Escola de Imbituva tem trabalho sobre compostagem | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
Escola de Imbituva tem trabalho sobre compostagem

Vamos Ler

19 de abril de 2017 10:23

Dhiego Tchmolo

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Debate sobre uso de bonés e uniformes ocorre em Jaguariaíva

Escarpa Devoniana é debatida em Jaguariaíva

Atividade integra duas notícias em sala de aula

Biomas viram diversas produções em Jaguariaíva
Comunicação e cidadania integram atividade em Jaguariaíva
Alunos enviam cartas em atividade de Tibagi
‘Mala da Leitura’ é destaque em escola de Tibagi
PUBLICIDADE

Alunos puderam conhecer a necessidade de utilizar resíduos descartáveis em adubo. Entrevistas com os pais e gráficos fizeram parte da atividade.

Buscar soluções para diminuir os resíduos que são despejados em aterros sanitários e de forma incorreta nas ruas, terrenos e rios é um dos desafios que as novas gerações têm para lutar contra os problemas ambientais que o planeta vem sofrendo.  Transformar os resíduos orgânicos em composto que possa ser utilizado como adubo foi uma das ferramentas que a Escola Municipal Rural Professora Dolores Mendes Galvão, de Imbituva, utilizou para desenvolver as atividades com os alunos.

A professora Jane Tratu Mocelin, que coordenou o projeto, explica que a compostagem é “um processo biológico através do qual microrganismos (fungos e bactérias) e insetos decompõem a matéria orgânica numa substância homogênea, de cor castanha, com aspecto de terra e com cheiro a floresta – o composto. Este processo envolve transformações extremamente complexas de natureza bioquímica, promovidas por milhões de microrganismos do solo que têm na matéria orgânica in natura sua fonte de energia, nutrientes minerais e carbono”.

Assim, a docente repassou aos alunos a importância de utilizar os compostos para que microrganismo consigam transformar a matéria orgânica em nutrientes para as plantas, como já é visto na natureza sem a intervenção humana. “A compostagem é um processo muito importante, pois, podemos reciclar os restos de comida e resíduos vegetais de casa, escola, jardim ou horta, que teriam como destino final o aterro sanitário. Ao reciclar esta matéria orgânica é produzido um fertilizante natural que não polui o solo com produtos químicos”, comenta a professora.

Com a introdução sobre o tema apresentada, foram desenvolvidas atividades durante uma semana, com entrevistas com os pais e, em cima deste material, foram utilizados gráficos e tabelas. O tema da atividade envolveu rodas de discussões sobre a alimentação saudável, enquadrando quais alimentos os responsáveis pelos alunos cultivam para consumo próprio.

Entre os questionamentos enviados para os pais estão: ‘Você produz algum tipo de alimento em sua propriedade para o consumo seu e de sua família? Se sim, quais? Se não, por que?’; e ‘Qual destino é dado ao lixo doméstico bem como restos de alimentos cascas de frutas e legumes, restos de verduras, borra de café?’.

Confira o relato e todas as fotos trabalhadas no projeto no blog escolar do 5º B da Escola Municipal Dolores Mendes Galvão.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização