PUBLICIDADE

Frísia inicia atuação com bovinocultura de corte

Nova atividade permitirá diversificação aos cooperados da Frísia e a engorda de machos da raça holandesa

O holandês é um animal que, dependendo do sistema de produção, é capaz de produzir cortes cárneos de alta qualidade
O holandês é um animal que, dependendo do sistema de produção, é capaz de produzir cortes cárneos de alta qualidade -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Quando o Conselho de Administração da Frísia aprovou em julho deste ano a atividade de bovinocultura de corte, abriu-se uma promissora possibilidade dos cooperados otimizarem suas áreas, aumentarem a rentabilidade e continuarem sendo sustentáveis, um dos valores da cooperativa. 

Felipe da Costa Maciel é especialista em Zootecnia em Bovinos de Corte da Frísia e destaca dois cenários possíveis para os cooperados. O primeiro é em relação aos produtores que já atuam com gado de corte - com cria, recria e/ou engorda -, mas com as raças tradicionais, como anelorado (cruzamento com nelore), nelore e angus; e segundo com os machos da raça holandesa, que historicamente é voltada ao leite, que poderão ser criados e comercializados para frigoríficos.

No Paraná, a Frísia irá trabalhar das duas formas: pecuária de corte tradicional e engorda de machos da raça holandesa. “Além disso, temos cooperados da área agrícola no Paraná com áreas marginais não agricultáveis e que já têm gado de corte. Durante o inverno, eles usam algumas áreas que são de produção de grãos e formam uma pastagem para colocar os animais”.


Mercado promissor

Tradicionalmente, os machos holandeses são comercializados com baixo valor agregado ou até mesmo doados. Mas o holandês é um animal que, dependendo do sistema de produção, é capaz de produzir cortes cárneos de alta qualidade, destaca o zootecnista. O animal com 18 meses já tem 20 arrobas de peso e bom índice de marmoreio (gordura intramuscular da carne). O gado seria criado de forma intensiva, 100% confinado.

Ele reforça que a raça holandesa tem algumas peculiaridades para o corte, já que não foi desenvolvida para esse segmento. “Dentro de uma fazenda leiteira, o animal de interesse é a fêmea, e o macho é um coproduto. Mas temos modelos de engorda, principalmente no México e nos Estados Unidos, onde 25% a 30% da carne premium do mercado vem de bovinos holandeses. Na Califórnia, esse número chega a 70%. O estado tem um polo de produção de bovinos de leite muito grande e fazendas especializadas nesse animal”.

O trabalho da Frísia será na assistência técnica, com auxílio ao cooperado para o planejamento nutricional, formação de lote, alimentação, entre outras ações. A cooperativa também realizará a cotação dos valores junto aos frigoríficos para o melhor momento de venda. “A decisão final de comercialização é do cooperado”, conclui.

As informações são da assessoria de imprensa

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE