Secretárias apontam os benefícios do programa

Vamos Ler

12 de março de 2017 16:01

Dhiego Tchmolo

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Vamos Ler e IMM fecham parceria por mídia e educação

Ervas medicinais viram entrevista em escola de Imbituva

Quinto ano desenvolve cinco atividades com o Jornal da Manhã

Turma cria espaço coletivo para acesso à leitura
Obra de Monteiro Lobato é destaque na Expocultura
Folclore é destaque em escola de Tibagi
Escola de PG trabalha com empreendedorismo
/
PUBLICIDADE

Desenvolvimento textual e interação são destaques para as secretárias de Educação parceiras do Vamos Ler.

Integrando as Secretarias Municipais de Educação de Ponta Grossa, Jaguariaíva, Imbituva, Carambeí e Tibagi, o Vamos Ler – Geração Digital terá um corpo pedagógico que ajudará na coordenação e diálogo do programa juntos às pastas de cada município. Com nove anos de existência, muitos profissionais já trabalharam com o projeto e destacam a importância de aliar a mídia e a educação, como ferramenta pedagógica, e exaltam a nova proposta – voltada às mídias digitais.

Esméria de Lourdes Saveli, secretária de Educação de Ponta Grossa, aponta que são dois elementos que fazem do projeto uma ferramenta única dentro das escolas: a parceria com o portal aRede e o Jornal da Manhã, além do desenvolvimento textual do aluno. “Primeiro temos a empresa privada que se articula com o poder público, onde há o interesse do jornal/portal em promover a educação. Segundo que esse método é um gênero da escrita, jornalístico. É importante para que os alunos tomem conhecimento das situações que se passam no cotidiano e na cidade. No formato proposto (pelo Vamos Ler), é mais um recurso que a criança desenvolve nas relações com a tecnologia. É uma forma de formar o leitor”.

Com experiência em desenvolver o programa quando ainda era diretora de um colégio, a secretária de Carambeí, Ana Wieslava Kaspachak, explica que a proposta do programa se faz necessária para os alunos da rede municipal. “Sou apaixonada pelo tema. O Vamos Ler foi um dos melhores projetos que tivemos com as escolas estaduais e hoje temos ela no município. A criança precisa aprender a trabalhar com essas novas ferramentas, pois já sabe utilizar a mídia digital. Trata-se do conhecimento, onde as crianças estão cada vez mais dispostas a fazerem o melhor”.

O crescimento crítico e a formação do cidadão é o principal elemento destacado por Ana Elis Gomes, secretária de Tibagi. “Hoje nós falamos de tecnologia onde é preciso saber administrar devido a muita informação má administrada. (O programa) traz o uso das ferramentas, junto com os blogs, que eu acho importante. A tendência é formar um cidadão mais crítico e bem antenado. Aqui na cidade já temos a lousa digital, onde a professora poderá usar em parceria com o Vamos Ler. No dia a dia, os alunos já tem o convívio com essa tecnologia”.

Para a secretária Sonia Wolff de Matos, de Imbituva, a multidisciplinaridade do Vamos Ler contribui para que o projeto seja ideal para o desenvolvimento com o 5º ano da rede municipal. “Temos nível de conhecimentos gerais que engloba tudo: ciências naturais, matemático e principalmente português. Podemos ter a capacidade de aprendizado mais eficaz, com o conhecimento através das notícias em instituições escolares, onde os alunos vão desenvolver tudo isso dentro da sala de aula”.

O trabalho desenvolvido em Jaguariaíva, explica a secretária Alcione Lemos, poderá dar mais espaço ao aluno. “Temos um histórico de trabalhos assim (com mídia e educação). Temos expectativas e saldos positivos, junto a rede municipal de ensino. Vai agregar ainda mais conceitos, conhecimentos, trazendo para as nossas crianças mais desenvolvimentos, dando ações e espaços para elas”.

Mídias digitais são destacadas

As coordenadoras do programa nos municípios também destacam a relação das mídias digitais com a educação, norteando o Vamos Ler – Geração Digital em 2017. “O contato virtual é o mundo deles (alunos da rede municipal de ensino). É a década deles. Ficamos voltados só ao conteúdo educacional muitas vezes e temos a possibilidade de trabalhar esse planeamento associado com a mídia”, comenta Patrícia Alessi Bastos, coordenador de Educação Especial de Imbituva. “Essa forma de mídia digital apresentada é bastante importante.

O trabalho com as fotos, com o vídeo, produzidos dentro da sala de aula, serão recursos que irão agregar no trabalho que os professores já desenvolvem na rede municipal de ensino”, explica a professora Andréia Valentim, coordenador do projeto em Jaguariaíva. A expectativa para as coordenadoras é que os trabalhos desenvolvidos  possam ser realizados através das plataformas disponíveis nas escolas, capacitando ainda mais os professores.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização