário Donald Trump; a expressão tosca e radical do nosso presidente Bolsonaro; o estilo ditatorial Erdogan, na Turquia, e assim por diante. Manifestantes atiram ovos e tomates em muitos figurantes.

   Governantes das mais diferentes ideologias dão efetiva contribui­ção à degenerescência da arte de governar, pela qual Saint Just, um dos jacobinos da Revolução Francesa, já expressava, nos meados do século 18, grande desilusão: “Todas as artes produziram maravilhas, menos a arte de governar, que só produziu monstros.” A frase se desti­nava a enquadrar perfis sanguinolentos. Na contemporaneidade, canalhice e mediocridade inundam os espaços públicos.

   O que explica a propensão de homens públicos a assumirem o pa­pel de atores de peças vis, cerimônias vergonhosas e, ainda, abusarem de linguagem chula, incongruente com a posição que ocupam? O que explica a imagem de governantes recebendo propina? A resposta pode ser esta: o descompromisso com as demandas sociais, a despolitização e a desideologização, que se expandem na sociedade pós-industrial.

   Os mecanismos tradi­cionais da democracia liberal estão degradados. Outra resposta aponta para o paradigma do “puro caos”, que o professor Samuel Huntington identifica como fenômeno que se ancora na quebra no mundo inteiro da lei e da ordem, em ondas de criminalidade, no declínio da confiança na política.  

   No caso da política, tal declínio é acentuado pelo fato de ter subs­tituído o conceito de missão pelo conceito de profissão. Os eleitores execram os representantes, passando a eleger perfis que expressem inovação, mudança, virada de mesa. O de­sinteresse pela política se explica pelos baixos níveis de escolaridade e ignorância sobre o papel das instituições, e pelo relaxamento dos políticos em relação às causas sociais. Este fenômeno – a distância entre a esfera pública e a vida privada – se expande de maneira geométrica.

   Na Grécia antiga, a existência do cidadão se escudava na esfera pública. Esta era sua segunda natureza. A polis era espaço contra a futilidade da vida individual, o território da seguran­ça e da permanência. Até o final da Idade Média, a esfera pública se imbricava com a esfera privada. Nesse momento, os produtores de mercadorias (os capitalistas) invadiram o espaço público. É quando começa a decadência. Na primeira década do século 20, acen­tua-se com o declínio moral da classe governante. Assim, o conceito aristotélico de política – a serviço do bem comum – passou a abrigar o desentendimento.

   Com a transformação dos estamentos, as corporações profissio­nais se multiplicaram. Campos privados articularam com o poder público leis gerais para as mercadorias e as atividades sociais. Sensível mudança se processa.

   A esfera pública vira arena de interesses. Disputas abertas e intestinas são deflagradas, na esteira de discussões violentas. A atividade econômica passou a exercer supremacia sobre a vida pública. Os elei­tores se distanciaram de partidos, juntando-se em núcleos ligados ao trabalho e à vida corporativa – sindicatos, associações, movimentos. É a nova face da política.

   A participação dos aglomerados sociais ocorre dentro das organizações intermediárias. O discurso institucional, de atores individuais e partidos, não faz eco.

   Mas a estética da política pontua e remanesce nos sistemas cognitivos, emoldurando o modus operandi de políticos: agressões nas tribunas, encontros mafiosos, doações suspeitas, dólares na cueca, ovos atirados em autoridades etc.

   O que fazer para limpar a sujeira que borra a imagem do homem público? Primeiro: o homem público deve cumprir rigorosamente o pa­pel que lhe cabe. Segundo: punir os que saem da linha. Terceiro: revo­gam-se as disposições em contrário.

Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação [email protected]

Aliel Machado concorre ao prêmio de melhor deputado

Aliel Machado concorre ao prêmio de melhor deputado...

Empresários pedem retirada de PL sobre bares e faculdades

Empresários pedem retirada de PL sobre bares e faculdades...

PR é pioneiro na autonomia de gestão de áreas dos portos

PR é pioneiro na autonomia de gestão de áreas dos portos...

Celulares no cadeião de PG

Celulares no cadeião de PG...

Estado e União formalizam parceria para nova concessão de rodovias

Estado e União formalizam parceria para nova concessão de rodovias...

Pequenos produtores recebem tratores no Agroleite

Pequenos produtores recebem tratores no Agroleite...

Polícia combate grupo estrangeiro por agiotagem

Polícia combate grupo estrangeiro por agiotagem...

Receita Estadual combate inadimplência no IPVA

Receita Estadual combate inadimplência no IPVA...

Agroleite espera por Ratinho Junior, Bolsonaro e ministra

Agroleite espera por Ratinho Junior, Bolsonaro e ministra...

Vagas na Agência do Trabalhador para quarta-feira (14/08)

Vagas na Agência do Trabalhador para quarta-feira (14/08)...

Itaipu tem maior produtividade da história em julho

Itaipu tem maior produtividade da história em julho...

AMTT alerta para mudanças em ruas do Boa Vista

AMTT alerta para mudanças em ruas do Boa Vista...

PG terá ato por justiça após morte violenta de cachorro

PG terá ato por justiça após morte violenta de cachorro...

Novas rotas aéreas vão fortalecer o crescimento do agronegócio

Novas rotas aéreas vão fortalecer o crescimento do agronegócio...
Comentários

Deixe uma resposta

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Últimas Notícias

Capa do Dia

CHARGE DO DIA

REDES SOCIAIS