Catarata atinge mais de 20 milhões de pessoas no mundo

RC Bem Estar

18 de março de 2017 09:02

Romulo Cury

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Teste de intolerância alimentar pode ajudar no emagrecimento

Redes sociais podem ser gatilho de distúrbios na adolescência

Vômitos intensos na gravidez precisam de tratamento

Mesmo durante as férias, crianças devem ter rotina regular de sono
Como cuidar dos seus olhos no verão
Queijos leves combinam com dias mais quentes
Dicas para hidratar o cabelo após danos do verão
/
PUBLICIDADE

A catarata está entre as principais doenças causadoras da cegueira. O tipo mais comum é a catarata senil, ou seja, o envelhecimento natural do cristalino ao longo da vida. Além desse, existe também a catarata congênita, na qual o bebê já nasce com catarata (forma mais rara) e causas secundárias como o uso crônico de corticoide, doenças metabólicas, diabetes, uveítes (inflamação intra-ocular), trauma e exposição excessiva à radiação ultravioleta.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), hoje a doença é responsável por 51% dos casos de cegueira no mundo, o que representa cerca de 20 milhões de pessoas. Segundo a Sociedade Brasileira de Oftalmologia (SIGLA), por ano surgem cerca de 550 mil novos casos no Brasil. Em 2016, mais de 450 mil pacientes fizeram a cirurgia pelo SUS e no Brasil, ela é responsável por 48% dos casos de cegueira. 

“A catarata é uma doença silenciosa, que se desenvolve lentamente, dificultando a chegada de luz à retina e consequentemente reduzindo a visão. É como se você, olhasse para uma janela embaçada. Essa visão “nublada” dificulta tarefas do dia a dia, como ler, dirigir e até enxergar as pessoas”, explica o médico Fernando Wanna Pereira, oftalmologista da Clinica Fares.

O diagnóstico da enfermidade é feito pelo oftalmologista    através do exame de biomicroscopia acompanhado de dilatação da pupila. Outros exames complementares podem ajudar no diagnótico como: PAM (Acuidade Visual Potencial), Microscopiaespecular, Paquimetria, Fundoscopia, Mapeamento de Retina, Retinografia, OCT (Tomografia de Coerêcia Ótica), PIO (Pressão Intraocular), Ecografia (Ultrassonografia ocular), Biometria, Aberrometria ocular, entre outros.

O médico afirma que a única forma de tratar a doença é através da cirurgia que consiste em retirar o cristalino do olho e implantar uma lente artificial em seu lugar. “É fundamental que a população tenha consciência da gravidade e busque ajuda médica. Ao contrário do que pode ser dito, não existem colírios ou qualquer outro tratamento clínico para correção de nenhum tipo de catarata.”, conclui.

Mais informações sobre a Catarata:

Ocorrência/Maior incidência: geralmente após os 60 anos

Sintomas: dificuldade de enxergar à noite ou em ambientes escuros; mudança frequente do grau dos óculos; perda da visão de contraste; e aumento da sensibilidade à luz (fotofobia).

Tratamento: cirurgia com implantação de lente intraocular

Profilaxia: dieta rica em vitamina C (frutas cítricas), carotenoides (folhas verdes), vitamina E (encontrada em gérmen de trigo e abóbora), selênio (tem na castanha do Pará), zinco (encontrado nos cereais, ostras e iogurte); outra dica é não se esquecer dos óculos com proteção UV mesmo no inverno.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização