Demissões no Transporte Coletivo: precisamos refletir

Por Isabela Gobbo

           Na manhã do dia 17 de agosto, segunda-feira, a população de Ponta Grossa recebeu a notícia de setenta demissões de trabalhadores do transporte coletivo da cidade. Após entrar na justiça e ter o seu pedido de subsídio de 2,5 milhões de reais por mês indeferido, a Empresa do Transporte justifica a quebra do sistema para poder tomar tal medida drástica.

            Ao olhar esse cenário, até parece que nada mais poderia ser feito, tanto por parte da Empresa quanto da Prefeitura, o que não é a realidade e precisa ser explorado diante de um contexto maior. Inicialmente, apesar de ser um contrato de concessão, quem controla a forma como o transporte se dá é a Empresa. Como a fonte financiadora é a passagem, e como ela tem um único interesse neste contrato que é a obtenção do lucro previsto no mesmo, a diminuição de passageiros coloca a empresa numa situação inusitada, com as despesas para manutenção dos serviços praticamente inalteradas, mas sem o financiamento integral garantindo a sua parcela do bolo. Isso demonstra que o modelo de financiamento a partir das passagens, jogando todo o peso para os usuários sempre, não é o melhor para poder garantir esse serviço essencial. Se o pagamento fosse em cima do que é prestado e não do número de usuários, a Prefeitura teria como evitar esse tipo de situação, bem como superlotações em horários de pico, e se responsabilizaria de fato pela prestação deste serviço. Nesse sentido, o atual modelo não foi criado para garantir o serviço funcionando conforme decisões de interesse coletivo.

              Ademais, alguns pontos da política precisam ser colocados. A responsabilidade pela prestação do transporte coletivo é do poder executivo municipal, ou seja, da Prefeitura. Esta poderia investir em negociações para evitar o colapso do sistema, como um possível subsídio para a folha de pagamento ou ainda jogar o pagamento de ISS para o próximo ano. Sobre a Empresa, a forma como essas demissões irão ocorrer pode desencadear num enfraquecimento da oposição sindical que lutará de fato pelos interesses dos trabalhadores do transporte coletivo, o que é de seu interesse maior. Além disso, há um grande movimento nacional de empresas concessionárias pressionando para obter subsídios imensos provindos tanto dos governos municipais, quanto estaduais e federal, sendo a demissão uma das formas elencadas para a aprovação imediata desse recurso.

             Diante de tais fatos, o debate do novo modelo de transporte coletivo deverá perpassar por estes pontos cruciais para que o serviço seja garantido da melhor forma à população. E não adianta negar, seja agora com o que está ocorrendo ou lá na frente quando a renovação da concessão for colocada em pauta. A pressão por parte do empresariado sempre vai ocorrer defendendo seus próprios interesses, cabendo ao poder público lutar para que o interesse dos cidadãos e, em especial, dos usuários do transporte, seja vitorioso, assumindo seu dever em garantir o pleno acesso de verdade à cidade para todos.

Isabela Gobbo é Advogada e Mestra em Ciências Sociais Aplicadas pela UEPG

Makita anuncia aportes de R$ 100 mi por ano até 2025

Makita anuncia aportes de R$ 100 mi por ano até 2025...

Sindicato hoteleiro da região adere a campanha nacional

Sindicato hoteleiro da região adere a campanha nacional...

Devido à pandemia, VCG demite 70 funcionários

Devido à pandemia, VCG demite 70 funcionários...

IML identifica rapaz espancado em casa abandonada

IML identifica rapaz espancado em casa abandonada...

Suspeito de matar rapaz em casa abandonada é preso

Suspeito de matar rapaz em casa abandonada é preso...

Alexandre Aracema morre aos 105 anos em PG

Alexandre Aracema morre aos 105 anos em PG...

Rodoviária de PG reabre ao público hoje; veja restrições

Rodoviária de PG reabre ao público hoje; veja restrições...

Homem é encontrado morto em arroio na Vila Santo Antônio

Homem é encontrado morto em arroio na Vila Santo Antônio...

Sindicato repudia demissão em massa na VCG

Sindicato repudia demissão em massa na VCG...

Número de casos suspeitos de covid em PG soma 20 mil

Número de casos suspeitos de covid em PG soma 20 mil...

Operário confirma a contratação do atacante Roger

Operário confirma a contratação do atacante Roger...

Guardas de PG poderão ter câmeras para registrar ocorrências

Guardas de PG poderão ter câmeras para registrar ocorrências...

PG tem ‘pior’ segunda-feira desde o começo da pandemia

PG tem ‘pior’ segunda-feira desde o começo da pandemia...

Pauliki leva Plano PG+200 ao conhecimento de ex-prefeitos

Pauliki leva Plano PG+200 ao conhecimento de ex-prefeitos...
Comentários

Deixe uma resposta

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Últimas Notícias

Capa do Dia

CHARGE DO DIA

REDES SOCIAIS